You are here

Mubarak, o segundo ditador a ser varrido pelo levante árabe

No poder há quase 30 anos, o presidente egípcio não conseguiu sobreviver a 17 dias de manifestações de milhões. Mas o combate para desalojar os militares continua a ser um eixo fundamental de luta.
Queda de Mubarak foi uma primeira vitória. Foto de Takver

O 25 de janeiro de 2011 passou à história do Egito como o "Dia da Ira", que marcou o início dos protestos que levariam à queda do presidente Hosni Mubarak. Influenciados pelo levante que levou ao derrube de Ben Ali na Tunísia, os manifestantes foram às ruas em várias cidades, como a capital, Cairo, com mais de 15 mil na Praça Tahrir, Alexandria, Suez e Ismaília. Na mira dos manifestantes estavam as más condições de vida, o desemprego, a falta de moradia, a corrupção, a falta de liberdade de expressão.

Os protestos foram crescendo nos dias seguintes, defrontando a repressão policial e passando a exigir o fim do regime do presidente Hosni Mubarak, que estava no poder há quase 30 anos.

Num primeiro momento, Mubarak decretou o estado de sítio, mas sem sucesso. Diante dos confrontos com a polícia e com milícias pró-Mubarak, o exército anunciou que não iria reprimir as manifestações. No dia 31, numa tentativa de desviar os protestos, Mubarak, dissolveu o governo e nomeou o militar e ex-chefe da Direção Geral de Inteligência Egípcia, Omar Suleiman, como vice-presidente, encarregando o ministro da aviação e ex-chefe da Força Aérea do Egito, Ahmed Shafik, para formar um novo governo. No dia 1 de fevereiro, Mubarak anunciou que não seria candidato à reeleição em setembro, mas não renunciou. Em resposta, mais de um milhão de pessoas saíram às ruas a exigir a sua saída imediata do poder.

O objetivo dos manifestantes foi enfim conseguido no dia 11 de fevereiro, quando o vice-presidente egípcio Omar Suleiman anunciou, pela emissora estatal de televisão, a renúncia de Hosni Mubarak.

Novos protestos e eleições

Os protestos regressariam, porém, em novembro. No dia 21 de novembro, o governo interino apresentou a sua demissão depois dos regresso das manifestações à praça Tahrir, sendo reprimidos pela exército. Mais de 33 pessoas morreram e 2.000 ficaram feridas. Os manifestantes exigiam que o novo regime não fosse uma mera extensão do de Mubarak.

Entretanto, a Amnistia Internacional acusava o exército de abusos contra os direitos humanos “piores que os da era Mubarak” e afirmava que as Forças Armadas “fracassaram totalmente” na sua promessa de melhorar a situação no país.

Em dezembro, Adam Hanieh, professor da Universidade de Londres, em entrevista ao Esquerda.net, fazia um primeiro balanço da primeira rodada das eleições egípcias. O bloco liderado pela Irmandade Muçulmana (IM) venceu, seguido pelo partido Salafista AlNour e pelo Bloco Egípcio (uma coligação de esquerda-liberal e forças pró-negócios que se uniu em torno de um programa de oposição à IM). A Esquerda esteve representada pelo Revolution Continues Alliance (RCA), que juntou forças socialistas, partidos recém-criados saídos da revolução e um grupo dissidente da juventude da IM e teve cerca de 3% “um resultado bastante impressionante para uma nova coligação com poucos recursos”.

Para este professor, a vitória da IM foi indicativa da sua profunda implantação na sociedade e do seu acesso a recursos, lembrando que os partidos islamitas foram muito bem financiados (particularmente pelos países árabes do Golfo Pérsico), o que fez muita diferença.

Na opinião de Adam Hanieh, as mobilizações nas semanas que antecederam as eleições foram indicativas da crescente fúria face à tentativa dos militares para manterem o controlo. E mostraram também até onde os militares estão dispostos a ir para manter o controlo. “O combate para desalojar os militares continuará a ser um eixo fundamental de luta”, disse, alertando para o perigo do crescimento da repressão militar e para o facto de ter havido uma reconstrução do aparelho repressivo.

“As forças armadas são obviamente o elemento institucional central da contra-revolução. Mas eu penso que a liderança da IM também precisa ser vista como parte da tentativa de fazer recuar a luta popular”, disse.

(...)

Resto dossier

O Mundo em 2011

O ano de 2011 vai ser lembrado pela Primavera Árabe, pelo surgimento dos grandes movimentos sociais, pela crise do euro ou pelo terramoto, tsunami e crise nuclear de Fukushima? Certamente por todos estes eventos, que relembramos neste balanço internacional do ano, e muitos outros mais. Dossier coordenado por Luis Leiria.

Tunísia dá início à Primavera Árabe

No poder desde 1987, o presidente Ben Ali foi derrubado pela mobilização do povo tunisino e fugiu do país a 14 de janeiro. Foi o primeiro episódio da revolta que se espalhou pelo mundo árabe.

Mubarak, o segundo ditador a ser varrido pelo levante árabe

No poder há quase 30 anos, o presidente egípcio não conseguiu sobreviver a 17 dias de manifestações de milhões. Mas o combate para desalojar os militares continua a ser um eixo fundamental de luta.

Assange luta contra a extradição para a Suécia e Wikileaks luta pela sobrevivência

Fundador da organização acumulou derrotas na Justiça britânica contra a sua extradição para a Suécia, para ser interrogado pela acusação de crimes de natureza sexual.Mas a Wikileaks, apesar das dificuldades, manteve-se viva.

Subida de preços dos alimentos ameaça milhões

O alerta chegou em fevereiro: a FAO, Agência da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação, advertiu que os preços dos alimentos atingiram em janeiro o nível mais alto desde 1990, para um conjunto de produtos básicos, ameaçando desencadear uma nova crise alimentar, como a registada em 2007 e 2008.

Fukushima: o inferno que não termina

Uma solução definitiva para a crise nuclear, que não se restringe apenas aos reatores da central, levará algumas décadas. A maioria de nós não estará, provavelmente, presente no dia em que isso ocorrer. 

Extrema-direita em ascensão

Partidos racistas e xenófobos crescem eleitoralmente em muitos países e já causam preocupação na Europa.

Islândia disse pela 2ª vez "não" ao pagamento da dívida da banca

As ameaças foram muitas, a chantagem foi brutal. Mas não atemorizou os islandeses, que rejeitaram mais uma vez em referendo que o Estado pagasse a dívida de cerca de quatro mil milhões de euros à Holanda e ao Reino Unido.

Morte de Bin Laden

Depois de 10 anos de buscas infrutíferas, os EUA conseguiram localizar e matar o líder da Al-Qaeda. Apesar de estar desarmado e não ter tentado resistir, Bin Laden foi morto imediatamente. Segundo Noam Chomsky, “a operação foi um assassinato planeado, violando as normas elementares do direito internacional.”

Movimento 15-M, os 'Indignados' de Espanha

Em 15 de maio, realizaram-se manifestações em 58 cidades espanholas, marcando o nascimento do 15-M. Trata-se, diz Manuel Castells, de uma nova política para sair da crise a caminho de um novo modo de vida construído coletivamente.

'News of the World' encerra devido a escândalo de escutas telefónicas

O grupo mediático de Rupert Murdoch conseguiu durante anos espiar ilegalmente a vida de muita gente em Inglaterra. E com ligações próximas ao primeiro-ministro David Cameron, que teve um dos implicados no escândalo como diretor de comunicação do governo.

O Mundo em 2011: O fim da era dos vaivéns espaciais

O Atlantis aterrou pela última vez a 21 de julho e foi para o museu. O seu substituto não voará tão cedo. Os cortes orçamentais norte-americanos e europeus mostram a decadência da antes chamada “aventura no espaço”.

Palestina desafia EUA e pede reconhecimento na ONU

"Este é o momento da verdade e o meu povo está à espera de ouvir a resposta do mundo", declarou Abbas no discurso na Assembleia Geral da ONU. EUA anunciaram veto, mas a Palestina viu aceita a sua adesão à Unesco, uma decisão considerada “verdadeiramente histórica".

Ocupa Wall Street planeia mobilizações para 2012

No dia 17 de setembro, nascia o movimento “Ocupa Wall Street”. Nasceu em Nova York e espalhou-se para centenas de cidades nos EUA e no mundo. Adotou o slogan “Somos os 99%” e recebeu apoios variados de sindicatos, intelectuais, celebridades, e ateo presidente Obama se referiu positivamente a ele. Mas depois começou a ser reprimido. Agora, faz planos para 2012. Reportagem de Carlos Alberto Jr., direto de Washington, especial para a Carta Maior.

ETA anuncia o fim da luta armada

Anúncio oficial pôs fim a 43 anos de conflito armado. Coligação da esquerda nacionalista, nas eleições de novembro, teve resultado histórico.

Líbia: intervenção da Nato quis acabar com as revoltas árabes

Bombardeamentos casaram milhares de vítimas e procuraram garantir que o regime pós-Khadafi não saía fora do controlo dos EUA.

Clima: Durban adiou o urgente

A 17.ª Conferência do Clima da ONU, que terminou a 11 de dezembro, determinou que os países continuem a dormir até 2020. Enquanto isso, aumentam as catástrofes naturais agravadas pelo aquecimento global. Quando um eventual novo acordo, ainda por definir, entrar em vigor, metade do planeta já poderá estar inabitável.

"A Europa e o euro caminham para o suicídio"

2011 foi o ano da crise do euro, que ameaça prolongar-se numa agonia em 2012. Na opinião do Prémio Nobel de Economia de 2001, Joseph Stiglitz, em entrevista ao jornal Página/12, a conceção geral da União Europeia foi errada.

China: a revolução silenciosa

Não é raro que acontecimentos importantes nas nossas vidas ocorram sob os nossos narizes e sejamos os últimos a percebê-los. Esse parece ser o caso da nova revolução chinesa. Uma revolução silenciosa, que está a ocorrer diante dos nossos olhos e ninguém parece se dar conta.