You are here

Familiares das vítimas da ditadura argentina contestam o novo papa

A escolha de Jorge Bergoglio para chefiar a Igreja Católica foi recebida com indignação pelos que o acusaram de cumplicidade com o sequestro de padres e o desaparecimento de bebés durante a ditadura argentina. "Sobre este Papa que nomearam ontem apenas dizemos isto: Amen", declarou Hebe de Bonafini, da Associação das Mães da Praça de Maio.
Hebe de Bonafini recorda que as mães sempre denunciaram o papel da igreja oficial argentina durante a ditadura. Foto javi/Flickr

Pouco depois do anúncio do novo Papa Francisco, fizeram-se ouvir as vozes dos familiares das vítimas da ditadura que reprimiu os argentinos entre 1976 e 1983. Graciela Yorio, irmã de um dos sacerdotes jesuítas sequestrado e torturado pela ditadura, não escondeu a indignação e repetiu a denúncia de que Bergoglio é o “autor moral" do sequestro do seu irmão, o sacerdote jesuíta Orlando Yorio. Ele foi raptado e torturado juntamente com outro jesuíta, Francisco Jalics, durante cinco meses num dos principais centros de tortura do regime de Videla, situado na Escola de Mecânica da Marinha. 

O novo papa Francisco era o superior direto de Orlando, conta a irmã ao jornal "O Globo", acusando-o de não o ter protegido. "Como o meu irmão e Francisco Jalics não seguiram os conselhos de deixar de viver numa favela, foram expulsos da congregação pelas pressões da ditadura, que achava que eram subversivos, e posteriormente presos". Os dois sobreviveram às torturas e partiram para o exílio depois de libertados. 

Graciela recordou ainda a visita de Bergoglio à família logo após o sequestro: "Ele disse-nos que sobre Orlando não se falava mais, dando a entender que ele estava morto. Ficámos com a sensação de que ele os entregou. Quando o meu irmão e Francisco foram soltos, telefonaram para Bergoglio e ele disse-lhes que não podia ajudá-los", conta Graciela, que pretendia apresentar no tribunal de Buenos Aires novas testemunhas para a descoberta da verdade. Mas com a notícia da escola de Bergoglio para papa, "estamos destruídos, o processo não poderá mais avançar", lamenta.

"Agora que é Papa, tem de nos dizer onde estão as crianças roubadas"

Outra voz que se levanta a exigir justiça é a de Elena de la Cuadra, que há 35 anos procura a sua sobrinha nascida em cima da mesa de uma esquadra de polícia e imediatamente levada para parte incerta. "A Igreja Católica escolheu uma pessoa que para nós, familiares de vítimas da repressão exercida pelos militares, foi cúmplice de um governo genocida”, acusa.

A sua irmã Elena tinha sido raptada quando estava grávida de cinco meses e a família pediu pessoalmente ajuda a Bergoglio. “Ele escreveu uma carta pedindo a outros membros da Igreja que nos ajudassem, mas foi inútil. Terminaram dizendo-nos que a situação era irreversível, que Ana, a minha sobrinha nascida numa esquadra, estava com uma boa família, que cuidaria muito dela”.

Este foi um dos casos julgados e condenados pela justiça argentina, mas a família já tinha ficado indignada com o arcebispo de Buenos Aires quando ele veio dizer que só tinha tido conhecimento dos bebés roubados há pouco tempo. "Isso é mentira, porque ele, pessoalmente, nos recebeu durante a ditadura", lembra Estela, sublinhando que “muitos dos bebés eram distribuídos pelo Movimento de Famílias Cristãs, fortemente vinculado à Igreja”. Por isso, Estela defende que "agora que é Papa, Bergoglio tem a obrigação de nos dizer onde estão as crianças roubadas". 

Mães de Praça de Maio: "Só nos relacionamos com sacerdotes do terceiro mundo"

Em comunicado, a presidente da Associação Mães da Praça de Maio, atualmente em visita a Itália, também reagiu ao anúncio de Bergoglio para papa. "Desde o momento em que iniciámos a nossa luta, só nos relacionámos com sacerdotes do terceiro mundo. Fizemos uma lista de 150 sacerdotes assassinados pela ditadura, que a Igreja oficial silenciou, sem nunca os ter reclamado", afirma Hebe de Bonafini.

"As Mães falaram da igreja oficial quando mais ninguém falava. A igreja oficial é opressora, mas a do terceiro mundo é libertadora", prossegue a líder histórica do movimento de mães que perderam o rasto aos filhos raptados e entregues em segredo a militares, polícias e políticos do círculo da ditadura de Videla. "Continuamos a ter relação apenas com os sacerdotes do Terceiro Mundo e sobre este Papa que ontem nomearam só temos isto para dizer: Amen", conclui a nota divulgada no site da Associação das Mães da Praça de Maio.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Internacional
Comentários (1)