You are here

Chipre: Taxa sobre depósitos cria confusão internacional

O gigante energético russo, Gazprom, propôs ao Presidente cipriota pagar o empréstimo de 10 mil milhões de euros. Autoridades russas contestam taxa sobre depósitos, propõem novo empréstimo e alterar condições do anterior. Parlamento cipriota adia decisão para terça-feira. Bancos cipriotas fechados toda a semana.
O povo cipriota está em choque com as medidas previstas, tendo sido marcada uma manifestação, para esta tarde, em frente ao Parlamento, para contestar as medidas propostas. Foto: EPA/FILIP SINGER

O gigante energético russo, Gazprom, propôs ao Presidente cipriota, Nicos Anastasiades, pagar o empréstimo de 10 mil milhões de euros, assumindo o plano de reestruturação bancário, em troco dos direitos de exploração das reservas de gás natural offshore, situadas na zona económica exclusiva do país.

Para além do gás e da atividade bancária, o país é usado como plataforma financeira do Mediterrâneo Oriental, e detém uma localização estratégica de portos e um forte setor turístico.

Segundo a televisão russa “Sigma TV”, a proposta da Gazprom terá sido entregue na noite do passado domingo, no seguimento das fortes críticas que o Presidente cipriota está a ser alvo, por ter aceite um programa de austeridade, que prevê a aplicação de uma taxa especial sobre depósitos bancários.

A taxa sobre os depósitos, após negociações de última hora, é de 3% para depósitos inferiores a 100 mil euros e de 12,5% para os montantes superiores. Segundo informações veiculadas na imprensa, a medida foi imposta pela União Europeia, para evitar que o dinheiro dos contribuintes sirva para resgatar as fortunas russas depositadas no Chipre, que totalizam 25% dos depósitos nacionais. Os milionários russos têm usado o país como paraíso fiscal.

O governo de Nicósia pediu um empréstimo de 17 mil milhões de euros, valor, no entanto, rejeitado pelo FMI e por alguns países da zona euro. A decisão da taxa sobre os depósitos, que prevê arrecadar 5800 milhões, terá permitido baixar o valor para 10 mil milhões. As restantes medidas de austeridade passarão por aumento de impostos às empresas e privatizações.

O porta-voz do governo cipriota, após reunião do Eurogrupo (reunião dos 17 ministros das Finanças da zona euro), que terminou na madrugada de sábado, declarou que o “país tinha sido encostado à parede” sobretudo pelo ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, pela diretora-geral do FMI, Christina Lagarde, e pelo Banco Central Europeu.

Em declarações ao primeiro canal público alemão, ARD, Schäuble apontou o dedo ao governo cipriota, à Comissão Europeia e ao BCE pela medida encontrada. Por sua vez, o ministro dos Negócios Estangeiros, o liberal Guido Westerwelle, criticou a decisão por aplicar um imposto aos aforros privados depositados na banca, outro liberal, o ministro da Saúde, Daniel Bahr, afirmou, segundo o semanário alemão Der Spiegel, que “não se pode culpar os pequenos depositantes pela crise da dívida”.

Segundo a agência de notação Moodys, no final de 2012 os bancos russos depositaram 9200 milhões de euros em bancos cipriotas, fazendo ascender o total de depósitos russos em 14600 milhões de euros. Se a medida avançar, como anunciado, os milionários russos poderão perder cerca de 1530 milhões de euros.

Numa decisão inédita na zona euro, os bancos cipriotas vão estar fechados toda a semana, até tomada de decisão definitiva por parte do Parlamento.

Reações à medida

O Presidente da Federação Russa, Vladimir Putin, classificou a medida como “injusta, incompetente e perigosa, que penaliza os depositantes”, e o primeiro-ministro, Dmitry Medvedev, classificou que “isto parece ser um simples confisco do dinheiro das pessoas”.

Entretanto, Moscovo já manifestou disponibilidade para ajudar novamente o país, estando a estudar a hipótese de conceder um novo empréstimo de 5 mil milhões de euros, em adição aos 2500 mil milhões já emprestados no passado recente.

O povo cipriota está em choque com as medidas previstas, tendo sido marcada uma manifestação, para esta tarde, em frente ao Parlamento, para contestar as medidas propostas.

Os principais mercados financeiros ressentiram-se fortemente nesta segunda-feira, as bolsas europeias negociaram em terreno negativo, as taxas de juro das dívidas soberanas dos países periféricos subiram e o euro desvalorizou face ao dólar.

Presidente do Chipre recusa ajuda russa

Fonte próxima do Presidente cipriota, declarou à imprensa do país, que Anastasiades quer uma solução europeia, tendo rejeitado a proposta russa. Em reação à intenção cipriota, o Presidente da Associação de Bancos Regionais da Rússia e membro do Banco Central Russo, Anatoly Aksakov, aconselhou os depositantes russos a retirarem o seu dinheiro do país.

O ministro das Finanças russo, manifestou a disponibilidade para alterar as condições do empréstimo, em matéria de juros e maturidades, de 2500 milhões, que concedeu há dois anos. Segundo a agência Reuters, os russos aceitam estender por mais cinco anos o vencimento e descer os juros, que atualmente estão nos 4,5%.

Parlamento do Chipre adia decisão

Os deputados, que se reuniram esta segunda-feira para votar as medidas aprovadas no Eurogrupo, decidiram adiar a votação para amanhã, terça-feira, procurando dar tempo ao Governo para introduzir alterações nas medidas, para salvaguardar os depositantes mais pequenos.

É de realçar, que o recém-eleito Presidente conservador, não tem maioria no Parlamento, precisando do apoio dos eleitos centristas, que o apoiaram na segunda volta das presidenciais, para implementar o pacote de austeridade.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Chipre na bancarrota, Internacional
(...)