You are here

Concentração também é marca dos média franceses

Os meios de comunicação na França estão regulados por uma série de leis e instâncias de controle, por um forte consenso entre amplos setores do poder e dos meios, em particular no que se refere ao jornalismo político e, sobretudo, pelas multinacionais. Esses meios de comunicação não escapam, porém, à lógica da concentração, estando em mãos de uns quatro grupos, frequentemente multinacionais. Por Eduardo Febbro.
O grupo Bouygues é proprietário da TFI, que é o primeiro canal europeu em termos de difusão. Foto de Gabyu — Gabriel

Paris - Os tempos dos escritores como Emile Zola ou Albert Camus e dos jornais e revistas livres fazem parte da memória histórica dos grandes períodos da liberdade de imprensa. Esses tempos forjaram uma mitologia que já não tem nada a ver com o presente. Os meios de comunicação em França estão regulados por uma série de leis e instâncias de controle, por um forte consenso entre amplos setores do poder e dos meios, em particular no que se refere ao jornalismo político e, sobretudo, pelas multinacionais.

Os meios de comunicação franceses não escapam à lógica da concentração. Os grandes canais de televisão privada como a TFI pertencem a gigantescos grupos industriais, em cuja cabeça estão empresas que controlam vários setores: rádio, televisão, imprensa escrita, internet, redes de telefonia móvel, comércio de armas, moda e edição.

O grupo Bouygues, por exemplo, é proprietário da TFI, que é o primeiro canal europeu em termos de difusão e ingressos por publicidade. Mas Bouygues é igualmente um líder mundial na realização de trabalhos públicos, possui uma empresa associada de telemóveis. O grupo Pinault é também proprietário da cadeia de distribuição FNAC – livros, música e produtos tecnológicos – e também das célebres Galéries Printemps, do semanário Le Point e da rádio televisão especializada em economia BFM. Um exemplo similar é o do grupo Arnault, proprietário, entre outras coisas, do jornal económico La Tribune, o semanário Investir e de LVMH, Louis Vuitom – Alta Costura – e Moët-Henessy, licores.

A Vivendi é igualmente um dos atores centrais dos meios de comunicação e um perfeito exemplo de concentração. Esta multinacional especializada na comunicação e nas plataformas interativas possui o estúdio de jogos digitais Activision Blizzard, a produtora musical Universal Music Group, o operador de telefonia francês SFR, o operador marroquino Maroc Telecom, o brasileiro GVT e o grupo de televisão Canal+. Entretanto, a Vivendi é, antes de tudo, uma multinacional que administra o abastecimento de água e transportes. A concentração é, na França, um caso extremo e, apesar das leis europeias anti-trust, nada tem evitado este esquema.

O grupo Lagardère é outro exemplo de acumulação em sentido único: esta empresa presente nuns 30 países é proprietária do semanário Paris-Match, a revista para mulheres Elle, o Journal du Dimanche, duas rádios e um canal de televisão. A lista é interminável: a multinacional alemã Bertelsmanm controla tanto o canal M6 como o grupo de rádio televisão RTL, um dos mais importantes do Velho Continente. Antigamente dirigida por empresários pequenos e até por artesãos, a imprensa escrita tampouco escapa deste modelo de hiperconcentração.

O grupo de construção e venda de armas Dassault – aviões de combate, helicópteros – é proprietário do jornal Le Figaro – direita — e dos semanários L’express e Valeurs Actuelles, além de um número elevado de jornais regionais. Um gráfico dos meios de comunicação em França – imprensa escrita, rádio e televisão — mostraria que estes estão em mãos de uns quatro grupos, frequentemente multinacionais que investiram no setor da imprensa nos anos 90. Quase ninguém escapa desta regra, nem sequer o jornal de esquerda Libération, cujo acionista maioritário (38%) é Édouard de Rothschild, uma das grandes fortunas da França que pouco ou nada tem que ver com os valores que supostamente defende este periódico.

Com o célebre vespertino Le Monde ocorre o mesmo. Os seus acionistas maioritários são o trio composto pelo milionário Pierre Bergé – Alta Costura –, o homem de negócios Matthieu Pigasse e o proprietário da empresa de telefonia móvel Xavier Niel (Free). Le Nouvel Observateur, o outro grande semanário da esquerda francesa, está igualmente em mãos de industriais: Claude Perdriel – grupo industrial SETMA, fabrica banheiras e produtos para banho.

Não existem, em França, meios de comunicação escrita onde o Estado seja um acionista decisivo. Participa sim, entretanto, com ajudas pontuais para alentar as publicações que sofrem grandes dificuldades económicas. Isto concerne à maioria dos jornais e revistas. A crise da imprensa escrita também golpeou a França. A única diferença com outros países da Europa – Alemanha ou Espanha – radica em que os meios escritos de França entraram em crise faz alguns anos e procederam com antecipação aos despedinmentos de pessoal. Através do “Fundo estratégico para o desenvolvimento da imprensa”, os poderes públicos participam no desenvolvimento dos meios. O dito fundo consta de vários ramos que vão desde ajudas diretas, a redução de impostos até um fundo específico a favor do pluralismo: “o fundo de ajuda aos jornais nacionais de informação política e geral com escassos recursos publicitários”. Os meios de comunicação alternativos não contam com uma lei ou ajuda específica. Não obstante, segundo sua inclinação ideológica, vivem da publicidade, da venda e também graças às subvenções pontuais do Estado.

Chega-se aqui a um paradoxo maior: a imprensa está dirigida por enormes multinacionais e, entretanto, o Estado intervém com fundos para apoiar esses meios quando estão em apuros. A publicidade estatal não tem na França o peso que se conhece em outras partes do mundo. O Estado é sim, entretanto, um ator decisivo no rádio e na televisão. Os canais estatais Antenne 2 e FR3 dependem do financiamento público direto, o mesmo acontece com as rádios France Inter, RFI, France Musique, France Culture, FIP ou France Info.

A influência do Estado é neste setor muito importante já que, em especial no campo da televisão, é o poder político quem nomeia os diretores dos canais ou das emissoras. Nestas condições globais, a liberdade da imprensa é, em principio, total. Não obstante, a sua vigência está condicionada antes de tudo pelos interesses que defendem os grupos aos quais pertencem os meios de comunicação.

Publicado na Carta Maior

(...)

Resto dossier

Argentina combate concentração dos média

Sexta 7/12 era apontado como o dia D para democracia nos meios de comunicação na Argentina. Nessa data terminava o prazo para que os grupos de comunicação apresentassem planos para se adequar à lei de meios audiovisuais, de 2009, que limita a concentração dos média. Previa-se uma guerra aberta entre o Grupo Clarín – que sempre se recusou a cumprir a lei – e o governo. 

Principais medidas da lei de meios audiovisuais

Limites de licenças, limite de cobertura, quotas de programação nacional e local, apoio obrigatório ao cinema argentino: eis um resumo das principais medidas, retirado do estudo “Argentina: nova lei dos meios audiovisuais”, de 2009, da autoria de Bernardo Felipe Estellita Lins, da Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados do Brasil.

Quem é quem nos média argentinos

Um panorama das empresas e dos meios de comunicação social na argentina, retirado do estudo “Argentina: nova lei dos meios audiovisuais”, de 2009, da autoria de Bernardo Felipe Estellita Lins, da Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados do Brasil.

Juízes financiados pelo Clarín sabotam 7D

Magistrados prorrogaram a medida que mantém suspenso o artigo 161 da Lei de Meios Audiovisuais “até que se dite uma sentença definitiva”, adiando o confronto do governo com o grupo Clarín, que se recusa a aplicá-la. Por Leonardo Wexell Severo e Vanesssa Silva, ComunicaSul - Comunicação Colaborativa.

A Argentina e a reta final da nova lei de meios

O nó agora é saber o que acontecerá caso o Clarín não apresente a sua ‘proposta de adequação’ à noca lei. O governo afirmou que ‘os grupos que não apresentem a sua proposta voluntariamente estarão fora da lei’. E que, então, só restará notificá-los judicialmente e retirar-lhes as licenças, que serão levadas a leilão. Por Eric Nepomuceno, Carta Maior

Guerra de vídeos entre governo e “Clarín”

Presidente Cristina Kirchner estende a batalha política com o Grupo Clarín, que já ocupava o conteúdo dos principais meios de comunicação do país, ao intervalo comercial. Por Maria Martha Bruno, do UOL, em Buenos Aires.

“Lei de Meios” é modelo, diz relator da ONU

A lei argentina é muito avançada, “um modelo para todo o continente e para outras regiões do mundo”, disse Frank La Rue, relator especial das Nações Unidas para a Liberdade de Opinião e de Expressão, referindo-se à Lei de Serviços de Comunicação Audiovisual. Página/12

Bloco de Esquerda tem insistido no combate à concentração dos média em Portugal

Bloquistas têm-se batido contra a concentração das empresas de comunicação social, considerando que esta põe em risco o pluralismo, a liberdade de imprensa e a própria democracia. 

Concentração também é marca dos média franceses

Os meios de comunicação na França estão regulados por uma série de leis e instâncias de controle, por um forte consenso entre amplos setores do poder e dos meios, em particular no que se refere ao jornalismo político e, sobretudo, pelas multinacionais. Esses meios de comunicação não escapam, porém, à lógica da concentração, estando em mãos de uns quatro grupos, frequentemente multinacionais. Por Eduardo Febbro.

Debate sobre nova regulação divide imprensa britânica

Há os que aceitam a necessidade de um sistema qualitativamente diferente do atual, ainda que sem um regulador externo (centro-esquerda, The Guardian, The Independent) e os que buscam uma autorregulação, mas dominada ainda pelos diretores dos jornais (grupo Murdoch e imprensa de direita). Por Marcelo Justo, para a Carta Maior.

A regulação dos média na América Latina

O debate sobre a regulação dos meios de comunicação gera controvérsias em todo o continente. De um lado, movimentos sociais desejam estabelecer novas regras de funcionamento a um setor que se modifica rapidamente. De outro, empresas acusam tais articulações de quererem uma volta da censura. O que há por trás de cada formulação? Por Gilberto Maringoni e Verena Glass, Revista Desafios do Desenvolvimento/IPEA