You are here

A mulher na obra de Alves Redol

“Afinal o lugar que eu dou à mulher nos meus romances…é uma questão de fidelidade: de ser fiel à realidade”. (Entrevista a A Capital, 22/05/1968) Artigo de António Mota Redol.

A mulher ocupa um lugar relevante na obra de Alves Redol, sendo, em alguns romances, a personagem principal, o que é uma novidade na literatura portuguesa.

Vejamos alguns tipos de mulheres nas obras de Redol:

Gaibéus: Rosa, a ceifeira que o patrão deseja.
Ti Maria do Rosário, a velha doente que tem de continuar a trabalhar para sobreviver.
“Gaibéua de olho azul”, que se entrega, por amor, ao campino fandanguista.

Marés: D. Sofia, a mulher pequeno-burguesa, dona de casa, esposa submissa do comerciante Francisco da Silva Diogo, que tem uma amante, de cuja existência aquela é conhecedora.

Avieiros: Olinda Carramilo, a mulher avieira que, como todas as mulheres avieiras, além de ajudar o marido na faina do rio, remando o saveiro, enquanto o marido lança e recolhe as redes e o peixe pescado, trata dos filhos e da “casa”, isto é, do barco.
Olinda é uma mulher lutadora, que lidera a família e incentiva os avieiros que querem juntar-se para trabalhar em comum e é a personagem central do romance.

Ciclo do Port-Wine: Gracinda é uma mulher livre, que luta pelo seu amor, apesar de ser casada com outro homem e que luta pelos interesses dos durienses.
Participa na manifestação contra as medidas do Governo que podem liquidar o Douro. Transporta uma tarja que tem escrito “O Doiro morre á fome” e é morta por um tiro da tropa, quando marcha à cabeça do cortejo dos durienses.

A Barca dos Sete Lemes: Mariana, a amante do taberneiro Mula Brava, mais nova do que ele, mulher livre, que seduz o jovem Alcides.

Cavalo Espantado: Jadwiga, judia austríaca, rica, mulher livre, culta, embora afectada.

Barranco de Cegos: Maria do Pilar desafia o pai, o senhor de Aldebarã, namoriscando o domador de cavalos. O pai castiga-a desterrando-a para terras suas, longínquas e manda matar o criado.

O Muro Branco: Alice Gilvaz, dona de casa, que tenta proteger o filho da tirania do marido, Zé Miguel, o qual tem várias amantes. Zulmira, uma das amantes, vive à custa dele, tal como a mãe dela sempre vivera à custa de amantes ricos.

Os Reinegros: Júlia e Alfredo, trabalhadores em Lisboa, vivem juntos e têm um filho.
Mas os feitios não se dão e, sem drama, separam-se.

Forja: “Mãe”,mulher de meio rural submissa, dona de casa, começa a tomar consciência da necessidade de se opôr a “Pai” Malafaia, quando os filhos começam a morrer tuberculosos, sucessivamente, devido ao excesso de trabalho a que o pai os submete. Revolta-se e acaba por matar o marido, fugindo com o único filho que se mantem saudável.

(...)

Resto dossier

O Neo-Realismo em Portugal

O Neo-Realismo em Portugal não se esgota na sua componente literária, estando igualmente associado às artes plásticas e à história da resistência antifascista. O seu comprometimento com a transformação humana do mundo e a permanente articulação entre o individual e o coletivo são alguns dos traços que caracterizam as obras neo-realistas. Dossier coordenado por Mariana Carneiro.

Museu do Neorealismo. Somos nós.

O Museu do Neorealismo, situado em Vila Franca de Xira, é uma boa história a ser contada para ilustrar o valor da participação cidadã na vida cultural e na criação de serviços públicos na área da cultura e da vida das cidades. Artigo de Maria José Vitorino.

Uma breve abordagem ao Neo-Realismo

Mais do que uma corrente intelectual, do que uma resposta a este ou aquele movimento artístico, mais do que a expressão de uma força política, o movimento neo-realismo foi a expressão de uma solidariedade, de uma tomada de posição perante o sofrimento agravado do povo português. Artigo de João Machado.

Redol, de Vila Franca a Lisboa e de Glória a Gaibéus

Gaibéus marcava o início do percurso de Alves Redol como escritor. No entanto, a sua publicação era, ao mesmo tempo, ponto de chegada e ponto de partida. Texto de João Madeira.

Centenário do nascimento de Manuel da Fonseca

Neste artigo da biblioteca digital da Hemeroteca Municipal de Lisboa poderá aceder a informações sobre a vida e obra de Manuel da Fonseca e também a conteúdos digitais sobre o autor.

Alves Redol: vida e obra

A vida e a personalidade de Alves Redol são extremamente complexas, não sendo fácil estabelecer a sua biografia. Artigo de António Mota Redol.

A mulher na obra de Alves Redol

“Afinal o lugar que eu dou à mulher nos meus romances…é uma questão de fidelidade: de ser fiel à realidade”. (Entrevista a A Capital, 22/05/1968) Artigo de António Mota Redol.

Ler hoje o Neo-Realismo

De todos os movimentos estéticos portugueses do século XX, o Neo-Realismo é aquele que mais tem sido objeto de interpretações equívocas e redutoras. Artigo de Vítor Pena Viçoso.