Luís Monteiro

Luís Monteiro

Museólogo. Investigador no Centro de Estudos Transdisciplinares “Cultura, Espaço e Memória”, Universidade do Porto

Na AR, o PS votou ao lado de PSD e CDS e impediu aprovação das propostas do PCP e do Bloco sobre o valor das propinas no Ensino Superior Público.

Pela primeira vez, ao fim de duas décadas onde a praxe hegemonizou o espaço da chamada “vivência académica”, temos a oportunidade de ensaiar modelos alternativos que recebam os novos alunos.

Findo este ano letivo, impõe-se a pergunta à comunidade académica: começamos agora a trilhar um novo rumo para o ensino superior ou vamos estar, como escreveu Samuel Beckett, Eternamente à espera de Godot?

Tenho para mim que a ideia de que existe uma praxe boa é puro voluntarismo sem efeitos práticos. A praxe representa um mecanismo distorcido de integração a partir da exclusão.

Passados oito anos do início da crise financeira, a Islândia torna-se, novamente, notícia na Europa e no mundo. O governo islandês está novamente manchado por escândalos financeiros.

As centenas de docentes que anseiam pela prorrogação deste regime transitório não podem continuar à espera. A aplicação da prorrogação só surtirá efeito se realmente acontecer agora.

Talvez um dia conheçamos, por escrito, exatamente o que saiu do congresso do CDS.

The Right hasn’t proposed any amendments to the new state budget because its idea of an alternative is endless austerity. By Luís Monteiro.

A Direita não apresenta propostas de alteração ao Orçamento de Estado porque a sua verdadeira alternativa é a austeridade infinita.

O combate político não se centra numa quezília entre as cidades do Porto e Vigo, nem num qualquer regionalismo bacoco que põe o Porto contra Lisboa sem apurar o verdadeiro problema.