You are here

Rede Globo, o povo não é bobo

Por representar o que há de mais comprometido com o capitalismo selvagem, a perspetiva da Rede Globo é emblemática de como a plutocracia enxerga as mobilizações populares que ameaçam os seus privilégios seculares. Por Plínio de Arruda Sampaio Jr.
As consignas reacionárias são repetidas ad nauseam nos jornais, rádios e televisão. “As manifestações não podem ter partido”. Na verdade, disputam desesperadamente a direção das manifestações.

Assustada com as mobilizações populares que romperam duas décadas de marasmo político e letargia social, após um momento de perplexidade e desorientação, a ordem estabelecida deu uma primeira resposta à revolta social que toma conta do Brasil. O seu ponto de vista aparece na estética e no discurso dos grandes média falados e escritos. Não por acaso, as grandes redes de televisão tornaram-se um dos alvos preferenciais da fúria popular, ao lado de outros símbolos do poder burguês e da modernidade fútil – os prédios públicos, os bancos, as concessionárias de automóveis.

Por representar o que há de mais comprometido com o capitalismo selvagem, a perspetiva da Rede Globo é emblemática de como a plutocracia enxerga as mobilizações populares que ameaçam os seus privilégios seculares. As imagens da Rede Globo são quase que invariavelmente feitas a partir de duas perspetivas: do alto das coberturas dos prédios e dos helicópteros ou atrás da tropa de choque. É uma metáfora de como a burguesia lida com o conflito social: distante dos problemas da população e em oposição frontal a quem luta por direitos coletivos.

Preocupados com a possibilidade de que a revolta popular se transforme numa revolução política, os grandes média martelam dia e noite palavras de ordens que têm como objetivo neutralizar o potencial subversivo das ruas. No “fim da história”, as rebeliões não podem ter causa. Daí a insistência em instrumentalizar a ira contra os partidos da ordem – PT, PSDB, PMDB, PSB, etc. – para estigmatizar todo e qualquer partido e para banir toda e qualquer bandeira política que possa dar um horizonte revolucionário à energia humana que brota de baixo para cima.

Consignas e bandeiras da contra-revolução

Bonner1 à frente, as consignas reacionárias são repetidas ad nauseam nos jornais, rádios e televisão. “As manifestações não podem ter partido”. Na verdade, disputam desesperadamente a direção das manifestações. Na falência dos partidos convencionais, tomam para si, com o beneplácito da burguesia, o papel de verdadeiro partido da ordem. “As manifestações não podem ter bandeiras”. Na verdade, enaltecem, exaltam e estetizam as bandeiras da paz (social) e da ordem e progresso (do nacionalismo chauvinista). Na falência das políticas convencionais, apelam para o moralismo e buscam desesperadamente resolver a quadratura do círculo, encontrando uma saída dentro da ordem. A manobra mal esconde o pânico com o despertar do povo para a política. Tentam desesperadamente conter a energia vulcânica que clama por mudanças radicais, transformando as manifestações em uma grande catarse nacional.

O levante popular coloca em xeque um dos nós fundamentais do padrão histórico de dominação da burguesia brasileira: a intolerância em relação à utilização do conflito social como forma legítima de conquista de direitos coletivos. Daí o esforço para estigmatizar os manifestantes que enfrentam violenta repressão. Sem distinção, todos os que enfrentam a tropa de choque – manifestantes, provocadores infiltrados e simples marginais - são tachados de “vândalos” – uma minoria violenta que perturba a ordem e que se contrapõe à maioria que se manifesta pacificamente. Mal disfarçam a intenção de instigar a polícia e atiçar a classe média remediada contra a vanguarda das manifestações. Os jornais atuam de maneira orquestrada para saturar a opinião pública com imagens de destruição patrimonial – repetidas cansativamente para provocar a rejeição da população. O objetivo é criar um clima de histeria coletiva que venha, mais adiante, a justificar o massacre da revolta. Suspeitamente, não se escuta um pio sobre a ação escancarada de provocadores infiltrados, liderados por agentes dos órgãos de repressão do Estado e por grupos de extrema direita. Os pescadores de águas turvas apostam na única solução que a classe dominante brasileira conhece para tratar o conflito social: o pelourinho. Precisam ser contidos.

O partido da revolução democrática

A avassaladora mobilização da juventude contra as péssimas condições de vida da população polarizou a luta de classes entre mudança e conservação – revolução e contra-revolução. Se a esquerda não conseguir dar uma resposta ao contra-ataque das forças da reação, as mobilizações sociais podem simplesmente exaurir-se sem condensar a energia política necessária para abrir novos horizontes. O desafio exige que as organizações de esquerda se unifiquem, lutem ao lado da juventude nas trincheiras avançadas do levante popular e portem a bandeira da revolução democrática – a essência do que está sendo exigido pelos manifestantes – como única alternativa à barbárie.

24 de junho de 2013

Publicado no Correio da Cidadania

Plínio de Arruda Sampaio Jr. é professor do Instituto de Economia da UNICAMP e membro do Conselho Editorial do Correio da Cidadania

1Wiliam Bonner, pivot do Jornal Nacional da Globo

(...)

Resto dossier

A Primavera do Brasil

Uma gota d'água de 20 centavos foi suficiente para que o descontentamento popular extravasasse todas as barreiras no Brasil e expusesse os pés de barro do seu tão falado desenvolvimento. Neste dossier coordenado por Luis Leiria, o Esquerda.net reúne informações que permitam ao leitor compreender melhor o contexto dos atuais acontecimentos, para além de dar acesso à cobertura que o portal vem fazendo desde o início.

A cobertura do Esquerda.net

Acompanhe aqui a cobertura dos protestos no Brasil realizada pelo Esquerda.net, sempre atualizada, através deste link

Cronologia dos vinte dias que abalaram o Brasil

Relembre os acontecimentos que começaram com um protesto de 2 a 4 mil pessoas e se transformaram num poderoso movimento que sacudiu o país de Norte a Sul.

Os limites do crescimento e da distribuição de rendimento

Houve um aumento do rendimento do trabalho no período do governo Lula, mas a redução da desigualdade foi muito pequena e a ideia de que o Brasil se tornou num país de classe média é uma construção ideológica que não corresponde à realidade. Compilação de alguns artigos de Valério Arcary, Márcio Pochmann, Ruy Braga e Reinaldo Gonçalves. Com links para os originais, cuja leitura recomendamos.

Por que protestam contra a Copa

Em Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba e Fortaleza protestos contra a Copa misturam-se às bandeiras por participação política, transporte e serviços públicos de qualidade. Veja aqui sete razões para que a festa esteja a transformar-se em manifestação. Por Marina Amaral, Agência Pública.

Quem somos

Que representa o Brasil? As avançadas tecnologias ou a miséria analfabeta de grande parte das escolas públicas? A medicina de ponta disponível em hospitais caríssimos, ou a decadência dos hospitais públicos sem estrutura? Por Sérgio Denicolli.

“Decifra-me ou te devoro”: os grandes média e as manifestações

Como a Globo foi mudando a sua cobertura das manifestações, da denúncia como atos de “vândalos” ao suposto “apoio”, tentando esvaziar o seu conteúdo social. Por Gilberto Calil, Blog Convergência

Nunca foi só por 20 centavos! Nunca foi só por uma bandeira!

Quando estamos diante de grandes mobilizações de massas, com milhares de pessoas, em condições de liberdades democráticas, em que não seremos presos pela polícia, não é somente um direito, mas, também, um dever dos socialistas levantar as suas bandeiras. Não o fazemos porque queremos “aparecer”. Estamos defendendo um programa. Não somos surfistas das lutas, somos parte, lado a lado, dos agitadores e organizadores das lutas. Por Valério Arcary, Blog Convergência

O significado e as perspetivas das mobilizações de rua

Para João Pedro Stedile, a juventude mobilizada, por sua origem de classe, não tem consciência de que está participando de uma luta ideológica. Assim, estão sendo disputados pelas ideias da direita e da esquerda. Por Nilton Vianna, Brasil de Fato.

“A esquerda radical também foi surpreendida pela amplitude das mobilizações"

Há sinais de que a política do PT no poder se está a esgotar e que o PT foi, sem dúvida, o partido mais afetado pelas manifestações, diz nesta entrevista João Machado, da direção nacional do PSOL, para quem organizações mais independentes, como as que têm impulsionado as mobilizações, provavelmente vão reforçar-se. Por Juan Tortosa, Solidarités

Rede Globo, o povo não é bobo

Por representar o que há de mais comprometido com o capitalismo selvagem, a perspetiva da Rede Globo é emblemática de como a plutocracia enxerga as mobilizações populares que ameaçam os seus privilégios seculares. Por Plínio de Arruda Sampaio Jr.

Brasil: Como os média mudaram de posição em poucos dias

Veja alguns exemplos de como os grandes meios de comunicação brasileiros atacaram os protestos e icentivaram a repressão, para depois mudar totalmente de atitude.

A guerra cibernética e a sublevação popular no Brasil

A disputa pela consciência desse movimento e do conjunto da classe trabalhadora será dada de forma cada vez mais importante numa arena nova e ainda de potencial imprevisível: a das comunicações eletrónicas por meio da Internet. Por Henrique Carneiro, Blog Convergência

O Petróleo garante os 10% do PIB para a Educação?

No seu discurso à nação, no dia 24 de junho, a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, afirmou que o seu governo "tem lutado" para que "100% dos royalties do petróleo e 50% do pré-sal [jazidas de petróleo a grande profundidade] sejam investidos na Educação". Esses recursos, porém, não são suficientes para responder ao clamor nacional.

Não há problemas técnicos nem financeiros para implantar a Tarifa Zero

De acordo com Lucio Gregori, ex-secretário de transportes da Prefeitura de S. Paulo e um dos precursores do projeto Tarifa Zero, o passe livre não é nenhuma utopia de jovens “vândalos” e “desocupados”. Por Gabriel Brito e Valéria Nader, da redação do Correio da Cidadania.