Primeira Marcha do Orgulho LGBT nos Açores

05 de September 2012 - 1:15

Duas centenas de pessoas participaram na Marcha do Orgulho LGBT em Ponta Delgada e alguns milhares saíram à rua para assistir a um momento que marca "uma mudança profunda e necessária" nos Açores.

PARTILHAR
A Marcha dirigiu-se às Portas do Mar, em Ponta Delgada. Foto Cristian Rodriguez/PrideAzores.com

No passado dia 1 de Setembro, Ponta Delgada (São Miguel) recebeu a sua primeira marcha LGBT. Ao longo do ano foram feitas acções de sensibilização e esclarecimento sobre questões LGBT e sobre a importância das marchas do orgulho, iniciativas que conseguiram abrir espaço social e enfrentar a oposição das alas mais conservadoras da cena política e da sociedade. Ss iniciativas partiram da recém criada associação Pride Azores e contaram com o apoio de associações internacionais, nacionais e regionais:

UMAR-Açores, Amnistia Internacional, APF-Açores, APAV, Descalças – Cooperativa Cultural e CIPA-Novo Dia foram algumas das associações a trabalhar na Região Autónoma dos Açores que apoiaram a Pride Azores e participaram nesta marcha. Militantes e dirigentes do Bloco de Esquerda também estiveram presentes ao longo de todo o percurso.



No dia da marcha, a avenida marginal encheu-se de cores, alegria e muitas pessoas para acolher a marcha, tendo sido muitos os que acabaram por se juntar fazendo aumentar o numero de participantes à chegada. “Direitos Humanos são para toda gente”, “Quem não se movimenta não sente as correntes que o prendem”, “A minha sexualidade não interfere com a tua vida, o teu preconceito interfere com a minha” foram alguns dos cartazes que decoraram a iniciativa.



“Vivemos um dia histórico nos Açores ao sermos o quarto sitio do país a ter uma primeira marcha LGBT”, disse Judite Fernandes, uma das "madrinhas" da Marcha, ao esquerda.net. E acrescentou que espera que esta iniciativa “contribua para a visibilidade de pessoas gays, lésbicas, bissexuais e trangéneras aqui [nos Açores], contribuindo também para uma mudança profunda e muito necessária”.