You are here

Greve de fome prossegue em Guantanamo

Mais de 100 prisioneiros dos EUA em Guantanamo estão em greve de fome desde 6 de fevereiro, denunciam ONG's e advogados dos detidos. Artigo de Opera Mundi.
Mais de um centena de prisioneiros de Guantánamo estão em greve da fome desde o início do ano. Foto truthout.org/Flickr

Os detidos da prisão norte-americana na baía de Guantánamo, em Cuba, estão em greve de fome há 43 dias em protesto contra o confisco de bens pessoais como fotografias, cartas e exemplares do Corão. A informação partiu de advogados dos prisioneiros, que alertam para a precariedade da saúde deles, classificada de "extremamente grave".

Segundo os defensores, a persistência da direção da prisão em manter a punição, além das já alegadas contínuas violações aos direitos humanos dos detidos, só fez aumentar o número de grevistas.

A direção da prisão fala em 14 detidos, mas a rede norte-americana NBC afirma que eles chegam a 21. A ONG Centro de Direitos Constitucionais, baseada em Nova York, afirma a greve de fome já alcança 130 dos 166 detidos.

Na última quinta-feira (14), um grupo de 51 advogados escreveu uma mensagem ao novo chefe do Pentágono (secretário de Defesa dos EUA), Chuck Hagel, pedindo que ele interviesse, após não terem obtido resposta do comando da prisão. Também não obtiveram resposta.

Segundo os advogados, a maioria dos detidos (corroborando os números da ONG norte-americana) do campo 6 (setor da prisão que possui o maior número de detidos) está em "greve de fome desde 6 de fevereiro".

"Eles realmente estão a ameaçar as suas próprias vidas num esforço heróico para expressar o seu sentido de autonomia e o seu ultraje por estarem presos no que pode ser considerada nada menos do que uma câmara de tortura medieval norte-americana", afirmou o antropólogo Mark Mason, especialista em fatores culturais causadores de sofrimento humano, em entrevista à rede russa RT. "Mais da metade deles está livre de acusações. Eles deveriam estar na rua, saírem da prisão hoje mesmo", adicionou Mason.

Testemunha ocular

O ex-detido de Guantánamo Murat Kurnaz descreveu ao RT as condições que encarou enquanto lá esteve preso, e explicou as razões por trás da greve de fome. “Fui torturado de várias formas diferentes. Não existem direitos humanos lá. Isso significa que eles podem fazer o que quiserem com a gente”, disse Kurnaz. “Eles torturaram-me para me forçar a assinar documentos e cada vez que eu recusava, eles continuavam a torturar-me de maneiras diferentes."

“Eu não consigo descrever as condições horríveis, o tratamento e a humilhação que muitos desses detidos relataram. Eles são obrigados a ficar em pé, sem roupas, em salas geladas por horas. Só isso já constitui stress físico, é uma tortura psicológica indescritível”, completou. “Eles [militares norte-americano] realmente tentam de tudo para nos quebrar, incluindo tortura física e psicológica. Eu mesmo fui torturado com eletrochoques e waterboarding [simulação de afogamento]. Presenciei ainda crianças entre nove e 12 anos dentro dos campos. É muito difícil observar essas crianças a serem espancadas à minha frente”, acrescentou”.

Kurnaz explicou que os detidos têm “vários bons motivos” para fazerem greve de fome. “É uma situação difícil, os prisioneiros querem ir ao tribunal e querem os seus direitos de volta. Eles não têm a oportunidade de ir ao tribunal ou de verem suas famílias. Eles nem têm o direito de escrever ou receber cartas”.

Por sua vez, o diretor de Relações Públicas da prisão, capitão Robert Durand, negou qualquer irregularidade no tratamento aos detidos. "Vamos continuar a levar a nossa missão de providenciar um ambiente seguro e humano”, disse em comunicado. Ele confirmou o confisco de exemplares do Corão, mas alegou motivos de segurança. Durand negou que a greve de fome tenha sido adotada pela maioria dos presos e culpa os advogados de espalharem falsas informações.

A prisão de Guantánamo, criada durante o governo do republicano George W. Bush para deter suspeitos de terrorismo, a maioria de fé islâmica - mesmo sem julgamento prévio ou autorização judicial -, tinha sido alvo de críticas, em 2008, do então candidato democrata à Presidência dos Estados Unidos, Barack Obama, que chegou a afirmar que o encerramento do estabelecimento seria o seu primeiro ato caso fosse eleito presidente. Quatro anos depois, mesmo após ter sido reeleito, nenhuma medida do governo norte-americano foi tomada nessa direção.


Artigo publicado pela Opera Mundi.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Internacional
(...)