You are here

Os Contratados Anónimos

“Chamo-me Adriana Guerreiro e sou professora contratada”. Assim poderia começar uma qualquer reunião de “contratados anónimos”, viciados em filas da Segurança Social, topo de uma pirâmide precária, muito mais precária do que piramidal… O desemprego teima em estar sempre por perto, lembrando diariamente que a “oferta” de escola é um presente do destino, mas nunca um futuro. Artigo de Adriana Guerreiro.
Foto de Paulete Matos.

No ano transato, depois de concorrer a nível nacional e a mais de duas centenas de ofertas de escola, fiquei colocada já no final de outubro. Doze horas no horário já davam para matar a saudade, alimentar a paixão e deixar de me sentir tão inútil e imprestável, depois de nove anos de ensino a tempo inteiro. Continuei ainda assim a concorrer, porque nem só de saudade e paixão vive o Homem e não sou de me deixar ficar. Em novembro vi o meu horário preenchido com mais sete horas. Ora doze e sete, dezanove. “Nada mau!” – pensa o leitor.

Nestas dezanove horas contavam-se já umas quantas estreias. Seis horas de Português Língua Não Materna, outras seis de Português para Todos (ensino noturno a adultos estrangeiros), quatro horas de Educação Musical e três horas de Área de Projeto a um PCA. Tudo dividido por duas escolas (leia-se direção e gestão diferente, colegas que nunca cheguei a saber o nome, conselhos de turma, planos anuais de atividades, etc… O pormenor mais corriqueiro como pedir para tirar cópias com 48h de antecedência tornava-se, para mim, um desastre. Fui o pesadelo do pessoal das reprografias…). Tinha então aulas à tarde e à noite, preparando as aulas de manhã.

Mas um grave problema pesava no meu bolso e não se chamava dinheiro. Com doze horas tinha direito ao subsidio parcial de desemprego, que nos dá a diferença entre aquilo que a escola nos paga e o valor bruto de um salário que teima em encolher. Com dezanove horas, i.e., a faltarem três horas letivas para um horário completo, conside(ra)ram alguns iluminados que não se justificava tal subsidio. Nunca as palavras “mais trabalho por menos dinheiro” fizeram tanto sentido. Ora deu-se então o caso insólito de eu ter o dobro do trabalho e da despesa (acrescentando viagens de uma escola para outra, investimento em livros e outros materiais) e menos dinheiro a entrar na conta ao fim do mês.

E continuei a concorrer, a propósito, termo muito bem empregue. Alegria das alegrias! “Saiu-me” mais uma escola! Uma substituição por doença que me deixou com mais oito horas para ocupar as manhãs. Nada mais, nada menos, do que um 11º e um 12º ano de Português, às portinhas do exame nacional.

Contas feitas, para 310 dias de serviço, tivemos qualquer coisa como 3 escolas, 5 disciplinas diferentes com 7 níveis de ensino (o que requer preparação distinta), uma média de 250€ por mês em gasolina, um défice gigantesco de horas de sono e uma necessidade enorme de férias que, já que estamos numa de desabafar, vieram desfasadas com os finais graduais dos contratos. Refiro também, em tom jocoso, se quiserem, que nunca cheguei a perceber a razão pela qual não tive direito a subsídio de refeição em nenhuma das escolas (porque eram três contratos diferentes), mas para me tirarem o subsídio de natal “o patrão” já era o mesmo. Nunca cheguei a perceber por que tinha que justificar as ausências às reuniões marcadas semanalmente na escola A e B, quando estava a lecionar na escola C. E vice versa. Multipliquem esta confusão por reuniões de notas, visitas de estudo, relatórios dos alunos e toda a papelada que nos fazem crer importante. Dei algum trabalho às secretarias e fui a alegria das gasolineiras…

O ano letivo acabou e, antes dele, os meus três contratos. Pronto. Assim foi. Vazio, não é? Se notam o corte no ritmo do texto, imaginem na minha vida!

Os números mostram apenas uma pequena parte da realidade, mas dão aquela credibilidade estatística que este país tanto gosta. Porque aquilo que se sente e deixa de se sentir ninguém quer saber. São pieguices. Mas sou piegas e faria tudo outra vez. Porque foi um ano (louco, é certo), de uma intensa (insana?) atividade intelectual. Porque conheci alunos que jamais esquecerei e porque sei que também terei ficado em alguns. Porque tive experiências novas e ganhei, só por isso. Porque os poucos colegas que conheci são amigos para a vida. Porque sou Professora.

Este ano estou colocada com onze horas apenas numa escola. Apaixonada já pelos novos projetos e pessoas envolvidas. E penso, com tristeza, que isto é apenas um jogo sórdido de quem conhece, afinal, os piegas ingénuos e apaixonados com quem pode contar. Só que as paixões aumentam mas a ingenuidade vai-se perdendo. Assim é a vida.

Ajudamos diariamente os nossos alunos a conquistarem “novos territórios”, e a isso chamamos orgulhosamente “crescer”. Tentemos então ser alunos de nós mesmos, já que insistimos em ser melhores professores que cidadãos.

E a luta, camaradas… A luta continua.

 

*Adriana Guerreiro - Professora Contratada dos grupos 300 e 250

Artigo publicado na revista Escola.Informação do SPGL

20 de novembro de 2012

(...)

Resto dossier

Professores precários

Neste dossier, o esquerda.net publica um conjunto de artigos nos quais é abordada a precarização da profissão docente, os sucessivos ataques à Escola Pública promovidos pelo governo PSD/CDS-PP e alguns dos momentos de contestação dos professores que marcaram os últimos dois anos. Dossier organizado por Mariana Carneiro.

Cronologia: Dois anos na defesa da Escola Pública contra a troika

Neste artigo, o esquerda.net publica uma breve cronologia na qual são abordados os sucessivos ataques à Escola Pública e alguns dos momentos de contestação que marcaram os últimos dois anos. Dados compilados por Mariana Carneiro e Belandina Vaz.

Professores em luta contra a prova de avaliação

A contestação ganha cada vez mais força e as formas de protesto diversificam-se: concentrações, abaixo-assinados, recusas individuais de professores convidados para serem classificadores, posições de escola. Todos estes protestos têm um objetivo comum: “travar” a prova de avaliação.

Ministério da Educação recua e paga compensação por caducidade de contrato

Depois de centenas de condenações em tribunal, o governo teve de recuar e dar indicações às escolas no sentido do pagamento das compensações por caducidade aos professores contratados em 2012. A Federação Nacional de Educação (FNE) congratulou-se com a decisão mas lamentou que o executivo PSD/CDS-PP tenha “esquecido” todos os outros docentes.

Guia de prova para professores é “inutilidade” e “idiotice”, dizem sindicatos

Para a Fenprof, o guia da prova de acesso à carreira de docente é uma “idiotice”. Para a FNE, trata-se de uma "inutilidade" que "desconsidera" o trabalho realizado pelos docentes. A Associação dos Professores Contratados considera, por sua vez, que este é “mais um comprovativo do retrocesso educacional”.

A Educação na era da Troika

A redução brutal do número de professores nas escolas, a mutação dos Contratos Simples para um puro modelo de cheque-ensino e a subversão da rede escolar introduzindo um conceito de concorrência entre escolas públicas e privadas ao invés da complementaridade até hoje em vigor são alguns dos indicadores do que é a Educação na Era da Troika.

Comissão Europeia quer revisão de condições de professores a prazo em Portugal

Notificação dá dois meses ao governo português para adotar medidas contra a discriminação que sofrem os professores contratados, como o emprego precário e o salário inferior ao dos professores do quadro com funções equivalentes.

Despedir para reinar

Dois anos e meio de Troika. Dois anos e meio de Governo PSD/PP. Demasiado tempo a dar cabo da Escola Pública.

Piquetes para derrotar a prova

Os professores têm vinte dias para organizar uma vitória contra a prova de Nuno Crato. Ela é possível. Derrotar a prova é derrubar Crato. Artigo de Miguel Reis e Belandina Vaz.

No comboio descendente

Os “novos” docentes em transumância (ou retornados; tendo em conta os antigos “docentes desterrados”) ajudam a manter as gasolineiras e a CP, a quem este ano deram um novo fôlego. Artigo de Sílvia Pereira. Artigo de Sílvia Pereira.

Os Contratados Anónimos

“Chamo-me Adriana Guerreiro e sou professora contratada”. Assim poderia começar uma qualquer reunião de “contratados anónimos”, viciados em filas da Segurança Social, topo de uma pirâmide precária, muito mais precária do que piramidal… O desemprego teima em estar sempre por perto, lembrando diariamente que a “oferta” de escola é um presente do destino, mas nunca um futuro. Artigo de Adriana Guerreiro.