You are here

Catarina Martins

Coordenadora do Bloco de Esquerda. Deputada. Atriz.

Artigos do Autor(a)

2012/08/28 - 12:23am

Contratos das PPP, rendas aos produtores de eletricidade, concessão do serviço público de televisão: com este Governo, as gorduras são para continuar.

2012/07/19 - 6:46pm

A comissão parlamentar discutiu e votou na especialidade a lei do cinema proposta pelo governo. É uma lei que não cumpre as promessas nem as expectativas criadas e confirmadas pelo governo.

2012/06/14 - 5:11pm

As companhias de teatro de Coimbra, do Algarve, de Évora, de Braga, da Covilhã e de Montemuro declararam que estão à beira da extinção. Se nada for feito a Escola da Noite de Coimbra, a Acta do Algarve, o Cendrev de Évora, a Companhia de Teatro de Braga, o Teatro das Beiras da Covilhã e o Teatro de Montemuro deixarão de existir.

2012/06/05 - 12:10pm

Miguel Relvas, o Ministro com a tutela da RTP e cujos negócios privados se cruzam com os interesses de quem quer comprar a televisão pública, mantém-se.

2012/05/10 - 12:23am

A força das centenas de pessoas que se uniram nas escadarias na Assembleia da República, a olhar para um lençol cheio das imagens que são as suas, é a força de quem não desiste, não apenas da cultura, mas do país.

2012/05/02 - 3:47pm

O Pingo Doce vendeu abaixo do custo no 1º de Maio, para esmagar a concorrência e prejudicar os consumidores no futuro.

2012/04/23 - 1:05pm

Se alguém tinha dúvidas, que as dissipe: o "ímpeto reformista"do Governo é sempre o mesmo; descer o valor do trabalho e entregar à finança o que resta do Estado Social. Semana parlamentar por Catarina Martins.

2012/03/29 - 4:12pm

Explicava ontem em entrevista Passos Coelho que o défice tarifário existe porque se calcula que as empresas poderão estar a perder por o mercado não ser liberalizado. Ficção. Não perdem nada. Não existe défice tarifário; existem, isso sim, rendas excessivas.

2012/03/27 - 11:24pm

Nos últimos 10 anos, o investimento público na Cultura caiu 75% e o Estado central não gasta agora mais do que uns ridículos 0,1% do PIB na Cultura. Simultaneamente, as autarquias diminuíram os apoios, as empresas cortaram até nos apoios em géneros e o público tem cada vez menos capacidade de pagar bilhetes. 

2012/03/13 - 12:04am

A Comissão Europeia propôs um aumento de 37% dos programas para a Cultura do próximo quadro comunitário. Portugal devia estar a preparar-se para o aproveitamento eficaz desses fundos. Mas se no atual quadro já ninguém se lembra da Cultura...

Pages