You are here

Direto do Egito: Uma traição para entrar na história

Desde o derrube do presidente Mohamad Morsi, no dia 2 de julho, a esmagadora maioria dos dirigentes com algum tipo de inserção na juventude ou nos círculos operários passou a apoiar ou integrar o atual governo dirigido pelo Exército. E pior, o processo de adesão ao regime ocorre em meio ao derramamento de sangue de dezenas de trabalhadores e camponeses apoiantes do presidente deposto, que estão a ser massacrados pelas Forças Armadas. Por Aldo Sauda, do Cairo
O nasserista Hamdeen Sabahy. Sabahy, principal figura da esquerda egípcia, apoiou o novo governo dos militares. Foto de Terence Gilheany

Em países com pouca tradição marxista, sem grandes legados de lutas abertamente anticapitalistas ou com vanguardas frágeis e com pouca experiência política, a capitulação às forças da ordem tendem a se dar de forma generalizada. Mas em pouco lugares e em poucos momentos traiu-se com tal intensidade como nos últimos dias no Cairo.

Desde o derrube do presidente Mohamad Morsi, no dia 2 de julho, a esmagadora maioria dos dirigentes com algum tipo de inserção na juventude ou nos círculos operários passou a apoiar ou integrar o atual governo dirigido pelo Exército. E pior, o processo de adesão ao regime ocorre em meio ao derramamento de sangue de dezenas de trabalhadores e camponeses apoiantes do presidente deposto, que estão a ser massacrados pelas Forças Armadas.

Só no inicio da semana passada, 50 simpatizantes da Irmandade Muçulmana, que integravam um protesto em defesa do governo Morsi, foram executados por tropas da Guarda Republicana. A este número somam-se outros sete que morreram em confrontos com a polícia segunda-feira. Enquanto o derramamento de sangue não para, as principais figuras públicas da revolução de 25 de janeiro aderem ao regime.

25 de janeiro X 30 de julho

O discurso atual, tanto do Exército e da polícia, quanto da imprensa burguesa, é que, em termos comparativos, o levante popular que derrubou Hosni Mubarak, ocorrido no dia 25 de janeiro de 2011, foi um processo inferior à “Revolução do 30 de Julho”. Circula a ideia de que o “25” foi mais uma conspiração que uma revolução, orquestrada pela Irmandade Muçulmana para tornar o Egito uma república islâmica.

Dentro deste contexto de islamização, o Exército teria realizado a dita “Revolução Redentora”. A suposta defesa de um país mais ou menos laico é o que tem justificado as adesões em massa de amplos setores da oposição ao novo governo. Segundo os capituladores, o Exército, descrito como bastião do secularismo egípcio, seria o principal pólo da resistência democrática ao fanatismo religioso.

Da noite para o dia, as Forças Armadas, até então descritas por liberais e nacionalistas de esquerda como o principal adversário à democratização do país, tornaram-se os grandes paladinos da liberdade.

Não por acaso, em meio a este cenário, circulam uma série de acusações quase lunáticas de que todos os crimes cometidos pelo Exército ao longo destes últimos dois anos e meio foram de responsabilidade exclusiva da Irmandade. Este sentimento tem até mesmo produzido um grau de xenofobia que não existia no inicio da revolução. Desde o derrube de Morsi há um ódio generalizado contra os refugiados sírios e palestinos que moram no país, muito dos quais têm sido acusados de apoiar o governo deposto dos “irmãos”.

“Não houve muito tempo para as massas acumularem experiência no processo” afirma Tamer Wagdee, dirigente de um pequeno grupo trotskista no Egito. “O Exército agiu de forma cirúrgica, derrubando Morsi 48 horas após o povo ir às ruas”. A mobilização, inclusive, foi bastante diferente que a revolução do dia 25. Naquele momento, durante um período de 18 dias, as massas confrontaram-se diariamente com a polícia, tratando o próprio Exército com algum grau de suspeição. Desta vez não. Os militares, assim como os polícias e muitos integrantes do antigo partido de Mubarak, foram carregados nos ombros do povo.

Se é correto, por um lado, afirmar que o dia 30 de julho realmente mobilizou uma quantidade maior que o “25”, a experiência política desenvolvida por este processo foi muito mais rasa.

Para Tamer, houve também um novo fator a ser levado em conta: a entrada em cena dos camponeses e das pequenas cidades no processo revolucionário. “Em cidades em que nunca houve manifestações políticas, sem nenhuma participação na revolução do 25 de janeiro, houve uma ebulição política contra Morsi”. Segundo o militante, tal facto ajuda a explicar o atraso tão evidente na consciência: “São locais sem experiência política prévia, para quem as manifestações são uma grande novidade”.

Traições que conhecíamos apenas nos livros de História”

O atraso na consciência, mais profundo nas manifestações anti-irmandade que nas manifestações anti-Mubarak, abriram a porta para as traições. Praticamente todas as figuras liberais supostamente anti-militaristas e com influência na juventude, como Nobel da Paz Muhamad Baradei, assumiram, assim que puderam, cargos no governo. A atual postura de Baradei, inclusive, contrasta com o seu comportamento no período logo após a revolução do dia 25 de janeiro, no qual o cientista nuclear evitou associar-se ao governo tutelado pelos militares. Desta vez, logo após o massacre dos irmãos, Baradei assumiu o cargo de vice-presidente interino para o período de transição.

O mesmo comentário pode ser feito a respeito do nasserista Hamdeen Sabahy. Sabahy, principal figura da esquerda egípcia, foi o terceiro colocado nas ultimas eleições presidenciais, ficando poucos votos atrás do candidato pró-Mubarak, Ahmad Shafiq, e do proprio Morsi. Apresentado por muitos como principal alternativa independente em meio à polarização entre a irmandade e os apoiantes do Exército, a nova tomada do poder pelos generais mostrou as verdadeiras cores do nasserista.

“As traições que vêm a ocorrer no Egito são do tipo que conhecíamos apenas nos livros de História” afirma Tamer. Elas não se reduziram apenas aos partidos políticos, mas também no campo sindical com as três centrais, uma delas vinculada ao antigo regime de Mubarak. As outras duas foram frutos do processo revolucionário do 25 de janeiro e alinharam-se de corpo e alma ao regime militar.

Pouco poderia se esperar da EFTU, a principal central sindical egípcia, atrelada historicamente ao partido de Mubarak. Apesar de um rearranjo na sua direção após a queda do ditador, e de tentativas da irmandade de ganhar os seus lideres, a central continua essencialmente identificada com o presidente deposto. O seu apelo aos trabalhadores para apoiarem o governo dos militares não assustou a ninguém.

A surpresa, porém, vem da EFITU, a principal cisão da central oficialista, e da CTUWS, uma organização híbrida, que envolve sindicalistas e uma ONG relacionada a diretos laborais. Ambas direções ocuparam um papel de destaque no derrube de Mubarak, convocando greves gerais e chamando os trabalhadores a não confiarem no governo da junta militar que substituiu o ditador.

A lamentável declaração de apoio aos militares, emitida pela CTUWS, para piorar ainda mais o cenário, alimenta abertamente o sentimento anti-palestino das ruas. A declaração, de modo obscuro, tenta atrelar diretamente o governo da Irmandade Muçulmana com o grupo guerrilheiro Hamas, da Faixa de Gaza, tentando assim confundir os trabalhadores a respeito de quem são seus verdadeiros inimigos.

Já a EFITU conseguiu, na sua traição, ir mais longe. Na declaração da entidade, logo após a tomada do poder pelo Exército, assinada pelo presidente da central, Kamal Abu Aita, a organização convoca os trabalhadores a darem tudo de si em nome do capitalismo egípcio. Após chamar todas as glórias para a “Revolução do 30 de Julho”, a central declarou: “Os trabalhadores, que eram campeões em greve durante o regime deposto, devem tornar-se agora os campeões da produção!”

A declaração de Kamal deu resultados. O sindicalista foi nomeado nesta segunda-feira Ministro do Trabalho. A sua nomeação ocorreu em meio ao assassinato de sete simpatizantes da Irmandade nos arredores da Tahrir.

Resistência às traições

Nem todos os sindicalistas da EFITU, porém, capitularam ao militarismo. Fatma Ramadan, convidada internacional do Segundo Congresso da CSP-Conlutas, foi uma das poucas vozes dissidentes do movimento operário a atingir a imprensa. “A atitude de Abu Aita foi vergonhosa” afirma Fatma, “em momento algum ele consultou o resto da direção da entidade para emitir aquele documento”. Logo após o ocorrido, a sindicalista soltou uma carta pública denunciando o presidente da entidade por seus métodos e política.

“O nasserismo de esquerda e próprio Karama, partido integrado por Abu Aita e Hamdeen Sabahey, é muito influente no movimento operário” explica a dirigente. Para Fatma, os que focam os seus olhos nos acontecimentos no Cairo tenderão a deprimir-se com a política egípcia. “A força dos aparelhos burocráticos, principalmente aqueles formados a partir da revolução do 25 de janeiro, tem poluído e travado o cenário político da capital. Mas se olharmos para as regiões do interior do país, há mais espaço para esperança.”

Segundo Fatma, houve grande adesão entre os trabalhadores do interior à campanha contra irmandade e, apesar de não ter havido greves no dia 30 de Julho, houve em alguns locais do Egito profundo movimentações da massa que caminhavam no sentido da desobediência civil. “Caso o exército não houvesse intervido tão rápido” afirma, “o movimento poderia ter se desenvolvido melhor ”.

Para Fatma, nas regiões mais distantes do Cairo há nova disposição entre os operários para lutar. “Estamos tentando organizar uma coligação de trabalhadores dispostos à luta, muitos que atuam nos sindicatos atrelados as diferentes centrais sindicais” disse a dirigente. “Em meio a este cenário complexo, esta é nossa única saída” finaliza.

O brasileiro Aldo Cordeiro Sauda, militante do PSTU brasileiro que morou no Egito em 2011 e acompanhou o derrube do ex-ditador Hosni Mubarak, vive atualmente em Beirute, no Líbano.

Artigo retirado do site do PSTU

(...)

Resto dossier

Egito, revolução e golpe de Estado

Na noite de 3/7/2013, o Exército anunciou a deposição do presidente Mohammad Morsi, contestado por grandes manifestações. O presidente foi detido, órgãos de comunicação ligados à Irmandade Muçulmana fechados e as forças repressivas mataram dezenas em manifestações pró-Morsi. Que aconteceu? Neste dossier, coordenado por Luis Leiria, procuramos contribuir para a compreensão do rumo que o Egito está a seguir.

Não em nosso nome!

Sim, a Irmandade causou sofrimento às massas quando exerceu poder; mas o Exército quer restaurar a “estabilidade” – ou seja o regresso de uma certa ordem e do regime. Quer acabar com a revolução, e usará a Irmandade para tal. Declaração dos socialistas revolucionários egípcios.

“Não deixem que o exército vos engane!”

Apelo de Fatma Ramadan, do comité executivo da Federação Egípcia dos Sindicatos Independentes (EFITU): A “permissão” [solicitada ao povo egípcio] pelo general Al-Sissi, é um veneno mortal. Não se deixem enganar substituindo uma ditadura religiosa por uma ditadura militar.

Graxa democrática para botas militares egípcias

O Ministério do Interior anunciou que vários órgãos de segurança que foram desmantelados depois do levantamento popular de 2011 serão restabelecidos. O governo também disse que pode voltar a adotar a Lei de Emergência, usada durante anos para reprimir a oposição política. Por Cam McGrath, da IPS

Direto do Egito: Uma traição para entrar na história

Desde o derrube do presidente Mohamad Morsi, no dia 2 de julho, a esmagadora maioria dos dirigentes com algum tipo de inserção na juventude ou nos círculos operários passou a apoiar ou integrar o atual governo dirigido pelo Exército. E pior, o processo de adesão ao regime ocorre em meio ao derramamento de sangue de dezenas de trabalhadores e camponeses apoiantes do presidente deposto, que estão a ser massacrados pelas Forças Armadas. Por Aldo Sauda, do Cairo

Lei de emergência, Caos Político e Mobilização Social

Depois das manifestações de 30 de junho, as imensas vagas de greves que as precederam durante três meses, é quase certo que a população saia novamente à rua por reivindicações próprias: “pão, justiça social e liberdade.” Por Jacques Chastaing, A l'encontre

“Forças Armadas do Egito não querem a democracia”

Em entrevista à Carta Maior, o egípcio Omar Ashour, professor da Universidade de Exter, analisa o impasse político que vive o seu país, após o golpe militar que derrubou o governo de Mohammed Morsi. Para ele, as forças armadas egípcias não aceitam um controlo democrático e estão dispostas a fazer o que for preciso para permanecer no poder. “O atual governo com civis com doutoramento e PhD foi nomeado pelos militares e só fará o que os militares disserem. Se houver um confronto eles serão afastados”, diz Ashour. Por Marcelo Justo, de Londres.

O Exército, a Irmandade Muçulmana e a Arábia Saudita

A saída de Morsi constitui incontestavelmente uma vitória para a Arábia Saudita e para os Emirados Árabes Unidos e uma derrota para o Qatar. O primeiro-ministro turco Recep Tayyip Erdogan é outro que perde com a nova realidade política egípcia. Por Alain Gresh.

Egito e Síria: o grande dilema

Talvez vocês enfrentem o mesmo dilema moral que eu: Que pensar acerca da Síria? Que pensar acerca do Egito?

PC egípcio afirma que foi uma "revolução democrática", não um golpe

Para Salah Adli, secretário geral do partido, o movimento que derrubou o presidente Mohammad Morsi do seu cargo não foi um golpe de Estado militar, mas sim uma Revolução feita pelo povo para se desfazer de um regime fascista.