You are here

Nevões fora de época estão relacionados com degelo do Ártico

A Europa e a América do Norte estão a enfrentar nevões não comuns nesta época do ano, fazendo com que muitos se perguntem: onde está o aquecimento global? A resposta já foi dada algumas vezes por diversos centros de investigação diferentes, como o Instituto Postdam, que afirmam que o degelo do Ártico é o responsável pelas frentes frias fora de época. Por Fabiano Ávila do Instituto CarbonoBrasil
Gráfico mostra a extensão de gelo marinho no Ártico nos últimos anos com relação à média entre 1979 e 2000 / NSIDC

Nesta semana novos investigadores manifestaram-se favoráveis à esta teoria.

“O degelo está a afetar as correntes de ar, que conseguem chegar mais a sul do que antigamente. O gelo marinho está a perder-se rapidamente e já é 80% menor do que era há 30 anos”, explicou Jennifer Francis, do Insituto Rutgers de Ciência Marinha e Costeira, ao jornal The Guardian.

É a mesma posição de Stephen Vavrus, do Instituto Nacional de Investigações Climáticas da Universidade de Wisconsin-Madison. “O derretimento permite que o calor do oceano escape para a atmosfera, alterando padrões de pressão, incluindo correntes de ar gelado que sopram em direção ao sul. Assim, nós recebemos mais frio e neve mesmo com as temperaturas médias anuais a ser mais elevadas do que no passado.”

A teoria ganhou ainda mais força depois que uma nova análise sobre o degelo do Ártico foi apresentada nesta semana pelo Centro Nacional de dados sobre Neve e Gelo dos Estados Unidos (NSIDC).

Segundo o NSIDC, a extensão de gelo marinho no Ártico atingiu o seu máximo neste ano no dia 15 de março, cobrindo 15,13 milhões de quilómetros quadrados. Trata-se da sexta menor extensão desde que as medições começaram a serem feitas, há 35 anos. Além disso, as 10 menores extensões já registadas aconteceram nos últimos 10 anos.

A análise ainda aponta que mesmo a região do Polo Norte que costuma estar coberta com gelo mais espesso e de múltiplas camadas, apresenta agora predominantemente um gelo muito mais fino. É apenas a segunda vez que isso acontece, a primeira foi em 2008.

“A quantidade do gelo mais espesso simplesmente colapsou. Vemos apenas resquícios dele e, até agora, não temos porque acreditar que ele vai voltar a se formar no futuro”, explicou David Titley, especialista em políticas climáticas no Ártico da marinha norte-americana.

Em 2012, a Unidade de Investigações de Potsdam do Instituto Alfred Wegener para Investigação Marinha e Polar já afirmava que a então queda das temperaturas na Europa estava ligada ao degelo do Ártico.

De acordo com os cientistas, o grande degelo está a resultar num oceano mais quente e que não consegue evitar que o calor retorne para a atmosfera. Assim, o ar sobre o oceano aquece, principalmente entre o outono e o inverno, levando a novos padrões atmosféricos.

Uma das consequências desse fenómeno aparece quando a diferença de pressão entre a região continental e o Mar do Norte fica suficientemente grande para gerar ventos húmidos que sopram com força na direção dos países europeus, trazendo grandes nevões.

Artigo de Fabiano Ávila publicado em Instituto CarbonoBrasil

Termos relacionados Ambiente
(...)