You are here

Stephen Hawking defende morte assistida

Stephen Hawking, um dos mais importantes físicos teóricos e cosmólogos do mundo, e professor da Universidade de Cambridge, defendeu, numa entrevista à BBC, que os doentes terminais devem ter o direito de escolher pôr termo às suas vidas e que quem os ajudar não deve ser criminalizado.

“Eu penso que quem tem uma doença terminal e está em grande sofrimento deveria ter o direito de escolher pôr termo à sua vida e aqueles que ajudarem nesse propósito deveriam estar livres de qualquer acusação”, afirmou Stephen Hawking durante uma entrevista à BBC.

Devem, contudo, segundo Hawking, “existir garantias de que a pessoa em causa deseja verdadeiramente pôr termo à sua vida e não está a ser pressionada nesse sentido e que nada é feito sem o seu conhecimento e consentimento”. O físico lembrou a sua experiência pessoal, frisando que, quando esteve ligado ao ventilador, na sequência de uma pneumonia, a sua esposa foi confrontada com a decisão de desligar o aparelho, sem que nada lhe tivesse sido comunicado.

Aos 21 anos, Stephen Hawking descobriu ser portador de Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), tendo-lhe sido dito que apenas viveria mais dois ou três anos. Atualmente, com 71 anos, encontra-se numa cadeira de rodas e utiliza um sintetizador de voz para comunicar. A sua mobilidade é praticamente nula, na medida em que foi perdendo o movimento dos seus braços e pernas, assim como do resto da musculatura voluntária, incluindo a força para erguer a cabeça.

A morte assistida é ilegal no Reino Unido e o tema sobre a sua despenalização está em debate em muitos países.

Comentários (1)