You are here

Marisa Matias

Eurodeputada, dirigente do Bloco de Esquerda, socióloga.

Artigos do Autor(a)

2011/08/07 - 12:05am

Não foram os países deficitários que foram financeiramente resgatados, mas a política e a democracia que foram raptadas.

2011/07/24 - 1:07pm

Os resgates à Grécia, à Irlanda e a Portugal já mostraram que, a continuar assim, a dívida destes países é impagável, que serão precisos mais pacotes de financiamento e que o caminho só promete mais austeridade, mais recessão e menos emprego.

2011/06/26 - 12:15am

Em tempos conturbados, o esforço para nos mantermos atentos é o que nos qualifica. Contra a estranheza, a vontade. Contra a inevitabilidade, a escolha.

2011/06/12 - 1:04pm

O modelo de produção agro-industrial que venceu nos últimos anos pôs-nos dependentes de pouco mais de uma mão cheia de multinacionais e a comida que consumimos torna-se cada vez mais uma ameaça à saúde e menos uma necessidade ou um prazer.

2011/05/29 - 1:58am

Em democracia não há ideias nem votos inúteis, há opções. Façamo-las sem amarras e por pura convicção.

2011/05/15 - 12:52am

Na semana que agora termina o debate político ficou marcado pelos ditos e não-ditos a respeito da taxa social única.

2011/04/30 - 12:00am

Desta vez, a única proposta efectiva de governo independente mora à esquerda.

2011/04/18 - 1:05am

Os islandeses voltaram a dizer “Não!”: “não assumimos a responsabilidade dos erros cometidos por um banco”. Se quisermos fazer uma equivalência directa ao que se passa actualmente em Portugal, o que os islandeses fizeram foi recusar salvar o seu BPN pelos erros que cometeu.

2011/04/17 - 12:13am

Os islandeses voltaram a dizer “Não!”: “não assumimos a responsabilidade dos erros cometidos por um banco”. Se quisermos fazer uma equivalência directa ao que se passa actualmente em Portugal, o que os islandeses fizeram foi recusar salvar o seu BPN pelos erros que cometeu.

2011/03/20 - 2:50am

Na altura em que este acidente nos deveria servir de lição, as instituições e os governos europeus parecem querer esquecer que o que se passou no Japão pode passar-se aqui.

Pages