EUA: sábado é o “dia Trayvon Martin”

17 de July 2013 - 17:10

Estão convocadas manifestações em mais de cem cidades nos EUA, em protesto contra a absolvição do homem que matou o adolescente negro, sem que este estivesse armado ou oferecesse qualquer perigo.

PARTILHAR
Protestos pedem justiça. Foto de werthmedia

O próximo sábado foi declarado o “Dia de Trayvon Martin” e estão convocadas por organizações de direitos humanos manifestações numa centena de cidades dos Estados Unidos. Na noite de sábado, o júri de um tribunal da Flórida decidiu pela absolvição de George Zimmerman, que matou o jovem Taryvon Martin, de 17 anos. O veredito provocou uma onda de protestos em todo o país.

Na segunda-feira, cerca de duas dezenas de pessoas foram detidas por agressões e destruição de montras e automóveis. O afrodescendente Trayvon Martin caminhava desarmado pela cidade de Sanford, no Estado da Flórida, quando foi abordado por um vigia voluntário, George Zimmerman, que suspeitou dele. O vigia chamou a polícia, que lhe disse que nada fizesse. Mas este ignorou a orientação e disparou sobre o jovem, que estava desarmado e morreu no local, sem indícios de luta.

“E se fosse um vigia voluntário negro a assassinar um jovem branco?”, questionaram diversos cartazes afixados nas ruas de Los Angeles.

Obama pede calma

O presidente Barack Obama afirmou que a morte de Trayvon foi uma tragédia e pediu que fosse retomado o debate sobre a violência gerada pelo uso de armas no país. “Sei que estes caso suscitou paixões. E, logo após o veredito, sei que estas paixões podem estar ainda mais fortes. Mas, somos uma nação de leis e o júri pronunciou-se." O presidente afirmou ainda que todos os americanos devem respeitar o pedido feito pela família Martin, de reflexão calma. "Como cidadãos, este é um trabalho para todos nós. Esta é a forma de honrar Trayvon Martin."

O "sistema jurídico americano mais uma vez fracassou

Por seu lado, o histórico ativista dos direitos civis Jesse Jackson declarou à rede de televisão CNN que estava "chocado com a decisão. O Departamento de Justiça tem de intervir para levar isto (o veredito) a outro nível". Para Jackson, o "sistema jurídico americano mais uma vez fracassou com a Justiça".

A Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor (NAACP na sigla inglês), uma das mais influentes organizações civis para os direitos dos negros, iniciou um abaixo-assinado para exigir que o Departamento de Justiça abra um caso de direitos civis contra George Zimmerman.

"Haverá manifestações neste sábado em cem cidades e diante de prédios federais, para pressionar o governo e defender nossos direitos cívicos", anunciou Al Sharpton, líder da Rede de Ação Nacional (National Action Network, NAN), organização de defesa dos direitos cívicos.

Stevie Wonder apoia a onda de contestação

Também o cantor Stevie Wonder apoiou a onda de contestação, afirmando que não voltará a fazer concertos na Flórida e nos estados em que a lei não for respeitada.

Mas o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, deixou claro que Barack Obama não vai interferir. "Essa é uma decisão tomada pelo Departamento da Justiça, pelos promotores com experiência", afirmou Carney, acrescentando que "este não é um caso no qual o presidente esteja envolvido".