You are here

Progressistas da Tunísia denunciam credores e União Europeia

A Front Populaire da Tunísia promoveu um encontro em Tunes contra a dívida que asfixia os países mediterrânicos, a anteceder o Forum Social Mundial. A eurodeputada Alda Sousa foi uma das representantes internacionais presentes. Artigo de Ricardo Sá Ferreira, em Túnis.
Alda Sousa com com Marie-Christine Vergiat, eurodeputada do Front de Gauche e Hammim Hammami, porta-voz da Frente Popular, no fim do comício.

"Seguimos com entusiasmo a vossa luta que levou ao derrube do regime de Ben Ali", disse a representante do Bloco de Esquerda. Na sessão participaram 16 oradores de todos os continentes, testemunhando a sua solidariedade para com a luta da coligação progressista tunisina.

"Continuamos a acompanhar as vossas lutas atuais contra o desemprego e a precariedade, pelos direitos sindicais, sociais e cívicos, pelos direitos das mulheres por serviços públicos", acrescentou a eurodeputada da Esquerda Unitária (GUE/NGL).

No final da sua intervenção, Alda Sousa deixou uma mensagem e um compromisso: "lutaremos por vós, por todos e todas, como vocês lutaram por todos nós".

Front Populaire (Frente Popular) é uma recente coligação de progressista cujo líder, Chorki Benlaid, foi assassinado o mês passado, um crime que emocionou toda a Tunísia e mostrou que o caminho para a democratização plena no país é ainda muito longo e complexo, apesar da dinâmica da Primavera Árabe. A Frente Popular tem como compromisso político a democratização da Tunísia e responder às exigências dos movimentos sociais que despoletaram a Primavera Árabe.

O encontro internacional encerrou com uma intervenção de Hamma Hammami, o porta-voz da Front Populaire. Perante uma assistência de duas mil pessoas, denunciou as políticas de austeridade determinadas pela dívida e a imposição, por parte de União Europeia, de acordos de livre comércio que, se aprovados, serão um desastre económico para a população tunisina e, subsequentemente, um golpe contra a democratização da região e contra o espírito e as exigências da revolução tunisina.

O encontro promovido pela Front Populaire integrou-se na grande dinâmica que se vive já em Tunes na perspetiva dos trabalhos do Fórum Social Mundial.

 


 

Artigo publicado no portal do Bloco no Parlamento Europeu.

política: 
fsm 2013
(...)

Resto dossier

Fórum Social Mundial 2013 na Tunísia

O esquerda.net reuniu alguns artigos e testemunhos sobre o Fórum Social Mundial que pela primeira vez juntou ativistas dos movimentos sociais no país que esteve no centro da "primavera árabe". A situação política tunisina marcou também várias análises publicadas neste dossier.

FSM 2013: Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais

A nona edição do Fórum Social Mundial terminou este sábado na capital tunisina com uma manifestação de solidariedade com a Palestina que juntou milhares de pessoas. O esquerda.net publica a Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais no FSM 2013.

A Tunísia em tempo de Fórum Social Mundial

O meu primeiro contacto com a realidade tunisina foi a participação, na tarde de 24 de Março, no comício internacional sobre a dívida organizado pela Frente Popular no Palácio dos Congressos e que se seguiu a um encontro mediterrânico sobre a dívida, questão política central, lá como cá.

Tunes: o conto de dois Fóruns Sociais Mundiais

Para o diretor da Campanha pelo Jubileu da Dívida, o FSM tem de se atualizar com urgência, para responder às necessidades de um mundo pós-primavera árabe, pós-occupy e indignados. A experiência na Tunísia mostrou bem os problemas e as oportunidades, explica Nick Dearden neste artigo.

Do Fórum Social Mundial às revoltas árabes

Visto por muitos movimentos como um instrumento do passado, a simples existência do Fórum Social Mundial assinala uma das principais debilidades dos novos movimentos de protesto nascidos no marco da crise sistémica: a sua frágil coordenação internacional.

Fórum "quente" termina com marcha em apoio à Palestina

Para Messaoud Romdhani, ativista da Liga Tunisina de Direitos Humanos e considerado um dos agentes-chave na organização do Fórum Social Mundial 2013, a mensagem transmitida na marcha final “foi clara”. “Não há hipótese de melhorias para a nossa região do Norte da África e do Oriente Médio em questões como a paz, a democracia e a justiça social sem que sejam buscadas soluções à questão palestina”, afirmou. Artigo de Maurício Hashizume, da Carta Maior.

Alda Sousa: “Fórum Social Mundial pode ser gerador de mobilizações e de solidariedades”

A eurodeputada Alda Sousa do Bloco de Esquerda encontra-se em Tunes, no Fórum Social Mundial 2013, e declarou que a realização do FSM 2013 na Tunísia é “um sinal de esperança” e uma contribuição para o desenvolvimento e a autonomia política de um país onde “nada está fechado”.

Maré humana na capital tunisina na abertura do ‘Fórum da Dignidade’

A mobilização partiu quase às 5 da tarde hora local, da Praça 14 de Janeiro, na confluência das artérias centrais Burguiba e Mohamed V, percorrendo mais de seis quilómetros até ao Estádio Menzah, onde chegou duas horas e meia mais tarde e onde se realizou uma festa popular com discursos e concertos. Por Sergio Ferrari, Adital.

Tunes: Nasceu uma Frente Comum de organizações políticas contra a dívida

É a primeira vez que uma frente deste tipo vê a luz do dia – foi, sem dúvida, um avanço histórico na luta contra a dívida. Este encontro surge como um eco inevitável do apelo lançado, em 1987, em Adis Abeba, pelo presidente Thomas Sankara e concretiza, 26 anos depois, a criação de uma frente comum contra a dívida. Artigo de Pauline Imbach (CADTM).

Progressistas da Tunísia denunciam credores e União Europeia

Front Populaire da Tunísia promoveu um encontro em Tunes contra a dívida que asfixia os países mediterrânicos, a anteceder o Forum Social Mundial. A eurodeputada Alda Sousa foi uma das representantes internacionais presentes. Artigo de Ricardo Sá Ferreira, em Tunes.

FSM 2013 chega à Tunísia dois anos depois da Primavera Árabe

A cidade de Tunes, capital da Tunísia, recebe a partir desta terça-feira (26 de março), o Fórum Social Mundial 2013. O evento, na sua 12ª edição, decorre até o próximo sábado (30 de março), e, de acordo com os organizadores, deve contar com a participação de cerca de 50 mil pessoas, principalmente de países vizinhos, da região do Magreb, e ativistas que participaram da Primavera Árabe.