Braga: Cidadania em Movimento denuncia estado de degradação dos bairros sociais

17 de September 2013 - 12:06

A candidata do CEM, Inês Barbosa, esteve no bairro social de Santa Tecla acusou a gestão socialista à frente da Câmara de Braga de "não fazer nada" nos bairros sociais da cidade.

PARTILHAR
Inês Barbosa, candidata da Cidadania em Movimento (CEM) à Câmara de Braga

Inês Barbosa considera que uma política social solidária e inclusiva não pode esquecer os bairros socais, como tem acontecido com Santa Tecla.

A cabeça de lista da Cidadania em Movimento passou a tarde naquele bairro social, acompanhada do cabeça de lista à Junta de Freguesia de S.Vitor, Fernando Correia, que escolheu celebrar o aniversário em festa e convívio com aqueles moradores, num momento que foi também pretexto para ouvir as suas queixas e as suas propostas para melhorar as condições de vida dos seus moradores.

Após um espetáculo de magia que levou ao largo interior do bairro muitas dezenas de crianças e adultos, seguiu-se uma reunião onde todos puderam dar a sua opinião. A falta de higiene e de cuidado dos espaços exteriores foi um dos problemas apontados, por algumas moradoras que defenderam a colocação de contentores fixos ou enterrados no chão para que o lixo não fique espalhado. A pavimentação das zonas exteriores, bastante degradadas foi outra reivindicação ouvida, assim como o estado de grande degradação em que se encontra o ringue e a vedação que constitui grande perigo para as muitas crianças que ali brincam.

Filipe Maia, um dos moradores, também candidato nas listas da Cidadania em Movimento, explicou que os residentes estão a constituir uma associação, para fazerem um trabalho mais organizado em prol do bairro em diálogo com a Câmara de Braga e com outras associações que já ali intervêm.

Uma das propostas da Cidadania em Movimento, e que saiu do diálogo com os moradores, passa pela criação de um centro comunitário, onde possa funcionar uma creche e jardim de infância, cursos de alfabetização de adultos, bem como outras atividades de dinamização cultural e social.

A candidata da CEM, Inês Barbosa, referiu que “muitas vezes as mães são desafiadas a participar em cursos e outras atividades mas não têm onde deixar as crianças, sobretudo as mais pequenas”. Uma das jovens falou também do isolamento em que vivem muitas das crianças, referindo que “há muitos que não conhecem Braga” e defendeu que era preciso desenvolver atividades com eles para lhes “mostrar outras coisas”. A falta de obras de conservação das casas foi outros dos reparos dos moradores que se queixaram de infiltrações e da degradação das zonas comuns dos prédios.

Inês Barbosa reconhece que os problemas do bairro são complexos e que “não existe nenhuma varinha de condão para os resolver”. Mas, diz, “temos uma certeza: se ouvirmos os moradores, se trabalharmos ao seu lado para encontrar soluções, vai ser possível mudar as condições de vida destes moradores, contrariar a exclusão, o isolamento e a pobreza”.

“As obras de requalificação das casas e dos espaços exteriores são muito importantes, mas não podemos ficar por aqui. Só uma intervenção que conjugue a melhoria das condições físicas com uma intervenção ao nível social e cultural e participado poderá dar frutos. E é por isso que esta candidatura se baterá, em Santa Tecla e em todos os territórios de exclusão existentes em Braga”.


Acompanhe aqui a campanha da Cidadania em Movimento