You are here

Conclusões sobre o debate europeu do Die Linke: "Agir de forma solidária na Europa"

As políticas de contenção da troika (FMI,UE e BCE) levaram ao colapso dos sistemas públicos de pensões. A par disso, com os obrigatórios programas de privatizações, temos hoje Estados que se desmantelam a si próprios. O estado dos Estados piorou. Não dá para continuar assim.
"Aqui e na Europa: Defender a Democracia e o Estado Social"

Treze anos após a introdução do euro, o desemprego na Europa atingiu um triste recorde de 12 %, e em muitos países a situação económica e social evolui de forma ainda mais dramática. Na Grécia, o desemprego jovem já superou os 64%, em Espanha subiu para 60%, em Itália e Portugal 40%. Na mesma medida, aumenta também o número de despejos, por falta de pagamento de renda e de empréstimos à habitação.

As políticas de contenção da troika (FMI,UE e BCE) levaram ao colapso dos sistemas públicos de pensões. A par disso, com os obrigatórios programas de privatizações, temos hoje Estados que se desmantelam a si próprios. O colapso do sistema de saúde grego traduziu-se já na incapacidade para assegurar o financiamento de medicamentos. O estado dos Estados piorou. Não dá para continuar assim.

Na visão de Merkel, a Alemanha é um dos poucos países que ainda fica bem na fotografia, com uma taxa de desemprego relativamente baixa (5,4%) e receitas elevadas advindas das exportações. No entanto, esta visão acarretou para os alemães elevados cortes sociais, designadamente no programa Harzt IV (comparável ao RSI em Portugal), privatizações massivas, dumping salarial, emprego precário, política essa que é exportada à custa de outros países europeus.

Merkel e Schäuble  orgulham-se desta política de austeridade e apresentam-na como modelo de exportação de qualidade no seio da União Europeia, negando que uma cópia dessas políticas leve a um colapso económico inevitável da Europa. As diferenças dramáticas no seio da UE representam o oposto do que foi proclamado com a introdução do euro. A realidade de uma Europa comum, em que tudo vá bem, está ainda muito distante.

As condições na Europa deterioraram-se. A introdução de uma moeda comum sem salário coordenado e política fiscal comum contaminaram a UE desde o início. As falhas estruturais gravíssimas e os efeitos negativos das chamadas "políticas de resgate do euro" foram levadas ao extremo.

A crítica ao projeto do euro, que abriu ao salário alemão porta e portão para o dumping social, tem nos Die Linke já mais de 15 anos de história.

A linha de rejeição tem sido a mesma desde o início, aquando da introdução do euro, sob o lema “Euro – assim não”, introduzido na altura pelo grupo parlamentar PDS no Bundestag alemão em 1998. O mesmo argumento foi motivo de constituição do WASG, como resistência política ao dumping social e salarial em 2010, essa linha continua na oposição aos planos de resgate europeu na atual legislatura. Desde sempre proclamamos que as exportações continuadas das políticas de Merkel, cortes nos salários e pensões, levariam inevitavelmente à destruição do Euro.

A veracidade dessa análise prova-se na atual conjuntura. O drama da situação europeia torna urgente o desenvolvimento e posicionamento com base nessa análise, isto porque a agudização da crise é um facto consumado e o número de países na zona euro será posto em causa. Um partido de esquerda internacionalista deve, portanto, ser dado a soluções de solidariedade que levem isso em conta. Por isso, é necessário promover um amplo debate. Juntos, devemos confrontar-nos com as nossas amigas e amigos políticos no Chipre, Grécia, Espanha e outros países à mercê dos mercados financeiros e cambiais. Nós somos contra a expulsão à força de qualquer país da zona euro.

Precisamos de desenvolver soluções de solidariedade europeias. Não haverá nenhuma bala de prata. Compromissos serão necessários. Precisamos de um debate sério. Realizado de forma aberta e objectiva.

Tradução de Patric Figueiredo para o Esquerda.net

(...)

Resto dossier

Alemanha, o país das maravilhas?

Uma brutal desigualdade social entre ricos e pobres, um regime de produção que banalizou a precariedade e a desvalorização salarial, são os rostos obscuros de uma economia que é tida como exemplar. Apesar da política conservadora receber o apoio de muitos na Alemanha, há várias vozes ativas que contra ela se levantam. Dossier organizado por Fabian Figueiredo

O "modelo Alemanha": da sua instrumentalização política à realidade

O "modelo Alemanha" festeja neste momento a sua ressureição. Mas não "o capitalismo do Reno"que significava, na altura:"Estado providência", "relações industriais equilibradas" e uma densa rede entre bancos e empresas. Com a aparição do capitalismo dito financeiro, este modelo não é senão um vestígio de história. Hoje em dia, quando falamos do "modelo Alemanha", é ao mercado de trabalho que nos referimos. Por Richard Detje

As especificidades do capitalismo alemão

Já na era fordista, o capitalismo alemão caracterizava-se por uma forma de desenvolvimento fortemente orientado para a exportação. Mas ao contrário de outros países orientados para a exportação, como a Itália, a indústria de exportação alemã nunca teve de se refugiar na desvalorização da moeda nacional, para defender a sua capacidade competitiva. Por Thomas Sablowski

O governo alemão não faz o que prega

Os sucessivos governos alemães, tanto os presididos pelo chanceler Schröder como as coligações governadas pela Sra. Merkel, não seguiram as políticas de austeridade que estão a impor ao resto dos países da zona euro e muito em particular aos do Sul.

Os alemães têm razão para estarem aborrecidos acerca da “mentira da pobreza”, mas enganaram-se no alvo

A descoberta de que a riqueza líquida dos alemães é menor do que a do Sul tem mais a ver com salários baixos do que com riquezas imaginárias.Por Costas Lapavitzas

A falsa fachada da Alemanha

A Alemanha apresenta-se a si mesma e ao resto de Europa como um país sem crise mas nos últimos anos os níveis de desigualdade dispararam. Por Rafael Poch de Feliu

A política de Merkel: uma catástrofe para a Europa mas também para a Alemanha

É redutor dizer que a política de Angela Merkel persegue os interesses alemães. Isto só é verdade se considerarmos apenas os interesses dos ricos, dos bancos alemães e da indústria alemã. Esta política não tem no seu interesse as pessoas. Por Heinz Bierbaum

Como anda a Alemanha?

Que a chanceler alemã Angela Merkel e o seu ministro das Finanças, Wolfgang Schäuble, são dos políticos mais odiados em Portugal e na Grécia (...) Mas qual é a razão para que Angela Merkel e o seu partido democrata-cristão CDU/CSU estejam com resultados positivos em todas as sondagens? Por Hans Gerd-Öfinger

A questão não é o euro, mas sim os europeus

Ao invés de políticas de austeridade, precisamos de um programa de investimento europeu para o desenvolvimento de infraestruturas públicas, serviços públicos, para a prevenção e para reestruturação sócio-ecológica. Por Bernd Riexinger, presidente do Die Linke.

Conclusões sobre o debate europeu do Die Linke: "Agir de forma solidária na Europa"

As políticas de contenção da troika (FMI,UE e BCE) levaram ao colapso dos sistemas públicos de pensões. A par disso, com os obrigatórios programas de privatizações, temos hoje Estados que se desmantelam a si próprios. O estado dos Estados piorou. Não dá para continuar assim.

Alemães também participam na manif europeia de 1 de junho

Coligação de ativismos convoca manifestação em Frankfurt, a sede do Banco Central Europeu, apelando à solidariedade e à resistência no coração do “regime europeu de crise”.