You are here

Quem somos

Que representa o Brasil? As avançadas tecnologias ou a miséria analfabeta de grande parte das escolas públicas? A medicina de ponta disponível em hospitais caríssimos, ou a decadência dos hospitais públicos sem estrutura? Por Sérgio Denicolli
Protestaram juntos ricos e pobres, patrões e empregados, jovens e velhos, pacíficos e vândalos. Foto de Mattar/SelvaSP

O que é o Brasil? São as praias cariocas com os corpos dourados que ilustram os guias turísticos, ou as favelas que aparecem nos documentários sobre o Terceiro Mundo? É o frio do sul ou o calor do norte e nordeste? São os blocos populares ou o carnaval dos abadás? É a floresta Amazônica? O Pantanal? O sertão?

E e que representa o Brasil? As avançadas tecnologias ou a miséria analfabeta de grande parte das escolas públicas? A medicina de ponta disponível em hospitais caríssimos, ou a decadência dos hospitais públicos sem estrutura? Seria o futebol da geral ou o Maracanã da Fifa?

Provavelmente cada um de nós tem uma opinião a respeito das questões mencionadas. E, mais do que isso, cada um de nós tem um olhar sobre o que é ser brasileiro, a partir das próprias experiências.

Na verdade, o Brasil é um país de divisões de raças, religiões, castas, classes, e ao mesmo tempo é a união disso tudo. Só que a união plena sempre foi impedida pela divisão, que, voluntariamente ou não, acabava por ser alimentada pelos muitos meios de comunicação de massa, com sua visão de classe média acomodada. A falta de comunicação não mediada entre as mais diversas esferas do país era o alimento que mantinha tudo como estava. Ou seja, os ricos aprisionados em seus castelos com câmaras de vigilância, e os pobres aprisionados em sua própria sorte. Eram mundos que coexistiam, mas não se tocavam, a não ser em casos de violência, numa relação hierárquica de trabalho, ou então no período eleitoral.

No meio desse carnaval eterno, escondia-se a corrupção, o descaso, a impunidade, a dor e a delícia de ter um país inteiro mergulhado no caos, onde as leis só funcionam quando é conveniente. Fatores que causam indignação.

No exterior, os analistas têm muita dificuldade em perceber e transmitir o que acontece no Brasil. Muitos acham que a principal causa dos protestos foi o aumento das passagens de ónibus em São Paulo. Eles não entendem que no Brasil não há um transporte de qualidade, que as péssimas estradas são um convite aos acidentes, que as ferrovias praticamente não existem, e o que o aumento de 20 centavos em algo que não funciona era um desaforo

É difícil entender como um país que está entre as dez maiores economias do mundo tem que conviver com tanta miséria e falta de estrutura. E os brasileiros começaram a perceber que o sistema está errado. Afinal, para onde vai toda a riqueza que o Brasil possui? As pessoas estão fartas de serem enganadas, de não serem representadas pelos políticos que elegem, de não terem seus direitos garantidos pela justiça.

Quantos são os políticos e os magistrados que utilizam o sistema público de saúde, ou que têm os filhos matriculados em escolas do Estado? Como essas pessoas podem decidir o que é bom para a população, se elas vivem num Brasil de sonho, cujo acesso é para poucos?

Vejo muita gente se queixar dos atos violentos nos protestos. É realmente algo condenável. Mas temos que analisar as coisas de forma mais aprofundada. É possível exigir civilidade de quem só vê do Estado a face violenta? Como podemos pedir educação a quem nunca teve uma escola decente?

Se quem mora em locais aprazíveis e civilizados tem motivos para protestar, imagine os que vivem nas periferias esquecidas, sem rede de esgoto, calçamento, sem segurança. Há lugares onde a Lei é estabelecida pelos bandidos, porque são locais invisíveis aos olhos dos que têm o poder para decidir o futuro da nação. É assim que queremos continuar a ser? Certamente não, pois ninguém pode estar satisfeito em viver em uma nação eternamente em guerra.

Finalmente a insatisfação que ocorre de ponta a ponta se tornou plural e promoveu um encontro entre muitas facções distintas, que foram programadas para não se enxergarem de igual para igual, e muito menos para lutar lado a lado. O encontro aconteceu, inicialmente em meios online, e depois passou a ocorrer em plena via pública. Passaram a protestar juntos ricos e pobres, patrões e empregados, jovens e velhos, pacíficos e vândalos. Marcharam, simplesmente, sobre a cidade, como explosões individualmente coletivas, que reavivaram um sentimento de nacionalismo, de desejo por um país melhor. Essas forças voltam-se, inevitavelmente, contra os poderes corrompidos, as instituições de fachada, e a distância entre a realidade e o Brasil das fotos turísticas.

E, após dias muito estranhos, os de direita, esquerda, centro, os apolíticos, os com filiação partidária, os cristãos e os ateus, os alienados e os engajados, os incluídos e os excluídos sentem que aquela confusão magnífica, sem pé e nem cabeça, sem pauta reivindicatória comum, é um resumo do próprio país e um ensaio que pode levar à construção de um futuro realmente mais democrático.

Portanto, a grande mudança está no facto de que as pessoas entenderam que têm o direito de se indignar e de manifestar e reivindicar juntas. E essa grande diferença é o que faz aflorar uma esperança, por mais embaçada que ela ainda esteja, por mais negligenciada que pareça. Uma esperança, apenas isso. Ao menos por enquanto.

Sérgio Denicoli é professor e investigador da Universidade do Minho. Artigo publicado originalmente em A Gazeta, jornal do Espírito Santo, Brasil.

(...)

Resto dossier

A Primavera do Brasil

Uma gota d'água de 20 centavos foi suficiente para que o descontentamento popular extravasasse todas as barreiras no Brasil e expusesse os pés de barro do seu tão falado desenvolvimento. Neste dossier coordenado por Luis Leiria, o Esquerda.net reúne informações que permitam ao leitor compreender melhor o contexto dos atuais acontecimentos, para além de dar acesso à cobertura que o portal vem fazendo desde o início.

A cobertura do Esquerda.net

Acompanhe aqui a cobertura dos protestos no Brasil realizada pelo Esquerda.net, sempre atualizada, através deste link

Cronologia dos vinte dias que abalaram o Brasil

Relembre os acontecimentos que começaram com um protesto de 2 a 4 mil pessoas e se transformaram num poderoso movimento que sacudiu o país de Norte a Sul.

Os limites do crescimento e da distribuição de rendimento

Houve um aumento do rendimento do trabalho no período do governo Lula, mas a redução da desigualdade foi muito pequena e a ideia de que o Brasil se tornou num país de classe média é uma construção ideológica que não corresponde à realidade. Compilação de alguns artigos de Valério Arcary, Márcio Pochmann, Ruy Braga e Reinaldo Gonçalves. Com links para os originais, cuja leitura recomendamos.

Por que protestam contra a Copa

Em Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba e Fortaleza protestos contra a Copa misturam-se às bandeiras por participação política, transporte e serviços públicos de qualidade. Veja aqui sete razões para que a festa esteja a transformar-se em manifestação. Por Marina Amaral, Agência Pública.

Quem somos

Que representa o Brasil? As avançadas tecnologias ou a miséria analfabeta de grande parte das escolas públicas? A medicina de ponta disponível em hospitais caríssimos, ou a decadência dos hospitais públicos sem estrutura? Por Sérgio Denicolli.

“Decifra-me ou te devoro”: os grandes média e as manifestações

Como a Globo foi mudando a sua cobertura das manifestações, da denúncia como atos de “vândalos” ao suposto “apoio”, tentando esvaziar o seu conteúdo social. Por Gilberto Calil, Blog Convergência

Nunca foi só por 20 centavos! Nunca foi só por uma bandeira!

Quando estamos diante de grandes mobilizações de massas, com milhares de pessoas, em condições de liberdades democráticas, em que não seremos presos pela polícia, não é somente um direito, mas, também, um dever dos socialistas levantar as suas bandeiras. Não o fazemos porque queremos “aparecer”. Estamos defendendo um programa. Não somos surfistas das lutas, somos parte, lado a lado, dos agitadores e organizadores das lutas. Por Valério Arcary, Blog Convergência

O significado e as perspetivas das mobilizações de rua

Para João Pedro Stedile, a juventude mobilizada, por sua origem de classe, não tem consciência de que está participando de uma luta ideológica. Assim, estão sendo disputados pelas ideias da direita e da esquerda. Por Nilton Vianna, Brasil de Fato.

“A esquerda radical também foi surpreendida pela amplitude das mobilizações"

Há sinais de que a política do PT no poder se está a esgotar e que o PT foi, sem dúvida, o partido mais afetado pelas manifestações, diz nesta entrevista João Machado, da direção nacional do PSOL, para quem organizações mais independentes, como as que têm impulsionado as mobilizações, provavelmente vão reforçar-se. Por Juan Tortosa, Solidarités

Rede Globo, o povo não é bobo

Por representar o que há de mais comprometido com o capitalismo selvagem, a perspetiva da Rede Globo é emblemática de como a plutocracia enxerga as mobilizações populares que ameaçam os seus privilégios seculares. Por Plínio de Arruda Sampaio Jr.

Brasil: Como os média mudaram de posição em poucos dias

Veja alguns exemplos de como os grandes meios de comunicação brasileiros atacaram os protestos e icentivaram a repressão, para depois mudar totalmente de atitude.

A guerra cibernética e a sublevação popular no Brasil

A disputa pela consciência desse movimento e do conjunto da classe trabalhadora será dada de forma cada vez mais importante numa arena nova e ainda de potencial imprevisível: a das comunicações eletrónicas por meio da Internet. Por Henrique Carneiro, Blog Convergência

O Petróleo garante os 10% do PIB para a Educação?

No seu discurso à nação, no dia 24 de junho, a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, afirmou que o seu governo "tem lutado" para que "100% dos royalties do petróleo e 50% do pré-sal [jazidas de petróleo a grande profundidade] sejam investidos na Educação". Esses recursos, porém, não são suficientes para responder ao clamor nacional.

Não há problemas técnicos nem financeiros para implantar a Tarifa Zero

De acordo com Lucio Gregori, ex-secretário de transportes da Prefeitura de S. Paulo e um dos precursores do projeto Tarifa Zero, o passe livre não é nenhuma utopia de jovens “vândalos” e “desocupados”. Por Gabriel Brito e Valéria Nader, da redação do Correio da Cidadania.