You are here

Operação de troca de dívida foi "reestruturação a favor dos bancos"

A operação de troca de dívida acrescenta 1100 milhões à fatura dos juros pagos pelos contribuintes. Na Assembleia da República, Mariana Mortágua disse que tal como nas PPP e nos swaps, "a forma do Governo resolver problemas é sempre a mesma: pagar mais aos bancos".
Em vez de pagar 300 milhões em juros de parte dívida que vencia em 2014, o Governo vai pagar mais 1100 milhões ao adiar esse pagamento para 2018. Foto Paulete Matos.

O tão aguardado "regresso aos mercados" saldou-se uma vez mais numa operação financeira para adiar o pagamento da dívida. Mas em troca desse adiamento, o Estado português irá pagar mais 1100 milhões de euros aos bancos que participaram na operação que o Governo diz ter sido "um sucesso".

Nas contas publicadas no Correio da Manhã, os juros das duas novas linhas criadas totalizam mais de 1400 milhões de euros, ao que se deve subtrair os 300 milhões que o Estado deveria pagar em 2014. Saldo final: serão 1100 milhões de euros a mais que os contribuintes irão pagar até 2018. 

A nova fatura dos juros com esta operação corresponde à soma dos cortes das pensões dos funcionários públicos e do aumento da contribuição dos serviços públicos para a CGA. 

"Esta operação é o contrário de um regresso aos mercados"

Na Assembleia da República, o tema esteve em debate esta quarta-feira e a deputada Mariana Mortágua acusou o Governo de fazer "um mau negócio": "O governo comprou dívida aos bancos acima do valor de mercado e a seguir vendeu dívida no mesmo valor abaixo do valor de mercado", afirmou a deputada bloquista, concluindo que assim "vamos pagar mais durante mais anos pela mesma dívida pública".

"O Governo sabe que tem de refinanciar 28 mil milhões de euros nos próximos dois anos e sabe que não o consegue. Mas em vez de fazer uma reestruturação a favor das pessoas, faz uma a favor dos bancos, em que paga mais e durante mais tempo à banca", resumiu Mariana Mortágua. 

Para a deputada do Bloco, pagar mais aos bancos "é a forma do governo resolver problemas: foi assim nas PPP, foi assim nos swaps" e volta a ser assim nesta operação de troca de dívida que "mostra o fracasso da política de austeridade e mostra a falta de coragem de quem nunca enfrenta a banca".

"Governo fez uma reestruturação a favor da banca: paga mais e durante mais tempo à banca"

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Política
Comentários (2)