You are here

Marx e Lincoln

Vicenç Navarro exagera ao afirmar que Lincoln foi altamente influenciado por Marx e outros pensadores socialistas, com os quais partilhou os seus desejos imediatos, simpatizando com eles e levando a sua postura a altos níveis de radicalismo. Por Álvaro Bianchi
Marx via Lincoln como a expressão de uma máquina política que se caracterizava por selecionar figuras completamente medíocres.

Com o lançamento do filme Lincoln, de Steven Spielberg, alguns escritores aproveitaram a oportunidade para revalorizar um aspeto comummente negligenciado pela historiografia: o apoio do movimento operário europeu e, particularmente de Karl Marx à União e à presidência de Abraham Lincoln. Essa revalorização produziu alguns argumentos claramente exagerados a respeito da relação de Marx com Lincoln. No Brasil, Augusto Buonicore, por exemplo, afirmou que para “o autor do Manifesto do Partido Comunista, Lincoln havia sido um grande estadista e um homem sensível às aspirações de seu povo.” (BUONICORE, 2013).

Vicenç Navarro foi além e, a partir de algumas ideias de John Nichols (2012) e Robin Blackburn (2011), chegou a afirmar que “não há dúvidas de que [Lincoln] foi altamente influenciado por Marx e outros pensadores socialistas, com os quais partilhou os seus desejos imediatos, claramente simpatizando com eles e levando sua postura a altos níveis de radicalismo no seu compromisso democrático.” (NAVARRO, 2013.) Paradoxalmente essa afirmação não está muito distante daquela dos revisionistas neoconfederados, os quais acusaram Lincoln de estar sob a influência do comunismo (KENNEDY; BENSON, 2007) e de ter aplainado o caminho para o intervencionismo estatal na economia e a intromissão legislativa na vida privada, que teriam solapado as bases da liberdade nos Estados Unidos (cf. p. ex. DILORENZO, 2003).

Escravidão e emancipação

Marx conhecia a insistência com a qual Lincoln afirmou nos primeiros meses do conflito que a guerra não era contra a escravidão e sim em defesa da União. Desejoso de manter o apoio dos membro do Partido Democrático do Norte e neutralizar os escravistas dos estados fronteiriços – Delaware, Maryland, Virginia, North Carolina, Kentucky, Tennessee, Missouri e Arkansas – o presidente dos Estados Unidos postergou o conflito ao máximo e repetidas vezes afirmou a intenção de manter a escravidão nos estados nos quais ela já era legalmente reconhecida.1

Marx e Engels consideravam que a relutância em conduzir uma guerra revolucionária contra os escravistas assentava as suas raízes no embuste da democracia “burguesa”. A permanente necessidade de conciliar os interesses das diversas frações das classes dominantes no âmbito parlamentar, dentre as quais as forças escravistas existentes no Norte e nos territórios fronteiriços, levou o governo a adiar ao máximo a emancipação dos escravos nos territórios confederados e a criar regimentos de negros livres e armados. Lincoln, cumpria, desse modo, o papel que lhe era exigido e para o qual era talhado.

No dia 1º de setembro de 1861, o New York Daily Tribune publicou a proclamação do general John Charles Frémont na qual era anunciado o confisco das propriedades dos habitantes do Missouri que apoiassem a Confederação e a emancipação dos escravos dos rebeldes. O presidente Lincoln havia instruído Frémont a decretar a libertação apenas dos escravos que tivessem sido utilizados pelos confederados nos combates, mas o general foi além e declarou a emancipação de todos, despertando a ira de Washington. Os protestos dos escravistas dos estados fronteiriços, como o Kentucky, fizeram o governo revogar o decreto de Frémont e demiti-lo do posto de comandante-em-chefe do Missouri (MECW, v. 19, p. 51).

A contraposição que Marx fez entre as personalidades de Fémont e Lincoln, quando o primeiro foi demitido do seu cargo, em novembro de 1861, permite reconstruir de modo mais preciso a sua opinião a respeito do presidencialismo norte-americano e do seu principal mandatário. Longe de apresentá-lo como um “grande estadista”, para os leitores de Die Presse, Marx via Lincoln como a expressão de uma máquina política que se caracterizava por selecionar figuras completamente medíocres:

“Durante as duas últimas décadas, desenvolveu-se nos Estados Unidos a prática singular de não eleger para a presidência um homem que ocupasse uma posição de autoridade no seu próprio partido. Tais homens, é verdade, foram utilizados para manifestações eleitorais, mas assim que se passava a assuntos importantes, eles eram retirados e substituídos por mediocridades desconhecidas, influentes apenas localmente. Desta maneira Polk, Pierce, Buchanan, etc, tornaram-se presidentes. Da mesma forma Abraham Lincoln. O general Andrew Jackson foi de facto o último presidente dos Estados Unidos que devia o seu posto à sua importância pessoal, enquanto todos os seus sucessores deviam isso, pelo contrário, à sua insignificância pessoal.” (MECW, v. 19, p. 86.)2[2]

Ao contrário do impetuoso Frémont, o presidente eleito dos Estados Unidos era absolutamente previsível, movendo-se sempre, como um advogado do interior, nos estreitos limites da Constituição e recusando o conflito aberto contra os escravistas: “Lincoln, de acordo com a sua tradição jurídica, tem aversão por todo o génio, ansiosamente apega-se à letra da Constituição e envergonha-se de todo o passo que possa prejudicar ‘leais’ senhores de escravos dos estados fronteiriços.” (MECW, v. 19, p. 87).

A opinião de Marx não mudou sequer quando teve notícia da proclamação da emancipação dos escravos dos estados confederados, em setembro de 1862. Pelo contrário, não deixou de perceber na declaração a hesitação típica do presidente:

“A figura do presidente Lincoln é sui generis nos anais da história. Sem iniciativa, sem eloquência, sem altivez, sem roupagem histórica. Ele sempre apresenta os atos mais importantes da maneira mais insignificante possível. (…) Hesitante, resistente, relutante, ele marca a aura de bravura do seu papel como se tivesse que pedir perdão pelas circunstâncias que o forçaram ‘a ser um leão’.” (MECW, v. 19, p. 250.)

A AIT e a guerra civil americana

Essa atitude cética para com as instituições dos Estados Unidos e o seu presidente não impediram Marx e Engels de procurarem pressionar o movimento abolicionista e o próprio Lincoln em direção à guerra revolucionária. É nessa perspetiva que deve ser lida a surpreendente mensagem que a recém-fundada Associação Internacional dos Trabalhadores (AIT), enviou ao presidente dos Estados Unidos. A redação de uma mensagem de apoio a Lincoln havia sido proposta por Dick e Howell, membros do Conselho Central da AIT na reunião do dia 22 de novembro. Marx parece não ter ficado muito satisfeito com a proposta e de ter que redigir a carta, como dá a entender a Engels, numa carta de 2 de dezembro de 1864:

“A Mensagem para Lincoln está agora na agenda novamente, e novamente eu tive que compor a coisa (que é muito mais difícil do que escrever um trabalho adequado), na medida em que a fraseologia para esse tipo de escrita é limitada, mas ela está pelo menos distinguível da fraseologia vulgar-democrática” (MECW, v. 42, p. 49.)

O texto de Marx foi aprovado pelo Conselho Central no dia 29 de novembro, depois de intensa discussão. Alguns queriam que, de acordo com a tradição predominante na Inglaterra, a mensagem a Lincoln fosse encaminhada por um parlamentar. Mas essa proposta foi derrotada. Também foi derrotada a proposta de Le Lubez, o qual propôs que a mensagem fosse endereçada ao povo dos Estados Unidos e não ao seu presidente (idem). William R. Cramer, secretário da AIT, utilizou os seus contactos com o governo dos Estados Unidos para fazer a carta chegar ao seu destinatário.

A mensagem redigida por Marx logo após a vitoriosa reeleição de Lincoln e expressa a opinião de que num segundo mandato o presidente poderia assumir “uma plataforma muito mais radical”: “Congratulamos o povo da América pela sua reeleição por larga maioria. Se a resistência ao Poder Escravista foi a palavra de ordem reservada da sua primeira eleição, o grito de guerra triunfal da sua reeleição é Morte à Escravidão.” (MECW, v. 20, p. 19.) A mensagem da AIT revela que Marx havia passado a considerar, ou pelo menos a tornar explícito, o nexo existente entre a emancipação do trabalho e o fim da escravidão. Sem a emancipação dos negros, a exploração dos trabalhadores assalariados não poderia ter um fim. A libertação dos escravos era, assim, uma condição para a emancipação de todos os trabalhadores do mundo:

“Enquanto os trabalhadores, as verdadeiras forças políticas do Norte, permitirem que a escravidão contamine a sua própria república, enquanto perante o negro, dominado e vendido sem a sua anuência, os trabalhadores de pele branca ostentem a mais alta prerrogativa do trabalhador de venderem-se a si mesmos e escolherem os seus próprios mestres, eles serão incapazes de atingir a verdadeira liberdade de trabalho, ou de apoiar os seus irmãos europeus na sua luta pela emancipação, mas essa barreira ao progresso tem sido varrida pelo mar vermelho de guerra civil.” (MECW, v. 20, p. 20.)

Marx esperava que assim como a guerra de independência dos Estados Unidos havia revitalizado a burguesia europeia, a guerra anti-escravista na América fortalecesse a luta das classes trabalhadoras europeias. A mensagem era concluída de modo dramático:

“Eles [os trabalhadores] consideram uma dádiva da época que tenha sido Abraham Lincoln, o dedicado filho da classe trabalhadora [the single-minded son of the working class], quem conduziu o país através da árdua luta de resgate de uma raça acorrentada e de reconstrução de um mundo social.” (MECW, v. 20, p. 20.)3

A resposta veio por meio de uma carta, assinada pelo embaixador dos Estados Unidos na Inglaterra, Charles Francis Adams. O embaixador informava na carta que Lincoln havia recebido a mensagem e que expressava, em caráter pessoal, o desejo de provar-se merecedor da confiança recebida de “tantos amigos da humanidade e do progresso ao redor do mundo” (MARX, 1972. p. 238). Embora cuidadosamente reafirmasse abster-se de todo propagandismo e intervenção ilegal, Lincoln, nas palavras do embaixador, afirmava:

“As nações não existem por si só, mas para promover o bem-estar e a felicidade da humanidade por meio de relações benevolentes e do exemplo. É nesta relação que os Estados Unidos consideram a sua causa no presente conflito com a escravidão, mantendo a insurgência como a causa da natureza humana, e derivam novos incentivos para perseverar dos testemunhos dos trabalhadores da Europa de que a atitude nacional recebe a sua aprovação esclarecida e as suas simpatias sinceras.” (MARX, 1972, p. 239-240.)

O governo dos Estados Unidos estava ciente de que o único apoio que recebera durante a guerra havia sido proveniente das classes trabalhadoras, as quais haviam participado ativamente das manifestações contrárias a uma intervenção da coroa inglesa no continente americano. Por essa razão, manifestou o seu reconhecimento do apoio recebido pelos trabalhadores europeus. Apesar de suas reticências iniciais, Marx festejou a resposta de Lincoln à AIT e o facto das manifestações das associações e clubes da burguesia britânica terem sido praticamente ignoradas, numa carta endereçada a Engels em fevereiro de 1865, cheia de sarcasmo: “A propos. O facto de Lincoln nos responder de forma tão cortês, e tão bruscamente e de modo puramente formal à ‘Sociedade pela Emancipação Burguesa’ deixou The Daily News tão indignado que não publicaram a resposta a nós. (…) Você pode imaginar quão gratificante foi isso para o nosso pessoal” (MECW, v. 42, p. 86.)

Poucos meses depois, o presidente Lincoln foi assassinado e Andrew Johnson assumiu a presidência. Repercutindo o sucesso da carta anterior, o Conselho Central da AIT decidiu no dia 2 de maio mandar uma carta ao novo presidente. Marx mais uma vez redigiu o texto, o qual foi aprovado na reunião do dia 9 de maio e despachado logo a seguir por intermédio do embaixador Charles Adams. Embora a guerra já estivesse decidida, o momento era de grande intensidade dramática e a direção na qual a reconstrução seria realizada era ainda incerta. Desta vez, o autor da mensagem carregou nos tons, escreveu um texto fortemente emotivo e foi mais condescendente do que nas vezes anteriores com o presidente Lincoln, o qual agora era apresentado como um mártir:

“Mesmo os sicofantas que, ano após ano, e dia após dia, exerceram o seu trabalho de Sísifo de assassinar moralmente Abraham Lincoln e a República que ele dirigiu, estão agora horrorizados com essa explosão universal do sentimento popular, e rivalizam uns com os outros em espalhar flores retóricas sobre o seu túmulo aberto. Finalmente eles descobriram que era um homem, que não poderia ser intimidado pela adversidade, nem intoxicado pelo sucesso, conduzindo-se inflexivelmente para o seu grande objetivo, nunca o comprometendo pela pressa cega, maturando lentamente os seus passos, nunca voltando atrás, jamais se afastando da onda de fervor popular, nunca desanimando com o afrouxamento do impulso do povo, temperando o rigor com o calor de um coração bondoso, iluminando cenários escuros com paixão pelo sorriso de humor, fazendo com humildade e simplicidade o seu trabalho titânico, enquanto os governantes nascidos no céu costumam ornamentar as pequenas coisas com a grandiloquência da pompa e do estado; numa palavra, um dos raros homens que conseguiu tornar-se grande, sem deixar de ser bom. Essa, na verdade, era a modéstia deste homem grande e bom, no qual o mundo só descobriu um herói depois de ter caído como mártir.” (MECW, v. 20, p. 99.)

A carta é claramente exagerada, mas também tinha um forte conteúdo político e procurava apontar a direção que a AIT desejaria que fosse tomada no “árduo trabalho de reconstrução política e regeneração social” (MECW, v. 20, p. 100). Nas suas linhas finais, a missiva deixava o tom emotivo e grandiloquente, bem como afastava-se definitivamente da fraseologia “vulgar-democrática” e afirmava decididamente a bandeira da AIT: a emancipação dos trabalhadores. Mais uma vez, Marx destacou as origens sociais do presidente:

“Um profundo senso de sua grande missão poderá salvá-lo de qualquer transigência com os duros deveres. Você nunca esquecerá que para iniciar a nova era da emancipação do trabalho, o povo americano depositou as responsabilidades da liderança sobre dois homens de trabalho – Abraham Lincoln, um, Andrew Johnson, o outro” (Idem.)

Essa carta ficou, entretanto, sem resposta e logo as esperanças dos seus signatários viram-se frustradas. Marx rapidamente passou a desconfiar do novo presidente e cerca de um mês depois da mensagem da AIT a Johnson já manifestava a Engels as suas reservas e via a reação avançar:

“A política de Johnson não me agrada. Uma ridícula afetação de severidade para com indivíduos; até então excessivamente vacilante e fraco quando se trata de agir. A reação já está posta na América e em breve se fortalecerá muito se a atual atitude indolente não for deixada para trás imediatamente.” (MECW, v. 42, p. 163).

As desconfianças tornaram-se oposição aberta e, em novembro de 1866, Marx escreveu a François Lafargue comemorando a derrota eleitoral de Johnson e concluindo: “Os trabalhadores do Norte finalmente compreenderam plenamente que os trabalhadores brancos nunca se emanciparão enquanto os trabalhadores negros forem ainda estigmatizados.” (MECW, v. 42, p. 334). A reação empreendida por Johnson tornava essa perspetiva mais distante e a reação de Marx mais violenta contra ele. Em agosto de 1867 escreveu ao editor do Le Courrier Français, Auguste Vermorel, protestando contra o tratamento benevolente que esse jornal dispensava a Johnson e chamando o presidente dos Estados Unidos de “uma ferramenta suja dos escravocratas” (MECW, v. 42, p. 414).

As esperanças que Marx e Engels haviam depositado na guerra civil encontravam-se, assim, definitivamente frustradas. A guerra, embora tenha conduzido à derrota dos escravistas, permaneceu como uma revolução truncada. O seu resultado foi, assim, uma emancipação mitigada. A segregação racial que assentou as suas bases após o fim da guerra manteve os trabalhadores afrodescendentes sob grilhões e os trabalhadores negros e brancos sob o garrote do capital. Marx estava certo sobre a vitória do Norte sobre a qual Engels tantas vezes duvidou. Mas este acertou sobre o resultado mais geral do conflito. A “contrarrevolução democrática” finalmente triunfou mas, paradoxalmente, depois da vitória militar dos capitalistas do Norte.

Referências bibliográficas

BUONICORE, Augusto. Marx, Lincoln e a Guerra Civil Americana. Disponível em: http://grabois.org.br/portal/noticia.php?id_sessao=8&id_noticia=10390.

DILORENZO, Thomas J. The real Lincoln: a new look at Abraham Lincoln, his agenda, and an unnecessary war. New York: Three Rivers, 2003.

KENNEDY, Walter; BENSON, Alan. Red Republicans and Lincoln’s Marxists: Marxism in the Civil War. New York: iUniverse, 2007.

LINCOLN, Abraham. Lincoln on race and slavery: edited and introduced by Henry Louis Gates, Jr. coedited by Donald Yacovone. Princeton: Princeton University, 2009.

MARX, Karl. On America and the Civil war. New York: McGraw-Hill, 1972.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Collected works. New York: International, 1975, 50 v. (Citado como MECW.)

NAVARRO, Vicenç. Lo que la película Lincoln no dice sobre Lincoln. Disponível em: <http://www.vnavarro.org/?p=8339>. Acesso em: 1 fev. 2013.

NICHOLS, John. Reading Karl Marx with Abraham Lincoln Utopian socialists, German communists, and other republicans. Political Affairs. 27 Nov. 2012. Disponível em: <http://www.politicalaffairs.net/reading-karl-marx-with-abraham-lincoln-u.... Acesso em: 1 fev. 2013.

fevereiro 13th, 2013

Publicado em Blog Convergência

1 Explicando a John A. Gilmer suas a respeito do programa do Partido Republicano, Lincoln escreveu: “Eu não pensei em recomendar a abolição da escravatura no Distrito de Columbia, nem o do tráfico de escravos entre os estados, mesmo em condições indicadas, e se eu fizesse tal recomendação, é bastante claro que o Congresso não poderia segui-la.” (LINCOLN, 2009, p. 212). Sobre o reconhecimento da escravidão no estados em que já era aceita, Lincoln escreveu: a Gilmer: “Você pensa que a escravidão é certa e deve ser prolongado; nós pensamos que é errada e deve ser restrita. Mas isso não é motivo para nos zangarmos um com o outro.” (Idem.)

2 Obviamente, Marx era mais cuidadoso com as palavras usadas quando se dirigia ao público dos Estados Unidos. Uma das limitações das recentes análises é, justamente, não perceber essa diferença.

3 À luz dos textos anteriormente citados, nos quais Marx menciona a mediocridade de Lincoln, percebe-se uma boa dose de ironia nessa definição do presidente como “the single-minded son of the working class”. Literalmente single-minded é aquele que possui uma única coisa na cabeça.

(...)

Resto dossier

Lincoln

O filme de Steven Spielberg despertou o interesse sobre um dos mais importantes personagens da história da América do Norte, no momento em que o jovem país vivia a sua segunda revolução, após a da independência. Motivo mais que suficiente para publicar este dossier, que apresenta diferentes e polémicos pontos de vista sobre o filme, o papel de Lincoln na abolição da escravatura, e as influências de Marx. Dossier organizado por Luis Leiria.  

O grande intransigente

Há quem veja “Lincoln” como uma fábula sobre Washington dos dias de hoje – com Lincoln a desempenhar o papel de Barack Obama – e as manobras para pôr um fim legal ao crime histórico que foi a escravatura como nada mais que o equivalente à cínica foto da campanha de Obama com o governador de New Jersey, Chris Christie, depois do furacão Sandy. Mas está total e redondamente enganado. Por Alan Maass, do Socialist Worker.

O mau serviço de “Lincoln”

A crítica de Alan Maass ao filme de Spielberg (“O grande intransigente”) acrescentou alguma complexidade à discussão deste filme excelente – mas com falhas profundas como relato histórico. Por Charlie Post

Qual foi o papel de Lincoln?

Na sua resposta ao meu artigo O grande intransigente, Charlie Post (O mau serviço de “Lincoln”) pergunta o seguinte: como teriam os socialistas reagido “a um filme sobre a organização dos sindicatos industriais da década de 1930 que apenas olhasse as deliberações do Supremo Tribunal dos Estados Unidos?” Mas eu respondi a esta questão. Por Alan Maass.

O problema de “Lincoln”, de Steven Spielberg

O fim da escravatura não se deu porque Lincoln e a Câmara dos Representantes votaram a favor da Décima Terceira Emenda, mas sim porque os escravos estavam a apossar-se da sua liberdade. A escravatura estava a extinguir-se no terreno, mas o filme não aborda essa perspetiva. Por Jon Wiener, The Nation.

A emenda que aboliu a escravatura

Conheça o texto da décima terceira emenda à Constituição dos Estados Unidos.

O que o filme de Spielberg não diz sobre Lincoln

O filme narra como esse presidente lutou contra a escravidão e pela transformação dos escravos em trabalhadores. O que a obra cinematográfica não conta, porém, é que Lincoln também lutou por outra emancipação: que os escravos e os trabalhadores em geral fossem senhores não apenas da sua atividade em si, mas também do produto resultante de seu trabalho. Por Vicenç Navarro

Marx e Lincoln

Vicenç Navarro exagera ao afirmar que Lincoln foi altamente influenciado por Marx e outros pensadores socialistas, com os quais partilhou os seus desejos imediatos, simpatizando com eles e levando a sua postura a altos níveis de radicalismo. Por Álvaro Bianchi

A Abraham Lincoln, Presidente dos Estados Unidos da América

A Mensagem da Associação Internacional dos Trabalhadores ao presidente Abraham Lincoln dos Estados Unidos, por ocasião da sua reeleição, foi redigida por Karl Marx, por decisão do Conselho Geral.

Lincoln e a escravidão: Nem tanto ao céu, nem tanto à terra

Os documentos históricos permitem-nos pensar que ainda que a emancipação geral tenha sido um ganho político do seu governo, Lincoln e muitos dos seus aliados não acreditavam na convivência pacífica entre brancos e negros em liberdade. Não se reconhecia nos afro-americanos os mesmos direitos sobre a formação nacional que tinham os homens brancos. Por Maria Clara Sales Carneiro Sampaio, investigadora da Universidade de São Paulo

Lincoln de Spielberg, Karl Marx e a Segunda Revolução Americana

O “Lincoln” de Steven Spielberg transcorre num único mas crucial mês da Guerra Civil dos EUA, um conflito equivalente a uma segunda revolução americana. Em janeiro de 1865, quando faltavam poucos meses para a vitória da União sobre a Confederação, o presidente Abraham Lincoln decidiu fazer aprovar a Décima Terceira Emenda à Constituição dos EUA, para a abolição da escravatura sem condições e sem indemnização aos proprietários de escravos. Por Kevin Anderson