You are here

Israel já ganhou a guerra civil síria

O seu principal inimigo militar deixou de existir, o contexto em que os palestinianos desenvolvem a sua luta de libertação fica mais desfavorável; e a solução do problema da ocupação israelita dos Montes Golã será relegada ainda mais para as calendas.
Tanque capturado pelo Exército Livre da Síria. Foto Freedomhouse

A guerra civil na Síria está longe do fim, consta até que no conclave do grupo de Bilderberg se estuda a forma de a prolongar fornecendo mais armas aos grupos que combatem o governo de Damasco, mas Israel já ganhou o conflito. Pode não ter ainda atingido todos os objetivos; no entanto, o principal foi garantido: o seu principal inimigo militar deixou de existir. Há ainda o Irão, claro, mas esse não está na fronteira e ficará enfraquecido com a perda do aliado em Damasco.

Estes elementos são factuais, digamos que estão contaminados até por uma leitura “tecnocrática” e militarizada da situação regional. Em princípio, seguindo a linha dos interesses libertadores e humanitários, a queda do regime da família Assad na Síria, ou a sua substituição por qualquer outra coisa, é um passo positivo. Israel tira as suas vantagens, é certo, mas o mundo vê-se livre de um tirano como Saddam Hussein, Ben Ali ou Muammar Khadaffi.

Será tudo assim tão linear, tão lógico?

Não é. A vitória de Israel no conflito sírio significa, no imediato, que o contexto em que os palestinianos desenvolvem a sua luta de libertação fica mais desfavorável; e que a solução do problema da ocupação israelita dos Montes Golã será relegada ainda mais para as calendas. Em termos de direito internacional, situações que motivaram dezenas de resoluções das Nações Unidas ostensivamente desrespeitadas por Israel sairão deste conflito ainda mais enterradas do que já estavam.

Mas pode acontecer que do conflito saia um regime democrático na Síria, capaz de discutir com Israel numa base de legitimidade reforçada.

Em tese o argumento é válido. Mas será o leitor ainda tão ingénuo que acredite nele?

Olhemos então para a guerra civil síria. O que começou por parecer uma “primavera árabe” – conceito cujo balanço ainda está muito longe de poder ser feito – depressa degenerou. E as manifestações pacíficas, brutalmente reprimidas, foram tomadas em mãos por grupos e grupinhos armados, a maior parte deles nascidos na hora e ostracizando a oposição existente, cada um mais desorganizado e extremista do que o outro.

No momento em que o exército regular sírio deixou de ter como primeira preocupação o vizinho israelita e passou a ocupar-se da repressão, e depois do combate interno, começou a nascer a vitória de Israel.

No momento em que a NATO, os Estados Unidos e a União Europeia decidiram que não fariam a guerra no terreno, para não replicar os fracassos e imbróglios do Afeganistão, Iraque e Líbia – onde reina a ordem do caos – e passaram a tentar organizar as oposições armadas sob comandos e financiamentos únicos, o triunfo de Israel começou a cimentar-se.

A chamada oposição síria, a começar pelo chamado Exército Sírio da Liberdade, comandado a partir da base da NATO de Inçirklirk, na Turquia, continua a ser uma manta de retalhos que disputa os próprios poderes internos enquanto procura dar luta ao exército governamental. Nesse tecido caíram as mais proscritas nódoas que vivem habitualmente sob a mira cerrada do aparelho de propaganda ocidental: uma constelação de grupos radicais islâmicos, assentes em mercenários com os salários pagos pela Arábia Saudita e o Qatar, com o armamento financiado por “grupos de amigos” que pululam nas conferências promovidas primeiro por Hillary Clinton e agora por John Kerry, e treinados, equipados e infiltrados pela NATO, CIA e afins a partir da Turquia. Essa mesma Turquia onde os direitos humanos são tratados como estamos a ver nestes dias.

Nessa constelação de extremistas islâmicos não falta, como não faltou nos Balcãs e na Líbia, por exemplo, a Al-Qaida, em si mesma ou com pseudónimo. Na Síria chama-se Al Nusra, recebe o mesmo apoio ocidental de todos os outros grupos, o que nos conduz a cenários de uma notável coerência: os governos de Hollande e Cameron armam agora diretamente (já o faziam através de interpostos parceiros) grupos radicais islâmicos que são “irmãos de armas” e “de sangue” dos terroristas que a França combate no Mali, com apoio britânico e norte-americano.

É pois de um cenário destes que um dia, certamente ainda distante, sairá o “arranjo democrático” que a NATO e a União Europeia legitimarão em Damasco. Depois de (e se) convencerem a Rússia de Putin a deixar cair o regime sabendo que depois terá de haver-se nas suas vizinhanças, mais tarde ou mais cedo, com a cruzada de destruição do aparelho nuclear iraniano – que o grupo de Bilderberg pretende concluir em três anos.

Digamos até que um cenário destes, tão pacífico e funcional como os do Afeganistão, da Líbia ou do Iraque, não será ainda o pior possível. Porque no horizonte está o desmantelamento da própria Síria, em emirados e pequenas entidades de quaisquer outras espécies de índole religiosa e/ou sectária. O cenário antevisto pelos Estados Unidos para o Iraque durante a primeira metade da ocupação é válido para a Síria e representará a vitória completa de Israel. Deixará então de ter um vizinho poderoso, substituído por uma miríade de “libanozinhos” nas imediações, por certo menos incomodativos que o Líbano propriamente dito provavelmente porque não terão Hezbollahs (a minoria xiita estará subjugada), apreciarão receber gorjetas e andarão entretidos a guerrear-se entre si por uma improvável supremacia.

A Síria fragmentada seria a vitória ideal para Israel. Que conhecendo as insuficiências dos grupos que combatem no terreno, de tempos a tempos realiza operações militares para desgastar o exército governamental – sem que o mundo se incomode com as agressões militares de um Estado soberano contra um vizinho.

Antes que essa vitória chegue, ou mesmo que não se concretize na forma desejada pelos falcões israelitas, cada vez mais enraizados no poder, há um triunfo que Israel pode desde já festejar: o cenário de uma Síria militarmente poderosa na sua vizinhança acabou. É uma preocupação a menos para a única potência nuclear do Médio Oriente.

Custa centenas de milhar de vida humanas. Que importa? Ninguém vai ter que assumir responsabilidades por isso...

Sobre o/a autor(a)

Jornalista
Comentários (3)

Resto dossier

Terceira Intifada na Palestina

A terceira Intifada, a revolta dos palestinianos contra o ocupante, já começou. Mas desta vez assume a forma da mobilização de massas não-violenta contra o regime de apartheid imposto por Israel, pela libertação dos presos e contra a extensão dos colonatos. Esta é a opinião de Mustafa Barghouti, líder da Iniciativa Nacional Palestina. Neste dossier, coordenado por Luis Leiria, procuramos atualizar a situação da luta dos palestinianos, incluindo artigos, entrevistas, relatos do local, reportagens.

A terceira Intifada

As “aldeias de tendas” e as manifestações semanais são algumas das táticas do movimento de resistência popular não-violento que vêm a crescer e a ganhar dinâmica nos territórios palestinianos ocupados por Israel. Para o médico Mustafa Barghouti, que dirige a Iniciativa Nacional Palestiniana, a terceira Intifada já começou, seguindo um modelo diferente e sem esperar ordens vindas de cima.

Artigo publicado originalmente na revista Vírus nº3.

Uma visita a Gaza, prisão a céu aberto

Entre os dias 1 e 3 de dezembro de 2012, a eurodeputada Alda Sousa visitou Gaza, numa delegação internacional de que fez parte também a deputada Helena Pinto. Foram os primeiros estrangeiros a entrar no território depois dos intensos bombardeios israelitas da chamada operação “Pilar de defesa”. Este é um caderno dessa viagem. As fotografias são de Ricardo Sá Ferreira.

O que foi alcançado pela Fatah? Não muito

Depois de anos e anos de negociação e compromisso com o Estado de Israel, os palestinianos estão mais distantes do que nunca de obter o seu próprio Estado, afirma Arafat Shoukri, Diretor Executivo do Centro de Retorno Palestiniano (PRC) e Presidente da Campanha Europeia para Acabar com o Cerco a Gaza. Entrevista de Ricardo Sá Ferreira

Gaza: “Quem quereria viver num sítio como este?”

As condições sanitárias estão a deteriorar-se rapidamente e se o problema não for resolvido esta situação poderá ter um grande impacto na saúde do povo da Faixa de Gaza. Por PCHR/Narratives

Paz sem Terra: os colonatos de Jerusalém Oriental e o processo de paz mediado pelos EUA

A construção destes novos colonatos em Jerusalém Ocidental pode suspender o retomar das conversações entre os dois governos. No entanto, a questão maior é se o próprio processo alguma vez quis debruçar-se sobre uma resolução justa do conflito. Por Sam Gilbert

Os despejos de Sheikh Jarrah, a visão israelita de Jerusalém

A 20 de maio, o Supremo Tribunal israelita vai decidir se a família Shamasneh, da zona de Sheik Jarrah em Jerusalém Oriental, perderá a sua casa para os colonos israelitas. As razões e os métodos por trás do despejo promovido por Israel de mais uma família de Sheik Jarrah ilustram bem a sua política global de expulsar os palestinos em Jerusalém e tornar mais judaica a cidade. (Ver atualização no final do artigo). Por Lea Frehse e Johanna Wagman, AIC

Os prisioneiros palestinianos de Israel

É comum o abuso físico e a humilhação dos detidos por parte das forças israelitas. Com base em numerosas declarações juramentadas, há denúncias de que os detidos foram sujeitos a tentativa de homicídio e violação, e atirados de escadas enquanto vendados, entre várias outras formas de abuso.

Marwan Barghouti, símbolo de um povo aprisionado

Marwan Barghouti está detido há 11 anos consecutivos e já cumpriu uma pena total de 17 anos. O deputado e dirigente palestiniano foi sequestrado pelo Estado de Israel, e já foi condenado a várias penas de prisão perpétua. Barghouti é talvez o rosto mais conhecido entre os mais de 4900 presos políticos palestinianos.

Campeonato europeu de sub-21 em Israel: cartão vermelho ao Apartheid

A decisão da UEFA de manter Israel como o país anfitrião do Campeonato Europeu de sub-21 no próximo mês provocou a revolta de grupos comunitários de solidariedade com o povo palestino. Por Loretta Mussi, Nena News

Resistência de ontem, resistência de hoje

Os palestinianos em Ramallah, Jenin, em Gaza, resistem para sobreviver, numa luta diária e por vezes nada heroica, para proteger a sua existência, manter a ligação à sua terra e à sua pátria, para proteger a sua dignidade. Por Michel Warschawski, Alternative Information Center

Israel já ganhou a guerra civil síria

O seu principal inimigo militar deixou de existir, o contexto em que os palestinianos desenvolvem a sua luta de libertação fica mais desfavorável; e a solução do problema da ocupação israelita dos Montes Golã será relegada ainda mais para as calendas. 

Estado de Israel: o rufião mimado

Israel quebrou todos os compromissos que alicerçam o cessar-fogo precário, entre o Estado de Israel e a liderança do Hamas, e expande a ocupação de forma silenciosa. O poder que domina em Israel comporta-se como um rufião mimado que tem aquilo que quer e dispensa qualquer puxão de orelhas.

Revolucionário Democrático: novo sindicato dos trabalhadores em Israel

A política de trabalho em Israel foi dominada durante décadas por um sindicato único, ligado ao governo com uma tradição fortemente nacionalista. O primeiro sindicato independente e democrático foi fundado há apenas seis anos em Israel. Koach LaOvdim - Poder aos Trabalhadores – tem conseguido desde então mobilizar dezenas de milhares de trabalhadores e conta com mais de 12.000 membros em 2013. Por Centro de Informação Alternativa (AIC)