You are here

Cronologia: a crise económica espanhola

Do estouro da bolha imobiliária às medidas de austeridade e as mudanças das leis laborais, eis algumas das datas mais importantes entre 2007 e 2012.
Foto de the real duluoz

2007: É o ano do estouro da chamada bolha do imobiliário. Os preços do setor imobiliário vinham a subir a uma média de 10% anuais, chegando em alguns anos a aumentar 30%. O estouro significou uma brusca queda da procura e dos preços, que começou em 2007 e se prolongou até pelo menos a 2011. A queda da procura foi superior a 40%, e o mercado foi incapaz de absorver a enorme oferta de habitação construída e desabitada. Por outro lado, as pessoas deixaram de poder pagar as casas e abandonaram-nas. Em julho de 2011, a habitação tinha perdido um quarto do seu valor em relação aos máximos de 2007.

Março de 2008: O ministro da Economia, Pedro Solbes, reduz as previsões de crescimento do governo de 3,1% para 2,3%, devido aos problemas surgidos no setor imobiliário.

Em 2007, a Espanha tinha um confortável superávit público de quase 2% do PIB, e cresceu 3,5%. Já em 2008, o superávit converteu-se em défice e o crescimento caiu para apenas 0,9%.

15 de setembro: Falência do Lehman Brothers desencadeia o pânico nos mercados financeiros mundiais. Seguem-se os “resgates” maciços, com dinheiro público, do Goldman Sachs, Morgan Stanley e da seguradora AIG.

Terceiro trimestre de 2008: A economia espanhola entra oficialmente em recessão.

2009

Janeiro: A Standard & Poor's rebaixa a notação financeira da Espanha, retirando-lhe a preciosa classificação de AAA.

A Espanha adota um plano de estímulo avaliado em 5% do PIB com medidas como o investimento de 8 mil milhões de euros em obras de infraestrutura, baixas de impostos e um “cheque-bebé” (lá houve mesmo) para cada recém nascido no valor de 2.500 euros.

O Banco de Espanha intervém para resgatar a Caja Castilla-La Mancha, a primeira operação de salvamento de um banco no país.

Maio – Junho: O governo cria um fundo de resgate para os bancos, o FROB, com recursos de 99 mil milhões de euros e apela aos bancos para promoverem fusões e resolverem assim os problemas de insolvência. No prazo de um ano, o número de bancos reduz-se de cerca de 45 para 17.

Outubro: Na Grécia, o socialista Georges Papandreou é eleito primeiro-ministro. Pouco depois, anuncia que o défice deixado pelo governo conservador da Nova Democracia não é de 6%, mas sim de 12,7% do PIB. Posteriores revisões elevam-no a 15,4%.

2010

28 de janeiro: O governo espanhol aprova um Plano de Austeridade para 2011-2013 com uma redução de gastos estimada em 50 mil milhões de euros.

Fevereiro: O Banco de Espanha publica os números da Contabilidade Nacional referentes a 2009 e confirma o retrocesso da economia, com o país a perder 3,6% da sua riqueza no ano anterior.

Primeiro trimestre: A taxa de desemprego da Espanha alcança 20% pela primeira vez em quase 13 anos, com um recorde de 4,6 milhões de pessoas sem trabalho.

A economia espanhola consegue emergir da recessão (18 meses) devido ao aumento das exportações.

Abril: Começa-se a falar dos problemas de financiamento da Espanha, com um défice público de 11,2% em 2009, ao mesmo tempo que entram no auge as negociações para o primeiro empréstimo da Grécia.

Maio: José Luís Zapatero anuncia um agravamento das medidas de austeridade, com cortes dos salários dos funcionários públicos e congelamento das pensões. Novas medidas de austeridade serão decretadas nos seis meses seguintes, incluindo a subida de 2 pontos percentuais do IVA.

O Banco de Espanha intervém na CajaSur, um banco administrado pela Igreja Católica.

Junho: O governo aprova uma nova reforma das leis laborais que ampliam os argumentos para as empresas promoverem despedimentos coletivos; a indemnização do trabalhador despedido passa a ser de apenas 20 dias por cada ano de serviço, com um máximo de 12 meses, e 8 daqueles 20

dias passam a ser financiados pelo Fundo de Garantia Salarial; as indemnizações pagas ao trabalhador com contrato temporário passa a ser de apenas 8 dias de salário por cada ano de serviço.

Julho: O primeiro-ministro espanhol anuncia que o governo vai aumentar a idade de reforma, de 65 para 67 anos.

Setembro: Primeira greve geral nacional contra as alterações da legislação laboral. Cerca de 10 milhões de trabalhadores aderiram à greve, segundo as centrais Comisiones Obreras (CCOO) e UGT, uma adesão superior a 70%.

Dezembro: Aumento do imposto sobre tabaco, redução dos subsídios à energia eólica, e anúncio de privatizações da autoridade aeroportuária e lotaria nacional. Mas ambas foram depois descartadas, com o argumento das más condições do mercado.

UGT e CCOO promovem cerca de quarenta manifestações contra o aumento da idade de reforma.

2011

Junho: Parlamento aprova a reforma das pensões, que aumenta de 65 para 67 anos a idade de aposentação.

Zapatero anuncia eleições gerais para Novembro, em vez de março de 2012, como estava previsto. No mesmo dia, o FMI adverte que a economia espanhola ainda enfrenta “grandes riscos”.

Setembro: O Parlamento aprova uma emenda constitucional que obriga os futuros governos a manterem um equilíbrio orçamental.

Novembro: O PP de Mariano Rajoy tem uma vitória histórica, elegendo 186 deputados, ao mesmo tempo que o PSOE perdia mais de 4,3 milhões de votos. A Esquerda Unida elegeu mais 9 deputados do que em 2008 e a coligação Amaiur ganhou no País Basco.

Terceiro trimestre: O crescimento económico cai para zero. O índice de desemprego atinge 21,5%, o mais alto em 15 anos.

2012

Fevereiro: O governo aprova uma modificação das leis laborais, agravando as medidas já promovidas por Zapatero. As medidas de “liberalização do mercado de trabalho” terão sido definidas durante contactos estreitos entre Rajoy e a senhora Merkel. Assim, passa a bastar para que as empresas possam fazer despedimentos que “se infira uma situação económica negativa em casos como a existência de perdas atuais ou previstas”. Os despedimentos nessas condições podem ser feitos sem autorização governamental, sem arbitragem nem recursos, e mediante um pagamento de 20 dias de trabalho com um máximo de anuidade.

9 de março: centrais sindicais convocam uma greve geral para dia 29.

(...)

Resto dossier

Crise e austeridade em Espanha

Com a convocatória de uma greve geral para o próximo dia 29, a classe trabalhadora do Estado espanhol reage às medidas de austeridade adotadas num país já devastado pela recessão e pelo desemprego recorde, num momento em que Mariano Rajoy não encontra nada de melhor para fazer do que liberalizar os despedimentos. Mas quais foram as origens e as razões desta crise? Dossier coordenado por Luis Leiria.

Cronologia: a crise económica espanhola

Do estouro da bolha imobiliária às medidas de austeridade e as mudanças das leis laborais, eis algumas das datas mais importantes entre 2007 e 2012.

Falácias sobre salários e competitividade em Espanha

É errado dizer que a redução dos salários é uma medida para sair da crise. A realidade mostra o contrário: baixar os salários piora, em vez de melhorar, a produtividade. Rajoy e o seu governo querem transformar a Espanha num país do terceiro mundo, com uma enorme polarização dos rendimentos.

Dívida: “O problema não é da sociedade, mas dos bancos.”

O cidadão atento aos média poderia concluir que o Estado Espanhol sofre uma crise crónica de endividamento da qual só se sairia com austeridade e terapias de choque. A professora Miren Etxezarreta critica esta visão e enfatiza que o problema da dívida espanhola “não é dos cidadãos, mas fundamentalmente dos bancos”.

Quantas vezes teremos de pagar uma dívida que não é nossa?

Se somarmos os juros e capital pagos ultimamente verificamos que, entre 2000 e 2010, o Estado reembolsou três vezes mais do que devia em 2000, e continua a dever quase o dobro. Por Yves Julien, Jérome Duval

A dívida do Estado espanhol ou como os mercados controlam o orçamento do Estado

O endividamento do Estado espanhol estaria à volta de 70% do seu PIB em finais de 2011. Muito abaixo dos níveis alcançados pela Alemanha, a França, a Bélgica ou a Grã-Bretanha. Mas a especulação contra a dívida destes países é muito menor. Por Yves Julien

Reforma laboral põe em prática “despedimento livre e gratuito"

Com as medidas de “liberalização do mercado de trabalho” impostas pelo governo do PP, as empresas espanholas já podem despedir trabalhadores sem autorização governamental pagando 20 dias por cada ano trabalhado com o máximo de uma anuidade. “Despedimento livre e gratuito”, acusam os sindicatos.

Os cortes de Rajoy: as mulheres suportam a parte pior

Os custos gerados pela crise se repartem de uma forma muito desigual entre a população e de que prejudicam particularmente as mulheres. Por Juan Torres López

O que são as Plataformas de Afetados pela Hipoteca?

A bolha imobiliária da década passada criou um endividamento insustentável em Espanha. Com a chegada da crise e o disparar do desemprego, centenas de milhares de famílias foram despejadas. As Plataformas de Afetados pela Hipoteca têm conseguido impedir despejos e agora apostam numa Iniciativa Legislativa Popular para que as famílias possam libertar-se da dívida devolvendo a casa ao banco. Por Carlos Huerga.

Sindicatos marcam Greve Geral para 29 de março

As duas principais centrais sindicais espanholas, Confederação Sindical das Comissões Operárias (CC OO) e União Geral dos Trabalhadores (UGT), anunciaram no dia 9 o agendamento de uma Greve Geral para o próximo dia 29 de março. Os sindicatos da Galiza, País Basco e Navarra já tinham convocado uma paralisação geral para esta mesma data.

Porque não explode o país com 5.273.600 desempregados?

Muitas pessoas perguntam como é que é possível que a estrutura básica do país se mantenha de pé com 5.273.600 desempregados. Artigo de Aurelio Jimenez.