You are here

Do Fórum Social Mundial às revoltas árabes

Visto por muitos movimentos como um instrumento do passado, a simples existência do Fórum Social Mundial assinala uma das principais debilidades dos novos movimentos de protesto nascidos no marco da crise sistémica: a sua frágil coordenação internacional.
Foto Amine Ghrabi/Flickr

Tunísia, o berço das revoltas no mundo árabe, acolhe até sábado a celebração do Fórum Social Mundial (FSM), o encontro internacional mais importante de movimentos e organizações sociais. E não é casualidade. Os promotores do FSM escolheram esse país como referência da Primavera árabe, que deu lugar à emergência de novos movimentos de contestação não só no norte de África e Médio Oriente, como “contaminou”, também, o Sul da Europa, especialmente com os 'indignados' no Estado espanhol, até o movimento 'occupy' nos Estados Unidos.

Um novo ciclo de protesto que atingiu com força a cena internacional, marcada pela crise sistémica e em particular os países da periferia da União Europeia, sujeitos a duras medidas de ajustamento, cortes e endividamento. A Primavera árabe foi uma lufada de ar fresco na longa noite da crise, que permitiu recuperar a confiança na ação colectiva, no “nós”. Em janeiro do 2011, Ben Ali, presidente de Tunísia, abandonava o país pela pressão da rua. Um mês mais tarde, fevereiro do 2011, repetia-se a história: Hosni Mubarak, presidente de Egipto, renunciava e demitia-se do seu cargo, forçado pela mobilização social. O mundo árabe, tantas vezes estigmatizado pelo Ocidente, dava-nos uma lição de democracia.

Agora, o Fórum Social Mundial visita, dois anos depois, o epicentro dessas revoltas. E encontra processos políticos de mudança abertos, instáveis, caóticos. Na Tunísia, o assassinato, não casual, em fevereiro passado, de Chokri Belaïd, advogado, militante marxista e um dos líderes da Frente Popular – que aglutina diferentes organizações de esquerda que reivindicam no seu programa não apenas mais democracia como mais justiça social – marcou um ponto de inflexão. O primeiro assassinato político da jovem democracia tunisina, que representou um duro golpe para a sua sociedade e que deu lugar a novas mobilizações contra o auge da violência no país.

Tanto na Tunísia como no Egito, os processos revolucionários que emergiram continuam abertos, ainda que com um resultado incerto. As conquistas democráticas são frágeis e ainda limitadas e ainda não se conseguiram mudanças económicas relevantes. Há um braço de ferro entre entre os partidários de dar por terminada a revolução e os que a querem aprofundar e levar até às últimas consequências. Os jovens e os activistas de esquerdas, dia a dia, mostram que não estão dispostos a que a sua revolução lhes seja confiscada nem pelos vestígios do antigo regime nem pelos islamistas chegados ao poder.

Para além do debate sobre a situação da Primavera Árabe, a que se dedicaram todos os seminários e actividades do 2º dia do Fórum Social Mundial, outros temas terão particular centralidade. A luta feminista, por exemplo, com a assembleia de mulheres, mesmo antes de começar o FSM, e que, logicamente, dedicará uma parte da mesma a analisar e compartilhar o importante papel das mulheres nas revoltas árabes. Como tão bem tem retratado Leil-Zahra na sua série documental Words of Women from the Egyptian Revolution. Também o movimento internacional pela justiça climática organizará um interessante Espaço Clima, no seio do FSM, para discutir sobre as estratégias de futuro, convergências e perspectivas de um tema chave para o amanhã do planeta e da humanidade.

Desde que o Fórum Social Mundial organizou a sua primeira edição, lá num longínquo janeiro do 2001, coincidindo e fazendo contraponto à celebração do Fórum Económico Mundial de Davos, muita água passou por baixo da ponte. O FSM nasceu ao calor do movimento antiglobailzação, mais tarde convertido em movimento antiguerra, e como ponto de encontro de uma nova resistência global contra os artífices da globalização neoliberal. Após os primeiros anos, onde teve um papel importante no mapa do protesto, perdeu centralidade política, apesar dos altos índices de participação em todas as suas edições e foi apagando-se na mesma medida que  o período antiglobalização. O contexto tinha mudado e, também, a sua razão de ser.

Hoje com a abertura de um novo ciclo de protesto, depois da emergência da Primavera árabe e os movimentos de 'indignados' e 'occupiers', o Fórum Social Mundial percebe-se em parte mais como um instrumento do passado que do presente e futuro. E a sua existência assinala, ao mesmo tempo, uma das principais debilidades dos novos movimentos de protesto nascidos no marco da crise sistémica: a sua frágil coordenação internacional. Estes têm o repto de criar novos espaços de articulação a escala mundial que permitam avançar na luta comum e no intercâmbio de experiências. A ofensiva das políticas de cortes, em cada um dos países, é tão intensa e requer uma tal mobilização, que actua como um forte pólo de atração que debilita, em consequência, a coordenação para fora. Apesar de que estes novos movimentos se sentiram participantes de uma maré global que avançava desde o Norte de África passando pela periferia Europeia até chegar aos Estados Unidos, a coordenação dos ditos atores, apesar da convocação de jornadas de acção global e alguns encontros pontuas, tem sido bem mais débil.

Na actualidade, o eixo da mobilização não se encontra já na América Latina, onde, precisamente, nasceu o FSM, senão no mundo árabe e numa velha Europa terceiromundizada tão atingida pela crise como efervescente em protestos. O repto agora consiste em aprender com essas lutas que num passado não tão longínquo emergiram contra a dívida, os despejos, as privatizações… nos países do Sul. E avançar para uma imprescindível coordenação das resistências, à altura da organização implacável do capital.


 

*Esther Vivas participa no FSM em Tunísia. Artigo publicado em www.esthervivas.com

Sobre o/a autor(a)

Ativista e investigadora em movimentos sociais e políticas agrícolas e alimentares. Licenciada em jornalismo e mestre em sociologia.
política: 
fsm 2013
(...)

Resto dossier

Fórum Social Mundial 2013 na Tunísia

O esquerda.net reuniu alguns artigos e testemunhos sobre o Fórum Social Mundial que pela primeira vez juntou ativistas dos movimentos sociais no país que esteve no centro da "primavera árabe". A situação política tunisina marcou também várias análises publicadas neste dossier.

FSM 2013: Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais

A nona edição do Fórum Social Mundial terminou este sábado na capital tunisina com uma manifestação de solidariedade com a Palestina que juntou milhares de pessoas. O esquerda.net publica a Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais no FSM 2013.

A Tunísia em tempo de Fórum Social Mundial

O meu primeiro contacto com a realidade tunisina foi a participação, na tarde de 24 de Março, no comício internacional sobre a dívida organizado pela Frente Popular no Palácio dos Congressos e que se seguiu a um encontro mediterrânico sobre a dívida, questão política central, lá como cá.

Tunes: o conto de dois Fóruns Sociais Mundiais

Para o diretor da Campanha pelo Jubileu da Dívida, o FSM tem de se atualizar com urgência, para responder às necessidades de um mundo pós-primavera árabe, pós-occupy e indignados. A experiência na Tunísia mostrou bem os problemas e as oportunidades, explica Nick Dearden neste artigo.

Do Fórum Social Mundial às revoltas árabes

Visto por muitos movimentos como um instrumento do passado, a simples existência do Fórum Social Mundial assinala uma das principais debilidades dos novos movimentos de protesto nascidos no marco da crise sistémica: a sua frágil coordenação internacional.

Fórum "quente" termina com marcha em apoio à Palestina

Para Messaoud Romdhani, ativista da Liga Tunisina de Direitos Humanos e considerado um dos agentes-chave na organização do Fórum Social Mundial 2013, a mensagem transmitida na marcha final “foi clara”. “Não há hipótese de melhorias para a nossa região do Norte da África e do Oriente Médio em questões como a paz, a democracia e a justiça social sem que sejam buscadas soluções à questão palestina”, afirmou. Artigo de Maurício Hashizume, da Carta Maior.

Alda Sousa: “Fórum Social Mundial pode ser gerador de mobilizações e de solidariedades”

A eurodeputada Alda Sousa do Bloco de Esquerda encontra-se em Tunes, no Fórum Social Mundial 2013, e declarou que a realização do FSM 2013 na Tunísia é “um sinal de esperança” e uma contribuição para o desenvolvimento e a autonomia política de um país onde “nada está fechado”.

Maré humana na capital tunisina na abertura do ‘Fórum da Dignidade’

A mobilização partiu quase às 5 da tarde hora local, da Praça 14 de Janeiro, na confluência das artérias centrais Burguiba e Mohamed V, percorrendo mais de seis quilómetros até ao Estádio Menzah, onde chegou duas horas e meia mais tarde e onde se realizou uma festa popular com discursos e concertos. Por Sergio Ferrari, Adital.

Tunes: Nasceu uma Frente Comum de organizações políticas contra a dívida

É a primeira vez que uma frente deste tipo vê a luz do dia – foi, sem dúvida, um avanço histórico na luta contra a dívida. Este encontro surge como um eco inevitável do apelo lançado, em 1987, em Adis Abeba, pelo presidente Thomas Sankara e concretiza, 26 anos depois, a criação de uma frente comum contra a dívida. Artigo de Pauline Imbach (CADTM).

Progressistas da Tunísia denunciam credores e União Europeia

Front Populaire da Tunísia promoveu um encontro em Tunes contra a dívida que asfixia os países mediterrânicos, a anteceder o Forum Social Mundial. A eurodeputada Alda Sousa foi uma das representantes internacionais presentes. Artigo de Ricardo Sá Ferreira, em Tunes.

FSM 2013 chega à Tunísia dois anos depois da Primavera Árabe

A cidade de Tunes, capital da Tunísia, recebe a partir desta terça-feira (26 de março), o Fórum Social Mundial 2013. O evento, na sua 12ª edição, decorre até o próximo sábado (30 de março), e, de acordo com os organizadores, deve contar com a participação de cerca de 50 mil pessoas, principalmente de países vizinhos, da região do Magreb, e ativistas que participaram da Primavera Árabe.