You are here

“Troca de dívida é operação de desespero”

A troca de dívida dos próximos dois anos para 2017 e 2018 é “uma reestruturação da dívida mas das piores que se pode fazer”, acusa Mariana Mortágua, que salienta que Portugal vai “pagar a mesma dívida mas com mais juros durante mais tempo”.
A operação de troca de dívida “é a prova que o Governo sabe que não pode regressar aos mercados no próximo ano para refinanciar toda a dívida necessária", acusou Mariana Mortágua

A deputada Mariana Mortágua do Bloco de Esquerda criticou nesta terça-feira a operação de troca de dívida realizada pelo IGCP (Agência para a Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública – IGCP), que 'empurrou' para 2017 e 2018 cerca de 6.640 milhões de euros de dívida que originalmente tinha de ser paga em 2014 e 2015.

"A operação de troca de dívida que hoje conhecemos não representa de forma nenhuma um regresso aos mercados, pelo contrário, é a prova que o Governo sabe que não pode regressar aos mercados no próximo ano para refinanciar toda a dívida necessária", acusou Mariana Mortágua, em declarações à comunicação social.

A deputada bloquista salientou que se trata “de uma reestruturação da dívida mas das piores que se pode fazer”.

“Vamos pagar a mesma dívida mas com mais juros durante mais tempo. É uma operação de desespero de quem sabe que não tem no próximo ano como regressar a mercados e pagar toda a dívida que se comprometeu a pagar", realçou ainda Mariana Mortágua.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Política
(...)