You are here

Graxa democrática para botas militares egípcias

O Ministério do Interior anunciou que vários órgãos de segurança que foram desmantelados depois do levantamento popular de 2011 serão restabelecidos. O governo também disse que pode voltar a adotar a Lei de Emergência, usada durante anos para reprimir a oposição política. Por Cam McGrath, da IPS
A morte de membros da Irmandade Muçulmana só fortaleceu a decisão do movimento de continuar lutando. Foto: Khaled Moussa al-Omrani/IPS

Cairo – O chefe do Conselho Supremo das Forças Armadas do Egito, general Abdel Fatah El-Sissi, esforça-se por dar um verniz democrático à decisão castrense de derrubar em julho o presidente Mohammad Morsi. Nas semanas posteriores à destituição de Morsi, el-Sissi, de 58 anos, insistiu que a intervenção militar foi necessária para resolver a crise política e para “salvar a democracia”.

A popularidade de Morsi caiu em queda livre um ano após a sua vitória eleitoral. O líder islâmico ignorou apelos à reconciliação nacional e fez vista grossa para manifestações de massas a pedir eleições antecipadas. Os militares argumentam que isto não lhes deixou outra opção senão removê-lo do cargo.

Desde o derrube, no dia 3 de julho, El-Sissi suspendeu a Constituição e instalou um governo civil interino, que lançou uma campanha de represálias políticas contra o ex-presidente e os seus aliados na Irmandade Muçulmana. Dezenas de líderes islâmicos foram presos e acusados de vários crimes, como incitar à violência, vandalismo e “insultar o sistema judicial”.

Morsi está virtualmente incomunicável por ação do exército desde que foi derrubado. Promotores acusaram-no de assassinato e espionagem em relação a uma fuga de presos em 2011, acusações que, afirmam alguns investigadores de direitos humanos, têm apenas motivos políticos. “Os militares começaram a desacreditar e destruir a Irmandade Muçulmana utilizando todos os meios necessários”, disse o advogado de direitos humanos Negad El-Borai.

O governo tirou do ar vários canais de televisão simpatizantes da Irmandade Muçulmana, e advertiu vários meios de comunicação estrangeiros para não “desinformarem” e impediu-os de cobrir várias manifestações a favor de Morsi. Enquanto isso, jornais e televisões estatais, que elogiavam Hosni Mubarak durante o seu regime de 30 anos (1981-2011), agora adulam as forças armadas. Muitos órgãos de comunicação privados também se uniram ao coro.

El-Sissi dedicou grande parte do mês passado a tentar reunir apoio público e legitimar o papel do Conselho Supremo como árbitro final da democracia egípcia. Os mais firmes partidários do general – liberais e seculares que se opõem ardentemente à Irmandade Muçulmana – dizem que os militares “tiveram de destruir a democracia para salvá-la”. Porém, muitos criticam a nova incursão militar na política do Egito.

Os militares impediram “todo o esforço de último minuto que teria mantido as aparências e preparado o caminho para uma mudança construtiva, como realizar um referendo sobre a Presidência ou formar um governo de unidade, buscando eleições antecipadas”, escreveu o analista político Marwan Bishara. Os militares prometeram pôr fim às divisões e assegurar a estabilidade. Contudo, empurraram o principal movimento do país, a Irmandade Muçulmana, para fora do cenário político e parecem estar a polarizar a população.

Na semana passada, El-Sissi exortou os egípcios a apoiarem o governo de transição frente à oposição da Irmandade Muçulmana. “Peço-vos que me deem um mandato para poder deter a violência e o potencial terrorismo”, disse num discurso transmitido pela televisão a todo o país. Dias depois, pelo menos 80 partidários de Morsi morreram e centenas ficaram feridas durante a repressão a uma manifestação no Cairo. Foi a segunda ação violenta contra simpatizantes da Irmandade Muçulmana desde o derrube do presidente.

No entanto, a violência só fortaleceu o movimento islâmico. Membros da Irmandade Muçulmana prometem continuar com os protestos até a dissolução do governo interino e o retorno de Morsi ao poder. Porém, os militares não dão sinais de voltarem atrás. E redobram a pressão contra os partidários de Morsi, multiplicam as prisões e endurecem a repressão, inclusive contra manifestantes pacíficos. Analistas dizem que a ameaça do “terrorismo” é usada como pretexto para restaurar polémicas práticas e instituições da era Mubarak.

No começo desta semana, o Ministério do Interior anunciou que vários órgãos de segurança que foram desmantelados depois do levantamento popular de 2011 serão restabelecidos. O governo também disse que pode voltar a adotar a Lei de Emergência, usada por anos para reprimir a oposição política.

Embora o exército goze de propagado apoio, muitos egípcios recordam os abusos aos direitos humanos e a violenta repressão durante os 18 meses de governo militar após a queda de Mubarak em 2011. Um alto membro da Irmandade Muçulmana alertou: “Estão a reprimir os islâmicos, e uma vez que estejam firmes no poder irão atrás de qualquer um que queira se expressar”.

8/8/2013

Publicado pela Envolverde/IPS

(...)

Resto dossier

Egito, revolução e golpe de Estado

Na noite de 3/7/2013, o Exército anunciou a deposição do presidente Mohammad Morsi, contestado por grandes manifestações. O presidente foi detido, órgãos de comunicação ligados à Irmandade Muçulmana fechados e as forças repressivas mataram dezenas em manifestações pró-Morsi. Que aconteceu? Neste dossier, coordenado por Luis Leiria, procuramos contribuir para a compreensão do rumo que o Egito está a seguir.

Não em nosso nome!

Sim, a Irmandade causou sofrimento às massas quando exerceu poder; mas o Exército quer restaurar a “estabilidade” – ou seja o regresso de uma certa ordem e do regime. Quer acabar com a revolução, e usará a Irmandade para tal. Declaração dos socialistas revolucionários egípcios.

“Não deixem que o exército vos engane!”

Apelo de Fatma Ramadan, do comité executivo da Federação Egípcia dos Sindicatos Independentes (EFITU): A “permissão” [solicitada ao povo egípcio] pelo general Al-Sissi, é um veneno mortal. Não se deixem enganar substituindo uma ditadura religiosa por uma ditadura militar.

Graxa democrática para botas militares egípcias

O Ministério do Interior anunciou que vários órgãos de segurança que foram desmantelados depois do levantamento popular de 2011 serão restabelecidos. O governo também disse que pode voltar a adotar a Lei de Emergência, usada durante anos para reprimir a oposição política. Por Cam McGrath, da IPS

Direto do Egito: Uma traição para entrar na história

Desde o derrube do presidente Mohamad Morsi, no dia 2 de julho, a esmagadora maioria dos dirigentes com algum tipo de inserção na juventude ou nos círculos operários passou a apoiar ou integrar o atual governo dirigido pelo Exército. E pior, o processo de adesão ao regime ocorre em meio ao derramamento de sangue de dezenas de trabalhadores e camponeses apoiantes do presidente deposto, que estão a ser massacrados pelas Forças Armadas. Por Aldo Sauda, do Cairo

Lei de emergência, Caos Político e Mobilização Social

Depois das manifestações de 30 de junho, as imensas vagas de greves que as precederam durante três meses, é quase certo que a população saia novamente à rua por reivindicações próprias: “pão, justiça social e liberdade.” Por Jacques Chastaing, A l'encontre

“Forças Armadas do Egito não querem a democracia”

Em entrevista à Carta Maior, o egípcio Omar Ashour, professor da Universidade de Exter, analisa o impasse político que vive o seu país, após o golpe militar que derrubou o governo de Mohammed Morsi. Para ele, as forças armadas egípcias não aceitam um controlo democrático e estão dispostas a fazer o que for preciso para permanecer no poder. “O atual governo com civis com doutoramento e PhD foi nomeado pelos militares e só fará o que os militares disserem. Se houver um confronto eles serão afastados”, diz Ashour. Por Marcelo Justo, de Londres.

O Exército, a Irmandade Muçulmana e a Arábia Saudita

A saída de Morsi constitui incontestavelmente uma vitória para a Arábia Saudita e para os Emirados Árabes Unidos e uma derrota para o Qatar. O primeiro-ministro turco Recep Tayyip Erdogan é outro que perde com a nova realidade política egípcia. Por Alain Gresh.

Egito e Síria: o grande dilema

Talvez vocês enfrentem o mesmo dilema moral que eu: Que pensar acerca da Síria? Que pensar acerca do Egito?

PC egípcio afirma que foi uma "revolução democrática", não um golpe

Para Salah Adli, secretário geral do partido, o movimento que derrubou o presidente Mohammad Morsi do seu cargo não foi um golpe de Estado militar, mas sim uma Revolução feita pelo povo para se desfazer de um regime fascista.