You are here

O país amanheceu paralisado

A noite e a madrugada da Greve Geral desta quarta-feira indicam uma adesão significativa dos trabalhadores ao protesto contra a austeridade e o orçamento do assalto fiscal. Transportes, hospitais e comunicações com adesões a rondar os 100 por cento.

Distrito de Lisboa

Segundo a União de Sindicatos de Lisboa, registam-se elevadas adesões nos Hospitais e Centros de Saúde, nos Serviços Municipalizados da recolha do lixo e limpeza urbana; nos transportes ferroviários, fluviais e Metropolitano; nos correios e telecomunicações; nos sectores industriais (Portugal Ibéria, Europack; Cobert Telhas, Centralcer, Tudor, Valorsul, Acral, TAP (manutenção), BA-Vidro, Saint Gobain Sekurit, etc.).

Alguns números:

100% de adesão no turno da manhã da recolha de lixo em Loures; 100% de adesão na recolha de resíduos sólidos na Câmara Municipal da Amadora; recolha de resíduos sólidos em Sintra com 100% de adesão; 100% de adesão no serviço especial de limpeza da CM Lisboa; 90% de adesão na recolha de resíduos sólidos em Vila Franca de Xira.

90% dos enfermeiros da Maternidade Alfredo da Costa fizeram greve; 100% dos enfermeiros do Hospital da Estefânia aderiram à greve; apenas serviços mínimos no Instituto de Medicina Legal; 100% de adesão no pessoal auxiliar e administrativo do Hospital dos Capuchos; 90% de adesão no INEM; 100% na urgência pediátrica do Hospital Amadora Sintra.

100% de adesão na Acral; 97% na Tudor Exide; 71% no primeiro turno da BA-Vidro; 93% de adesão na Centralce; 91% na Saint-Gobain Sekurit Portugal.

O metropolitano de lisboa está encerrado; a adesão à Greve Geral nos portos de Lisboa é de 100%; os pilotos da barra fizeram greve e o VTS (controle da navegação no rio Tejo), em Algés e Paço D’Arcos não está a funcionar.

Saúde

Os primeiros dados confirmados indicam uma adesão à greve geral superior a 90% no turno da noite nos hospitais de Lamego, Covilhã e Litoral Alentejano, IPO do Porto e São José, em Lisboa, disse à Lusa fonte da CGTP.

O dirigente da CGTP José Augusto Oliveira indicou que "a maternidade Magalhães Coutinho e o hospital D. Estefânia em Lisboa registaram uma adesão de 100%, funcionando apenas os serviços mínimos".

José Augusto Oliveira sublinhou também a paralisação registada no Instituto de Medicina Legal. "Pela primeira vez, parou de uma forma generalizada", disse.

Transportes e comunicações

Nestas primeiras horas da Greve Geral regista-se uma grande adesão dos trabalhadores a esta forma de luta que está a provocar a paralisação total do Metropolitano de Lisboa, dos STCP no Porto, da circulação ferroviária da CP em todo o País, da circulação fluvial em Lisboa e Setúbal, da circulação ferroviária da CP-Carga, que acabou por suprimir também os dois comboios denominados como mínimos, dos portos e controlo da navegação marítima. Regista-se, igualmente, o encerramento da maioria dos estabelecimentos da REFER e os que funcionam, apenas estão a assegurar os serviços denominados como mínimos.

Os centros operacionais de correios também estão paralisados, registando-se uma adesão superior a 85% em Lisboa, Coimbra e Porto. Em Lisboa, o piquete desta noite contou coma participação de mais de uma centena de pessoas, entre trabalhadores e populares.

A greve de hoje “é a que regista uma maior adesão quer no setor privado quer no setor público”

Os primeiros dados da greve geral nos transportes apontam para uma forte adesão quer no setor público quer no privado, adiantou esta manhã à Lusa fonte da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações. “Tendo como referência as últimas três greves podemos dizer que a de hoje é a que regista uma maior adesão quer no setor privado quer no setor público, com alguns transportes a registarem 100%, como o Metropolitano [de Lisboa] e uma paralisação quase total na CP e nos transportes rodoviário e fluvial”, disse à Lusa José Manuel Oliveira, da FECTRANS.

“Posso dizer também que o transporte fluvial está reduzido aos serviços mínimos quer no rio Tejo quer no Sado, a CP nem sequer está a conseguir fazer aquilo que são os serviços mínimos. Temos os Transportes Sul do Tejo (TST) com 90% de adesão e a Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) com 100%”, disse.

De acordo com José Manuel Oliveira, a Rodoviária de Entre Douro e Minho, em Braga está a trabalhar com serviços mínimos, a rodoviária da Beira litoral, em Coimbra com 95% e os transportes urbanos de Coimbra com 90%.

“A Carris em Santo Amaro está com 70% de adesão e na Pontinha, apesar da intervenção da polícia que carregou sobre o piquete de greve, só tinham às 07:00 saído 20 autocarros”, contou.

No que diz respeito aos portos e controlo de navegação marítima e dos centros operacionais de correios, a FECTRANS refere que está a ser registada uma adesão superior a 85% em Lisboa, Coimbra e Porto.

A FECTRANS registou também vários tumultos envolvendo as forças de segurança e piquetes de greve na estação rodoviária da Pontinha e da Musgueira, nas instalações da Vimeca/Lisboa transportes e na estação ferroviária da Pampilhosa, Mealhada, “impedindo que se exercesse o direito previsto na lei”. Um dos elementos do piquete que foi agredido pela GNR na Pampilhosa teve de receber tratamento hospitalar.

Serviços municipalizados de cinco autarquias parados

Os serviços municipalizados de cinco autarquias do país estão parados devido à greve geral, que começou às 00:00 desta quarta-feira, registando-se uma adesão de cem por cento dos seus trabalhadores, indicou a CGTP, que convocou a paralisação.

Os serviços municipalizados de Almada, Loulé, Palmela, Évora e Seixal estão parados, indicou aos jornalistas o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, que falava aos jornalistas junto ao piquete de greve do Metropolitano de Lisboa, onde se concentraram algumas dezenas de trabalhadores.

Madeira

A empresa Aeroportos e Navegação Aérea da Madeira (ANAM) estima em 1.600 o número de passageiros afetados pela greve geral desta quarta-feira, que já determinou o cancelamento de 18 voos com origem e destino na Região.

A adesão de trabalhadores de limpeza urbana e recolha de lixo da Câmara Municipal do Funchal atinge os 100 e os 60% respetivamente, segundo dados do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local (STAL) relativos aos turnos iniciados dia 13, às 20 e às 21 horas.

Governo está “nervoso” com esta greve geral

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, acusou esta manhã o Governo de estar nervoso por causa da greve geral e de querer intimidar os trabalhadores de empresas de transportes com polícia de choque para os forçar a quebrar a sua adesão à greve.

"Não é pela intimidação e repressão que vão por em causa o direito à greve e reafirmamos que os trabalhadores não deixarão de dar a resposta devida a esta provação do Governo, de quem está numa situação de desespero e que procura pela via da força impor a sua posição", afirmou.

Arménio Carlos fez, no entanto, um "balanço extremamente positivo" da greve geral iniciada às 00:00 de hoje, afirmando estarem a ser registadas adesões entre os 80% e os 100%.

O secretário-geral da CGTP referiu adesões muito significativas no setor da saúde, nomeadamente nos hospitais, um pouco por todo o país. Segundo o dirigente da central sindical, a estação da CP do Poceirão, em Palmela, está encerrada. Em várias empresas de Leiria do setor químico e metalúrgico, a adesão foi superior a 70 por cento.

A greve geral de hoje, de 24 horas, foi convocada pela CGTP em protesto contra o agravamento das políticas de austeridade e em defesa de políticas alternativas que favoreçam o crescimento económico. O protesto conta ainda com a adesão de 28 sindicatos independentes, bem como com a participação de cerca de 30 sindicatos da UGT, embora esta estrutura se tenha demarcado da paralisação.

A Confederação Europeia de Sindicatos convocou uma Jornada de Luta Europeia para esta quarta-feira, num protesto contra as medidas de austeridade em 20 países da Europa, com greves gerais também noutros países europeus, como Espanha, Itália, Bélgica e Grécia.


 

(...)

Resto dossier

14-N: Greve Geral

Neste dossier, reunimos os vídeos e as fotografias deste dia de mobilização geral dos trabalhadores. E republicamos as notícias sobre o balanço e os números da greve em Portugal, bem como a dimensão europeia do protesto, com greves e manifestações em mais de 20 países.

CGTP: “Uma das maiores greves gerais realizadas em Portugal”

Arménio Carlos fala em cartão vermelho ao governo e à troika, no dia em que o INE confirma que a austeridade provoca a queda do PIB e o aumento do desemprego. Despacho do governo proíbe divulgar dados de adesão. Trinta e nove manifestações e concentrações em todo o país. 

Os vídeos da Greve Geral

O esquerda.net fez cobertura vídeo desta Greve Geral, com reportagens nos piquetes do Metro de Lisboa, CTT, CP, Moveaveiro, STCP e das concentrações em Aveiro e Lisboa.

Fotogaleria da Manifestação de Lisboa

Fotogaleria de Paulete Matos na manifestação que decorreu entre o Rossio e São Bento.

Polícia deteve mais de cem manifestantes

Segundo o esquerda.net pôde apurar, a polícia deteve um total de 120 pessoas após a manifestação da CGTP, sendo que muitos dos detidos afirmam não ter tido qualquer participação nos distúrbios ocorridos nas imediações da Assembleia da República, em Lisboa. Os advogados dos detidos não foram autorizados a contactá-los. 

Fotogaleria: A Greve vista por um alemão em Lisboa

Dominic Heilig, militante do Die Linke, esteve em Lisboa e participou nos piquetes da Greve Geral e na manifestação da tarde.

“Será com esta greve e com tantas outras mobilizações que se irá derrubar este governo”

A coordenadora da Comissão Política do Bloco, Catarina Martins, que participou na manifestação da Greve Geral no Porto, à qual se juntaram mais de duas mil pessoas, salientou que esta é “a primeira greve ibérica, uma greve inédita, e um cartão vermelho bem forte contra a troika e o governo”.

Greve Geral em Portugal: números por distrito

O esquerda.net publica, neste artigo, informações sobre a adesão à Greve Geral nos diferentes distritos/regiões do país.

Precários Inflexíveis em ação de protesto num Pingo Doce em Lisboa

Um conjunto de ativistas da Associação de Combate à Precariedade – Precários Inflexíveis realizou uma ação de protesto numa loja do Pingo Doce em Lisboa (ver vídeo), nesta manhã da Greve Geral, para denunciar “a estratégia de exploração” no grupo de Soares dos Santos.

Fotos dos protestos em diversas cidades de Portugal

No dia da Greve Geral realizaram-se manifestações e concentrações em 39 cidades de Portugal. Esquerda.net publica aqui fotos das manifestações nas cidades de: Braga, Funchal, Santarém, Faro, Angra do Heroísmo, Beja, Portalegre, Ponta Delgada, Estudantes em Lisboa, Évora, Torres Novas e Vila Real.

Fotos da manifestação em Setúbal

Milhares de pessoas manifestaram-se na manhã no dia da Greve Geral, 14 de novembro, pelas ruas da cidade de Setúbal, protestando contra a austeridade e a troika. Fotos de Leonardo Silva

Escolas encerradas por todo o país

A greve geral desta quarta-feira encerrou muitas escolas e, pelo menos no Norte, está a ter uma adesão superior à última paralisação. No ensino superior sabe-se, por agora, que a Faculdade de Letras da Universidade do Porto teve uma adesão à greve de 90 por cento e que Universidade dos Açores está fechada. Mário Nogueira, da Fenprof, disse que "a exceção" são as escolas abertas.

Deputados do Bloco com a greve

No dia de Greve Geral, o grupo parlamentar do Bloco de Esquerda não participou nos trabalhos parlamentares e esteve junto de vários piquetes de greve, integrando concentrações e manifestações, em solidariedade com os trabalhadores grevistas.

Belgas entregam Prémio Nobel da Austeridade a Barroso

Comboios paralisados e manifestações em Bruxelas marcam a jornada na Bélgica. Sindicalistas da Confederação Europeia dos Sindicatos e dos sindicatos belgas reúnem-se com Barroso e entregam à Comissão Europeia um “prémio Nobel da Austeridade”.

Europa: greves e manifestações marcam jornada de luta em vários países

Segundo os dados disponíveis, a greve geral na Bélgica paralisou os caminhos-de-ferro, afetando as ligações internacionais para França, Alemanha e Holanda. Grécia e Itália iniciam paralisações de 3 e 4 horas. No Reino Unido, várias companhias aéreas cancelaram voos internacionais. Convocadas manifestações na Alemanha, França e Polónia.

Espanha: adesão à Greve Geral ultrapassa os 80%

Os representantes das centrais UGT, José Javier Cubillo, CCOO, Antonio del Campo, e USO, Ladislao Pérez, já anunciaram que a adesão à Greve Geral ultrapassa os 80% . O protesto em Espanha está a ser acompanhado por um forte contigente policial. Registaram-se várias cargas policiais.

Fotos de piquetes da Greve Geral em Portugal

Nesta notícia publicamos imagens da Greve Geral, em vários pontos do país.

O país amanheceu paralisado

A noite e a madrugada da Greve Geral desta quarta-feira indicam uma adesão significativa dos trabalhadores ao protesto contra a austeridade e o orçamento do assalto fiscal. Transportes, hospitais e comunicações com adesões a rondar os 100 por cento.

Vozes contra a austeridade vão ouvir-se em 20 países europeus

Vinte países, entre os quais Portugal, vão juntar-se, na quarta-feira, à jornada de luta europeia contra a austeridade e a favor do emprego, que inclui greves, manifestações, ações de protesto e reuniões em várias cidades da Europa.

CGTP: "Enquanto houver Memorando, o país não tem futuro"

Na véspera da Greve Geral, o líder da CGTP confia que "vamos ter milhões de trabalhadores na Europa a dizer basta de austeridade, é preciso mudar de políticas". Arménio Carlos assinalou a "grande convergência" para esta greve que ultrapassa as fronteiras da CGTP.

14 novembro: A primeira greve internacional do século XXI

Se qualquer convocatória de greve geral merece uma atenção especial pela sua transcendência e impacto político, a que se realiza este dia 14 de Novembro, ainda mais: trata-se da primeira greve internacional do século XXI. Por Nacho Álvarez, Público.es

Greves e protestos na Bélgica

A central sindical FGTB decretou 24 horas de Greve Geral, integrada na jornada de luta europeia. Várias cidades promovem manifestações solidárias com as greves nos países do sul da Europa.

Greve geral já está em marcha

Primeiros setores a aderir são os bombeiros, recolha de lixo e transportes, com grande adesão. Arménio Carlos espera uma grande greve geral e saúda os sindicatos da UGT que decidiram participar. No vídeo, João Semedo apela à Greve Geral.