You are here

Prova de acesso: Professores recusam humilhação

A luta e a solidariedade entre professores é a única resposta perante este degradante cenário. Este é o momento em que a solidariedade entre os professores não pode falhar.

Humilhar os professores e semear o caos na escola pública para abrir caminho às negociatas da privatização, eis o objetivo fundamental de Crato e do Governo PSD-CDS, na lamentável imposição de uma prova de acesso aos professores contratados. Os professores ousaram contestar o Governo com grandes mobilizações contra a destruição escola pública e dos direitos laborais…a resposta é uma irracional humilhação…para mostrar quem manda…

De pouco lhes interessa saber que os professores contratados já foram sujeitos a avaliação académica e profissional, a qual lhes confere as condições exigidas para o exercício da profissão docente. Ou que passaram por um período probatório (já nas escolas) e foram sujeitos a avaliação de desempenho obtendo sempre nota positiva (Bom, Muito Bom ou Excelente) sem a qual não poderiam candidatar-se a novo contrato.

Crato faz tábua rasa de percursos profissionais nos quais os professores assumiram as mais diversas e difíceis funções que as escolas e os seus alunos requerem. Ignora as avaliações a que esses docentes foram sistematicamente sujeitos no final dos seus contratos. Despreza todo o percurso, nomeadamente, ao nível da formação contínua e acrescida em que muitos docentes investiram.

E para a humilhação ser mais completa, organizaram um processo de extorsão dirigida ao bolso dos professores contratados. Exige-se, à cabeça, que os docentes contratados e desempregados desembolsem, no mínimo, 20 euros para se inscreverem na PACC. E embora só se preveja, em 2013, a realização da componente geral, o MEC obriga já a pagar o que eventualmente se realizará em 2014, as provas específicas, o que significa que muitos professores terão de pagar já 35, 50 ou 65 euros, dependendo dos grupos de recrutamento para que estão profissionalmente habilitados.

A luta e a solidariedade entre professores é a única resposta perante este degradante cenário. Este é o momento em que a solidariedade entre os professores não pode falhar. A luta não é só dos atingidos pela medida… é de todos, porque a degradação da escola pública (objetivo essencial deste Governo) é algo que afeta todos os professores, alunos e pais.

Sobre o/a autor(a)

Professor e historiador.
(...)