You are here

Quem é Edward Snowden

Especialista em tecnologia Edward Snowden, de 29 anos, trocou uma vida confortável no Hawai e um salário de 200 mil dólares por ano por uma vida de fugitivo. Mas ficou tranquilo com a sua consciência. “Não posso permitir que o governo dos Estados Unidos destrua a privacidade e a liberdade com essa máquina de vigilância que está a construir", disse
"Agora, o povo dos EUA tem o poder de decidir por eles mesmos se estão dispostos a ceder a sua privacidade a um estado de vigilância constante", diz Snowden

Há pouco mais de um mês, o especialista em tecnologia Edward Snowden, de 29 anos, terminou o seu trabalho no escritório da Agência Nacional de Segurança (NSA), no Hawai, e copiou sigilosamente uma grande quantidade de documentos. Disse então aos seus superiores que ia viajar para Hong Kong por motivos de saúde, já que sofre de epilepsia. Mas o verdadeiro motivo da viagem era deixar o território americano para estar longe quando o resultado de suas ações viesse a público. Snowden é um dos responsáveis pela fuga de documentos secretos que mostram como o governo americano monitoriza os seus cidadãos e espia cidadãos, instituições e governos de outros países, incluindo os seus aliados.

Obama nunca encerrou programas de Bush

A história de Snowden foi revelada no domingo 9 de junho, pelos jornais Washington Post e The Guardian - os dois veículos que receberam e publicaram os documentos secretos. Graças a Snowden, o mundo soube que o presidente Barack Obama nunca encerrou os programas de vigilância doméstica da Era Bush, e que milhões de telefonemas e e-mails privados de cidadãos americanos sem relação com terroristas são monitorizados pelas agências de espionagem dos EUA.

Que os Estados Unidos espiam a missão da União Europeia em Nova York e 38 embaixadas, entre elas as de França, Itália e Grécia e dos países do Médio Oriente.

Que os serviços de informação britânicos espiaram o G20.

Que a NSA usa parcerias com empresas telefónicas americanas para aceder a redes de comunicação de países como o Brasil, China, Índia ou Paquistão.

E muitas outras revelações.

Vida muito confortável

Snowden já trabalhou como consultor da CIA. Quando saiu dos Estados Unidos, era funcionário da empresa do setor de defesa Booz Allen Hamilton, onde fazia um trabalho para a NSA. Disse ao Guardian que tinha uma vida "muito confortável", com um salário de 200 mil dólares por ano, uma namorada e uma vida boa no Hawai. Mas esse conforto não se refletia na sua consciência. "Estou disposto a sacrificar tudo porque não posso permitir que o governo dos Estados Unidos destrua a privacidade e a liberdade com essa máquina de vigilância que está a construir", disse.

Snowden soube desde o início que o que ia fazer poderia causar-lhe grande dano, a exemplo do que aconteceu com Bradley Manning, o militar americano que está a ser julgado por um tribunal militar acusado de divulgar documentos diplomáticos à Wikileaks. Por isso, Snowden já calculava que nunca mais poderá voltar aos Estados Unidos. "Tenho a intenção de pedir asilo a qualquer país que acredite na liberdade de expressão e se oponha a que a privacidade global seja a vítima", disse.

Não se arrepende

Apesar disso, o ex-técnico da CIA não se arrepende de ter divulgado a informação classificada como "altamente secreta". Acredita que sua ação vai ajudar o povo dos EUA, que agora tem "o poder de decidir por eles mesmos se estão dispostos a ceder a sua privacidade a um estado de vigilância constante".

Comentários (1)

Resto dossier

O Planeta sob vigilância

As revelações de Edward Snowden tornaram pública a existência de programas secretos que permitem ao governo dos EUA vigiar milhões de cidadãos. Programas como o PRISM abrem à NSA e ao FBI o acesso aos servidores de empresas como Microsoft, Yahoo, Gogle, Facebook4, PalTalk, AOL, Skype, YouTube e Apple. Outros programas, como o Farview, dão acesso às comunicações de outros países. Dossier coordenado por Luis Leiria.

Ignacio Ramonet: “Somos todos vigiados”

O que é a mega-rede global de espionagem montada pelos EUA. Como os cidadãos são monitorizados. Por que a denúncia de Edward Snowden é um facto histórico. 

Quem é Edward Snowden

Especialista em tecnologia Edward Snowden, de 29 anos, trocou uma vida confortável no Hawai e um salário de 200 mil dólares por ano por uma vida de fugitivo. Mas ficou tranquilo com a sua consciência. “Não posso permitir que o governo dos Estados Unidos destrua a privacidade e a liberdade com essa máquina de vigilância que está a construir", disse

Edward Snowden: “Não quero viver num mundo em que tudo o que digo e faço é gravado”

Edward Snowden, a fonte das revelações sobre os ficheiros da National Security Agency (NSA) dos EUA que o The Guardian publicou, explica porque levou a cabo a maior fuga de informação de um organismo de informações desde há uma geração, e o que pensa fazer em seguida. Entrevista de Glenn Greenwald e Ewen Macaskill.

25 verdades sobre o caso Evo Morales/Edward Snowden

Caso mostra que União Europeia é um engodo político e diplomático, sempre subserviente às exigências de Washington. Por Salim Lamrani.

“Snowden fez algo que não o beneficia em nada. Apenas beneficia o público”

Entrevistado pela Democracy Now!, o jornalista Glenn Greenwald explica como as fugas de informação sobre a NSA (National Security Agency), feitas por Edward Snowden, ajudaram a expor um “sistema de vigilância massiva" feito ilegalmente, e fala ainda da privatização das agências de segurança, através de empresas como a Booz Allen Hamilton, para a qual o especialista trabalhava.

Snowden Gate: Americanos espiam UE e vários países europeus

Os serviços secretos dos Estados Unidos espiaram a missão da União Europeia em Nova York e 38 embaixadas, entre elas as de França, Itália e Grécia e dos países do Médio Oriente, segundo documentos entregues pelo ex-colaborador da CIA Edward Snowden ao diário britânico The Guardian.

Bytes de terror: Edward Snowden e a Arquitetura da Opressão

A denúncia histórica de Snowden revelou o que ele chama de “arquitetura da opressão” – uma série de programas de vigilância ultra-secretos que ultrapassam em larga escala aquilo que até hoje se conheceu publicamente.

Serviços de informação britânicos espiaram o G20

O jornal britânico “The Guardian” revela esta segunda-feira que altos dirigentes governamentais e funcionários estrangeiros, que participaram nas reuniões do G20 de 2009 em Londres, tiveram os seus computadores monitorizados e os telefonemas intercetados, por ordem direta do círculo próximo do governo britânico.