You are here

Bloco pergunta ao Governo se subscreve declarações do “embaixador” do Impulso Jovem

Miguel Gonçalves, nomeado embaixador do ‘Impulso Jovem’ por Miguel Relvas, diz que “há muita gente em Portugal que não trabalha por que não quer” e que “há muito trabalho” no país. O Bloco de Esquerda considera que estas “afirmações, de um representante de um programa governamental, são extremamente graves e insultuosas para toda a sociedade” e pergunta ao executivo se as subscreve e se o vai manter no cargo.
Miguel Gonçalves diz que “há muita gente em Portugal que não trabalha por que não quer” e que “há muito trabalho” no país. O Bloco de Esquerda pergunta ao governo se subscreve estas afirmações e se o vai manter no cargo. Imagem da nomeação de Miguel Gonçalves “embaixador” do Impulso Jovem por Miguel Relvas e na presença de Álvaro Santos Pereira – Foto de Miguel A. Lopes/Lusa

Em entrevista ao jornal “I”, publicada nesta segunda-feira, o “embaixador” do programa Impulso Jovem, Miguel Gonçalves, afirmou que “muitos dos que estão desempregados, estão desempregados porque, ponto número um, não querem trabalhar e, ponto número dois, são maus a fazê-lo”.

Miguel Gonçalves diz ainda, sobre os desempregados: “Às vezes, as pessoas pensam que os desempregados são pessoas extraordinariamente focadas, profissionais, rigorosas, cheias de fibra, de atitude e competência. Não são. É mentira.”

O “embaixador” do Impulso Jovem contratado pelo Governo PSD/CDS-PP diz ainda: “As pessoas estão com medo por que pensam que não há trabalho. É mentira, há muito trabalho”. E insiste: Não percebo quem não quer trabalhar. E para esses, digo-te, não tenho paciência nenhuma. Não tenho problemas nenhuns em dizer que há muita gente em Portugal que não trabalha porque não quer, porque não sabe trabalhar ou porque não tem as competências necessárias”.

O grupo parlamentar do Bloco de Esquerda, numa pergunta ao ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares feita pela deputada Ana Drago, considera que estas grosseiras afirmações “de um representante de um programa governamental, são extremamente graves e insultuosas para toda a sociedade” e salienta: “Num momento em que existem 930 mil desempregados oficiais e 1,4 milhões de cidadãos afetados pelo desemprego real, é totalmente inaceitável que Miguel Gonçalves profira estas declarações”.

O Bloco sublinha que, desde que este governo tomou posse, o desemprego atingiu mais 300 mil pessoas, “ao mesmo tempo que condena meio milhão de cidadãos sem emprego a sobreviverem sem qualquer apoio social”.

Assim, o Bloco considera essencial que o ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares “esclareça se está de acordo com as declarações de Miguel Gonçalves e se irá continuar a manter este cidadão como o rosto de um programa oficial”.

E pergunta ao ministro, se concorda com as afirmações de Miguel Gonçalves, se elas “representam a posição oficial do Governo sobre os desempregados”, se “são consentâneas com o cargo num programa oficial do Governo” e se irá mantê-lo no “lugar que atualmente ocupa”.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Política
(...)