You are here

Impostos perdidos nos paraísos fiscais poderiam eliminar pobreza extrema no mundo

Segundo o relatório da organização não-governamental (ONG) Oxfam, divulgado esta terça feira, os paraísos fiscais escondem 14 biliões de euros, o que implica uma perda de receita fiscal para os governos de cerca de 120 mil milhões de euros, o suficiente para eliminar, por mais de duas vezes, a pobreza extrema no mundo.

“Ao guardarem o seu dinheiro em paraísos fiscais como San Marino e Mónaco, os proprietários pagam poucos ou nenhuns impostos – enquanto as pessoas que trabalham arduamente nos países mais pobres do mundo tentam sobreviver e 1 em cada 8 vai para a cama com fome”, adianta a ONG.

No documento, a Oxfam refere ainda que “em momentos como o atual, em que cidadãos de países ricos e pobres sofrem com a austeridade devido aos défices dos orçamentos nacionais, esse dinheiro poderia proporcionar o financiamento de serviços públicos essenciais, como saúde e educação”.

“É escandaloso que se permita que tanto dinheiro não seja sujeito a taxação, deixando de fora os indivíduos que mais têm possibilidade de pagar os bens e os serviços públicos. Muitos governos alegam que não têm alternativa senão cortar nas despesas públicas e no apoio ao desenvolvimento, mas nós descobrimos que a receita dos impostos provenientes da taxação do dinheiro escondido nos paraísos fiscais seria suficiente para acabar com a pobreza extrema no mundo por duas vezes”, avançou o representante da Oxfam Kevin Roussel.

Os números da organização apontam que “dois terços dos fundos, cerca de 9,5 biliões de euros, estão em paraísos fiscais relacionados com a União Europeia”, sendo que, do total dos 14 biliões, um terço está em paraísos fiscais britânicos.

Na sua análise, a Oxfam recorreu à lista dos EUA de paraísos fiscais, dos quais 21 estão relacionados com a UE, e dez são paraísos fiscais britânicos - Anguila, Bermudas, Ilhas Virgens Britânicas, Caimão, Gibraltar, Guernsey, Ilha de Man, Jersey, Montserrat e Turks e Caicos.

Emma Seery, chefe de Finanças do Desenvolvimento e Serviços Públicos da Oxfam, afirmou que os números obtidos pela orgnização “colocam o Reino Unido no centro de um sistema fiscal global que é uma traição colossal para as pessoas deste país e dos países mais pobres que estão a lutar para sobreviver, e posicionam o governo ao lado de uns poucos privilegiados”. “Se eles querem ficar no lado certo deste debate, agora é a hora de agir”, alertou.

A representante da ONG salientou também que "o Reino Unido e a Europa não podem ficar parados e assistir a mais pessoas transformarem-se em vítimas da austeridade, enquanto o erário público é despojado de milhares de milhões” e referiu que “a menos que a UE concorde com uma lista negra dos paraísos fiscais e defina sanções claras, teremos pouco mais do que verbos de encher por parte dos líderes".

Termos relacionados Internacional
(...)