You are here

Portimão: uma candidatura de luta, de rutura e de esperança

Assinada por João Vasconcelos, cabeça de lista à câmara, a candidatura do Bloco divulgou uma carta aberta em que afirma que não vale a pena continuar a votar no PS, nem nos partidos de direita. “O que se impõe é votar numa força nova, determinada, sem medo e que será sempre o porta-voz das reivindicações dos portimonenses”.
A equipa da candidatura bloquista Portimonense adotou como lema “Primeiro as pessoas! Portimão precisa de mudar!”

Eis a Carta Aberta divulgada no final da campanha, na íntegra:

CARTA ABERTA AOS JOVENS, MULHERES, DESEMPREGADOS, APOSENTADOS, ABSTENCIONISTAS E A TODOS OS CIDADÃOS ELEITORES DO CONCELHO DE PORTIMÃO

Estimados munícipes,

Portimão vive um momento decisivo da sua História. No dia 29 de Setembro está nas vossas mãos decidir – ou continuar tudo na mesma e, até, para pior, ou então, apostar na mudança. Uma mudança que dê esperança e ânimo nestes momentos tão difíceis e que contribua para melhorar a vida das populações de Portimão, Alvor e da Mexilhoeira Grande.

Como se sabe, o PS tem governado os destinos da Câmara há 37 anos e quase sempre com maioria absoluta. Se porventura o PS sair de novo vencedor nas eleições de Domingo, ficará mais tempo no poder do que o próprio Oliveira Salazar, que governou 40 anos! Claro que foram realizadas muitas coisas positivas pela gestão PS da Câmara Municipal – mas os últimos anos revelaram-se um autêntico desastre!

Os buracos negros da gestão PS são inúmeros. Esbanjou-se sem limites, foram distribuídas sinecuras, prebendas e privilégios aos afilhados e amigos, ergueram-se elefantes brancos como a super-empresa Portimão Urbis que tem devorado milhões atrás de milhões a todos nós, foram projetadas megalomanias como um teleférico, um insetário ou a aberrante “cidade do cinema” que devorou outros milhões! Muitos outros milhões foram concedidos ao Autódromo – outro elefante branco - e que agora, à beira da falência, passou para as mãos do Estado! A situação é de tal ordem que pesam acusações judiciais gravíssimas de indícios de corrupção envolvendo a própria Câmara! Portimão transformou-se numa cidade mexicanizada!

Como uma desgraça nunca vem só, a dívida da Câmara é monstruosa – quase 200 milhões de euros! Há quem diga que a dívida ultrapassa os 400 milhões! A Câmara de Portimão encontra-se assim em situação de pré-falência, à beira da bancarrota! Para pagar esta dívida, o Executivo pediu um empréstimo ao Estado e à banca de 132 milhões que, a ser concedido, levará 20 anos para pagar – mas com medidas draconianas: o IMI e todas as outras taxas municipais irão ficar na taxa máxima! Este plano chamado Programa de Apoio à Economia Local (PAEL) foi imposto pelo governo PSD/CDS, às ordens da troika! Portimão tem assim 2 troikas: uma nacional e outra local!

O PS não é o único responsável pela situação que se vive no concelho, pois em determinados momentos cruciais recebeu a indiferença, ou mesmo o apoio da oposição PSD/CDS! Foi o que aconteceu, por exemplo, na criação da Portimão Urbis, ou dos projetos do Autódromo. Ainda no passado mês de Junho foram aprovadas na Assembleia Municipal a transferência de mais delegações de competências da Câmara para a Portimão Urbis – o Bloco de Esquerda propôs retirar o ponto e votou contra, visto esta empresa se encontrar sob a alçada da justiça – tendo o PSD se ausentado da sala no momento da votação e o CDS/PP absteve-se! Inconcebível!

E qual o reverso da medalha para os Portimonenses? O PS nas últimas eleições apresentou 25 projetos e nem um único concretizou! É obra! Alguns exemplos desses projetos e que não passaram do papel: requalificação da zona ribeirinha; novo cemitério; novo aeródromo do barlavento; gare intermodal; novo porto de cruzeiros e fórum do mar; parque tecnológico no Autódromo; Eco Parque do Bom Retiro; Parque ambiental da Figueira; parque urbano na Horta do palácio; novo Mercado de Alvor; remodelação do Pavilhão Gimnodesportivo; novo túnel de entrada de Portimão; cidade social; canil/gatil, e todos os outros. O desemprego, a carência alimentar e a exclusão social representam chagas sociais muito graves. A cidade está cada vez mais desertificada e abandonada, a insegurança espreita a cada esquina, não há habitação social, foram retirados os subsídios e apoios camarários, os clubes e associações definham com as dificuldades, os jovens encontram-se abandonados e sem esperança, os mais velhos sofrem silenciosamente! Por culpa da Câmara PS e do governo PSD/CDS! Precisamente os que estão com a troika!

Caros Portimonenses,

“Primeiro estão as pessoas! Portimão precisa de mudar!” Este é o lema da candidatura do Bloco de Esquerda para Portimão. É por isso que é tão importante votar no Bloco de Esquerda no próximo dia 29 de Setembro! As pessoas não são números! As pessoas são pessoas e devem ser tratadas com dignidade! A candidatura do Bloco de Esquerda é uma candidatura de luta, de rutura e de esperança para Portimão! No nosso programa procuramos responder à emergência social e resgatar a democracia local.

Candidato-me a Presidente de Câmara para ganhar, mas aceitarei qualquer outro cargo com humildade, como o de vereador, se for essa a vossa vontade. A candidatura bloquista é uma candidatura de luta porque não vergaremos, estaremos sempre ao lado das reivindicações dos cidadãos e das populações. De rutura, porque visaremos romper o status quo existente, clientelar e pantanoso que se vive há muito no concelho de Portimão. De esperança, porque perante a desgraça que se abateu sobre este concelho, somos a única alternativa credível, a verdadeira esquerda socialista e popular e na qual os Portimonenses podem confiar. Esta candidatura será também um espaço de resistência e de rebeldia perante os poderes, sejam eles quais forem.

Sei que os eleitores que costumam votar no Partido Socialista estão muito zangados com o seu partido, pelas razões acima expostas – e têm muita razão! Não vale a pena continuar a votar no PS, assim como nos partidos de direita! O que se impõe agora é votar numa força nova, determinada, sem medo e que será sempre o porta-voz das reivindicações dos Portimonenses. Essa força nova é o Bloco de Esquerda. A abstenção nada resolve e só dá mais força aos mesmos de sempre.

O Bloco de Esquerda apresenta listas com pessoas determinadas e que não recuam perante as dificuldades, e tem um programa para responder à emergência social, resgatar a democracia local e empreender um combate implacável contra a corrupção. Quem me conhece sabe que digo a verdade. Queremos ganhar com o vosso voto, ou então eleger vereadores e muitos membros para a Assembleia Municipal e Assembleias de Freguesia de Portimão, Alvor e Mexilhoeira Grande.

O Bloco de Esquerda apresenta dois objetivos centrais nesta campanha: derrotar o poder absoluto do Partido Socialista – e que está praticamente garantido - e derrotar as candidaturas de direita do PSD e do CDS/PPM/MPT, que apoiam e subscrevem as políticas de desastre nacional do governo e da troika que estão a destruir as nossas vidas.

Dizem os candidatos dos partidos de direita que estas eleições não têm nada a ver com a política nacional, que só têm a ver com as pessoas. Trata-se de uma rotunda mentira! Então quando o governo do PSD/CDS pretende desmantelar o Hospital do Barlavento acabando com as especialidades médico-cirúrgicas e diversas urgências, quando pretende encerrar as extensões de saúde de Alvor e da Mexilhoeira Grande, quando impõe uma lei das rendas que vai atirar apara a rua muitas famílias, quando corta salários e pensões, quando aumenta o IVA para 23%, quando corta transferências de verbas para as autarquias, quando impões as portagens na Via do Infante, só para dar alguns exemplos, não estará a atingir milhares de Portimonenses? Claro que está! E as candidaturas locais do PSD e do CDS apoiam e subscrevem essas políticas ruinosas de desastre social e económico! Caso contrário, os seus candidatos principais, pertencentes e até dirigentes importantes desses partidos já se teriam demitido. Se apoiam e subscrevem as políticas do governo, então não merecem a confiança dos Portimonenses!

Caros cidadãos,

Há um outro facto que eu próprio e a minha candidatura não podem deixar de tomar posição. A candidatura da coligação de direita CDS/PPM/MPT que dá pelo nome de “Servir Portimão” está a tentar enganar os Portimonenses, dizendo que é independente e que não tem nada a ver com os partidos. Nada mais falso e sabem que estão a mentir! Podem ter nas listas muitos independentes, mas isso também têm as listas do Bloco de Esquerda com cerca de 80% de independentes, não deixando estas de ser partidárias. Tal como são listas partidárias as listas da coligação CDS/PPM/MPT! Caso contrário tinham-se apresentado como um movimento independente, o que não aconteceu! O que realmente sucede é que é o CDS/PP de Paulo Portas que suporta e financia a coligação, pois os outros pouco contam! O que verdadeiramente esta coligação tenta fazer é procurar enganar os Portimonenses, dizendo que é independente dos partidos e que não é de direita, nem de esquerda! Trata-se de uma grande mistificação e os Portimonenses não gostam de ser enganados. E não vão deixar-se enganar! Os principais candidatos dessa coligação são bem de direita e subscrevem as políticas muito nefastas do governo PSD/CDS! Logo, não são merecedores da confiança dos Portimonenses.

O Bloco de Esquerda é a única força política que representa uma alternativa credível e de confiança e que pode derrotar a maioria e o poder absoluto do Partido Socialista em Portimão. Para que tal suceda, precisamos que votem em nós no próximo Domingo. Não defraudaremos as vossas expectativas se apostarem, desta vez, em nós. Se estão descontentes com a Câmara Municipal e com o governo não votem PS, nem PSD, nem CDS/PPM/MPT! Em contrapartida, atrevo-me a pedir, com humildade, o vosso voto. Quem me conhece sabe que honrarei os compromissos assumidos convosco! Enquanto alguns fazem lutas nos gabinetes, eu procuro sempre estar nos locais onde as lutas se fazem, como pela abolição das portagens na Via do Infante, contra o parque a pagar e contra a destruição do Hospital do Barlavento, nas manifestações contra a troika, nas lutas dos professores e de outros trabalhadores, etc., etc. E irei sempre procurar estar nos locais onde faça falta.

Ao vosso dispor e uma abraço fraterno da minha parte e de toda a equipa da candidatura bloquista Portimonense que adotou como lema “Primeiro as pessoas! Portimão precisa de mudar!”

Atenciosamente,

João Vasconcelos

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Autárquicas 2013, Política
(...)