You are here

Guia de prova para professores é “inutilidade” e “idiotice”, dizem sindicatos

Para a Fenprof, o guia da prova de acesso à carreira de docente é uma “idiotice”. Para a FNE, trata-se de uma "inutilidade" que "desconsidera" o trabalho realizado pelos docentes. A Associação dos Professores Contratados considera, por sua vez, que este é “mais um comprovativo do retrocesso educacional”.
Foto de Mário Cruz, Lusa.

Mário Nogueira, secretário-geral da federação nacional dos professores (Fenprof), declarou à Lusa: “Estamos perante a estupidez assumida pelos responsáveis do Ministério da Educação, isto não tem sentido nenhum”.

Mário Nogueira não ficou surpreendido com o tipo de prova e diz: “Quanto mais idiota esta prova fosse, mais nós deixávamos de estar surpreendidos, porque na verdade esta prova é uma idiotice, não faz qualquer tipo de sentido”.

Salientando que os professores que vão realizar a prova fizeram um curso de formação específica com profissionalização para a docência e que, na maior parte, são “professores que trabalham há 20 anos, que têm tido excelentes, muito bons e bons”, o secretário-geral da Fenprof considera que a prova “é humilhante e inqualificável” e que tem como objetivo “pôr na rua” os professores.

“Inutilidade” da prova

João Dias da Silva, secretário-geral da Federação Nacional da Educação (FNE), declarou à Lusa: "A estrutura da prova confirma aquilo que é a nossa impressão de que não serve rigorosamente para nada, que é uma inutilidade, um desperdício de recursos e de energia para que não se prove rigorosamente nada".

Sobre o guia da prova, o secretário-geral da FNE diz ainda que a limitação da expressão escrita "é muito discutível" e que as opções "em relação as respostas de escolha múltipla é um jogo que não se adequa ao que deve ser a avaliação das capacidades e dos conhecimentos" dos professores.

Sublinhando que a avaliação dos professores “foi feita pelas instituições do ensino superior”, João Dias da Silva diz que esta prova “não acrescenta rigorosamente nada” e que "numa prova desta natureza não ficará provado que as pessoas têm competência, conhecimentos e capacidades para serem professores".

Dias da Silva realça ainda que para as pessoas que "já estiveram a trabalhar no sistema educativo esta é uma prova que desconsidera o trabalho realizado".

O presidente da Associação dos Professores Contratados (ANPC), César Israel Paulo, disse à Lusa que o guia é “mais um comprovativo do retrocesso educacional”.

César Paulo declarou ainda: “Nuno Crato tinha surpreendido ao decidir aplicar esta prova verdadeiramente absurda, sem sentido e discriminatória e agora surpreende de novo apresentando um modelo absolutamente redutor e desfasado do que é ser professor no século XXI e do que são as necessidades do sistema público educativo português”.

A prova do descontentamento

Por imposição do governo PSD/CDS-PP, todos os docentes contratados serão obrigados a sujeitarem-se a uma prova de avaliação para poderem ter acesso aos concursos de seleção e recrutamento de professores. Caso tenham resultados negativos, ser-lhes-á negado o acesso a estes concursos. Em caso de avaliação positiva poderão concorrer, tendo de repetir a prova passados cinco anos.

Apenas neste primeiro ano de implementação da medida, os candidatos com cinco ou mais anos de serviço docente que não obtenham aprovação na prova podem ser admitidos aos concursos de seleção e recrutamento de pessoal docente que se realizem até 31 de dezembro de 2014.

Segundo o seu guia, a prova será composta por 32 perguntas de escolha múltipla e por uma redação com 250 a 350 palavras, respeitando o acordo ortográfico em vigor. As perguntas valem 80% da prova e a redação 20%. Os examinandos que, na redação, tenham mais de 10 erros de ortografia, pontuação ou morfologia terão zero valores nessa parte da prova. A prova está marcada para o dia 18 de dezembro e os docentes têm de pagar 20 euros para o ministério de Crato.

(...)

Resto dossier

Professores precários

Neste dossier, o esquerda.net publica um conjunto de artigos nos quais é abordada a precarização da profissão docente, os sucessivos ataques à Escola Pública promovidos pelo governo PSD/CDS-PP e alguns dos momentos de contestação dos professores que marcaram os últimos dois anos. Dossier organizado por Mariana Carneiro.

Cronologia: Dois anos na defesa da Escola Pública contra a troika

Neste artigo, o esquerda.net publica uma breve cronologia na qual são abordados os sucessivos ataques à Escola Pública e alguns dos momentos de contestação que marcaram os últimos dois anos. Dados compilados por Mariana Carneiro e Belandina Vaz.

Professores em luta contra a prova de avaliação

A contestação ganha cada vez mais força e as formas de protesto diversificam-se: concentrações, abaixo-assinados, recusas individuais de professores convidados para serem classificadores, posições de escola. Todos estes protestos têm um objetivo comum: “travar” a prova de avaliação.

Ministério da Educação recua e paga compensação por caducidade de contrato

Depois de centenas de condenações em tribunal, o governo teve de recuar e dar indicações às escolas no sentido do pagamento das compensações por caducidade aos professores contratados em 2012. A Federação Nacional de Educação (FNE) congratulou-se com a decisão mas lamentou que o executivo PSD/CDS-PP tenha “esquecido” todos os outros docentes.

Guia de prova para professores é “inutilidade” e “idiotice”, dizem sindicatos

Para a Fenprof, o guia da prova de acesso à carreira de docente é uma “idiotice”. Para a FNE, trata-se de uma "inutilidade" que "desconsidera" o trabalho realizado pelos docentes. A Associação dos Professores Contratados considera, por sua vez, que este é “mais um comprovativo do retrocesso educacional”.

A Educação na era da Troika

A redução brutal do número de professores nas escolas, a mutação dos Contratos Simples para um puro modelo de cheque-ensino e a subversão da rede escolar introduzindo um conceito de concorrência entre escolas públicas e privadas ao invés da complementaridade até hoje em vigor são alguns dos indicadores do que é a Educação na Era da Troika.

Comissão Europeia quer revisão de condições de professores a prazo em Portugal

Notificação dá dois meses ao governo português para adotar medidas contra a discriminação que sofrem os professores contratados, como o emprego precário e o salário inferior ao dos professores do quadro com funções equivalentes.

Despedir para reinar

Dois anos e meio de Troika. Dois anos e meio de Governo PSD/PP. Demasiado tempo a dar cabo da Escola Pública.

Piquetes para derrotar a prova

Os professores têm vinte dias para organizar uma vitória contra a prova de Nuno Crato. Ela é possível. Derrotar a prova é derrubar Crato. Artigo de Miguel Reis e Belandina Vaz.

No comboio descendente

Os “novos” docentes em transumância (ou retornados; tendo em conta os antigos “docentes desterrados”) ajudam a manter as gasolineiras e a CP, a quem este ano deram um novo fôlego. Artigo de Sílvia Pereira. Artigo de Sílvia Pereira.

Os Contratados Anónimos

“Chamo-me Adriana Guerreiro e sou professora contratada”. Assim poderia começar uma qualquer reunião de “contratados anónimos”, viciados em filas da Segurança Social, topo de uma pirâmide precária, muito mais precária do que piramidal… O desemprego teima em estar sempre por perto, lembrando diariamente que a “oferta” de escola é um presente do destino, mas nunca um futuro. Artigo de Adriana Guerreiro.