You are here

Sobrevivência!

Cada vez mais vamos tendo a noção de que estes governantes gestores estão determinados a exterminar quem se arroga e ousa ter o direito de ter mais de 60 anos e ter uma reforma que, no mínimo, o dignifique como ser humano.

Ainda não satisfeitos com os cortes nas pensões, com o aumento do IRS sobre as reformas, mais a TES (taxa extraordinária de solidariedade) aí temos mais uma importante e deveras indignificante medida que o governo deste país vai implementar. Assim, sem anúncio nem prenúncio. Acabar, porque nunca tudo é dito, propositadamente, com a pensão de sobrevivência. Um apoio a quem perde marido, ou mulher, numa situação em que fica, qualquer um deles, emocional e psiquicamente ainda mais fragilizado.

Muitas e muitas vezes os já parcos orçamentos ficam em dívida devido a situações de doença que se prolongam por algum tempo.

Mas nem isso interessa a estes governantes gestores de meia tigela, que tanto apreço tinham pelos idosos (vejam-se declarações de há 2 anos e meio do vice-primeiro-ministro, sobre o cuidado e aflição que por eles nutria!). Agora, enche o peito de patriotismo balofo, linhas vermelhas e irrevogáveis atitudes, atitudes revogáveis de manipulador de dizeres e desdizeres, irracionalmente obscenos. A situação crítica de uma dívida em que ele, amigos e comparsas lançaram este País, uma dívida que a eles pertence, visto em nada termos contribuído para ela. Não esquecendo os seus “compagnons de route européène” que ajudaram e que continuam a ajudar, numa teia de interesses apenas e só económicos.

Mais curioso ainda é que, a implementação é automática e progressivo o corte. Nem precisam de comprovação de recursos. O Estado fará as contas e decidirá quanto e como é que há-de cortar!

Cada vez mais vamos tendo a noção de que estes governantes gestores estão determinados a exterminar quem se arroga e ousa ter o direito de ter mais de 60 anos e ter uma reforma que, no mínimo, o dignifique como ser humano.

Cada vez mais nos vamos apercebendo que o intuito é que ninguém sobreviva. Cada vez mais vamos tendo a noção exata que, muitos destes reformados, estão a ser o amparo de muitas famílias, contribuindo para filhos e netos que se encontram no desemprego sem quaisquer subsídios e/ou hipótese de ter um emprego.

Existe um sadismo compulsivo em tudo o que se refira a reformados e outra coisa ainda que, para eles é tão velha quanto os reformados, a Constituição da República e o Tribunal Constitucional.

É vê-los loucos a acenar e a esgrimir dislates, vociferando contra a Lei Fundamental do País, como seres provenientes duma “peste bubónica”. Pedindo e suplicando ao PR e ao Presidente da Comissão Europeia os seus serviços de intervenção para “uma causa que querem que lhes assista!

Como grande chalaça reporto aqui uma opinião de Ângelo Correia (padrinho- mor do primeiro-ministro) que dizia em Novembro de 2010 à Sic que: adquiridos são apenas os direitos como o direito à vida, o direito à liberdade, etc. Defendeu que todos os outros direitos, ou seja, aqueles que custam dinheiro ao Estado, são direitos que “não existem”, que estão dependentes da solidez da economia. E, em Outubro de 2011 à Antena1 sobre a possibilidade de, em função do momento difícil que o país atravessa, abdicar da sua subvenção vitalícia de ex-titular de cargo público (quando, ainda por cima, é empresário no sector privado), Ângelo Correia afirmou não estar disponível para o fazer, por se tratar de um “direito adquirido” legalmente.

Sobre o/a autor(a)

Reformada. Tradutora e Assistente no Depto. Médico duma multinacional americana da indústria e comércio farmacêuticos. Dirigente do Bloco de Esquerda.
(...)