You are here

Líbia: intervenção da Nato quis acabar com as revoltas árabes

Bombardeamentos casaram milhares de vítimas e procuraram garantir que o regime pós-Khadafi não saía fora do controlo dos EUA.
Um dos milhares de outdoors com a imagem de Khadafi que havia na Líbia. Foto de 10b travelling

As origens dos protestos na Líbia são muito semelhantes aos das outras revoluções da Primavera árabe, e intimamente influenciadas pelo que já tinha ocorrido na Tunísia e no Egito: o derrube de Bal Ali e de Hosni Mubarak. Em 15 de fevereiro, quatro dias depois da renúncia de Mubarak, ocorrem as primeiras manifestações na frente de uma esquadra de polícia de Benghazi, em protesto pela prisão do advogado de diretos humanos Fathi Terbil, violentamente reprimidas.

Em Al Baida e Zintan, milhares de manifestantes começaram a pedir o fim do regime de Khadafi.

A repressão desencadeada contra estas manifestações deu origem à convocatória do primeiro “Dia de Fúria” em 17 de fevereiro. Neste dia, em Benghazi, Ajdabiya, Derna, Zintan, e Al Baida, a polícia disparou munições reais sobre os manifestantes, que incendiaram diversos edifícios públicos. Em Behgazi, desencadeou-se uma verdadeira insurreição, que forçou a retirada da polícia e do Exército da cidade, ao mesmo tempo que militares se juntavam aos manifestantes. No dia seguinte, helicópteros bombardearam os manifestantes.

Em 27 de fevereiro, foi fundado o Conselho Nacional de Transição em Benghazi. Em Tripoli, desencadeava-se a mais feroz repressão para impedir que se repetissem os acontecimentos de Benghazi. Nessa altura, o levante já tinha expulsado as forças de Khadafi de Tobruk, Al Baida, Zawiya, Zuwara, Sabratha, Sorman, além de cidades importantes como Misurata e Benghazi, e portos como Ra's Lanuf e Brega. Mas em março, o regime desencadeou um contra-ataque militar que o fez retomar parte das cidades e chegar perto de Benghazi.

Em 17 de março, o Conselho de Segurança da ONU aprovou uma zona de exclusão aérea na Líbia, numa resolução que autorizava “todas as medidas necessárias” para proteger a população civil contra as forças de Khadafi. Cinco países – incluindo China e Rússia, membros permanentes do Conselho – abstiveram-se. A expressão “todas as medidas necessárias” deixou em aberto uma eventual intervenção militar internacional, à exceção de uma invasão terrestre, o que veio efetivamente a ocorrer.

No Parlamento Europeu, os deputados Miguel Portas e Marisa Matias, do Bloco de Esquerda, votaram contra a zona de exclusão aérea. Miguel Portas explicou que a esquerda é “contra qualquer intervenção militar, incluindo a medida que lhe pode abrir as portas: a zona de exclusão aérea”. E deixou um alerta: “Nós temos a experiência, sabemos como começam as medidas militares e sabemos que elas nunca acabam quando começam”.

Um dia depois, foi lançada a ofensiva militar na Líbia, liderada pelos EUA. Aviões franceses abateram quatro tanques de forças pró-Kadhafi e os EUA iniciaram o lançamento de mísseis cruzeiro.

“A intervenção dos EUA-NATO na Líbia, com a cobertura do Conselho de Segurança da ONU, é parte de uma resposta orquestrada para mostrar apoio ao movimento contra um ditador em particular e, ao fazê-lo, acabar com as rebeliões árabes, pondo-as sob o controlo ocidental, confiscando o seu ímpeto e a sua espontaneidade e tentando restaurar o status quo anterior”, disse, em abril, o escritor e ativista Tariq Ali.

Apesar das centenas de milhares de mísseis e bombas usados pela Nato, a guerra que se seguiu entrou num impasse que durou alguns meses, até que as tropas de Khadafi entraram em colapso.

Em 21de Agosto, as forças do CNT anunciaram ter tomado Tripoli. Ainda assim, as tropas de Khadafi reagruparam-se em Sirte e resistiram até à captura e assassinato do coronel, em 20 de Outubro.

O próprio CNT calculou que 25 mil pessoas morreram no conflito, e 50 mil ficaram feridas.

O Conselho Nacional de Transição (CNT) anunciou três dias depois que o país seria regido no futuro pela sharia, a lei islâmica.

(...)

Resto dossier

O Mundo em 2011

O ano de 2011 vai ser lembrado pela Primavera Árabe, pelo surgimento dos grandes movimentos sociais, pela crise do euro ou pelo terramoto, tsunami e crise nuclear de Fukushima? Certamente por todos estes eventos, que relembramos neste balanço internacional do ano, e muitos outros mais. Dossier coordenado por Luis Leiria.

Tunísia dá início à Primavera Árabe

No poder desde 1987, o presidente Ben Ali foi derrubado pela mobilização do povo tunisino e fugiu do país a 14 de janeiro. Foi o primeiro episódio da revolta que se espalhou pelo mundo árabe.

Mubarak, o segundo ditador a ser varrido pelo levante árabe

No poder há quase 30 anos, o presidente egípcio não conseguiu sobreviver a 17 dias de manifestações de milhões. Mas o combate para desalojar os militares continua a ser um eixo fundamental de luta.

Assange luta contra a extradição para a Suécia e Wikileaks luta pela sobrevivência

Fundador da organização acumulou derrotas na Justiça britânica contra a sua extradição para a Suécia, para ser interrogado pela acusação de crimes de natureza sexual.Mas a Wikileaks, apesar das dificuldades, manteve-se viva.

Subida de preços dos alimentos ameaça milhões

O alerta chegou em fevereiro: a FAO, Agência da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação, advertiu que os preços dos alimentos atingiram em janeiro o nível mais alto desde 1990, para um conjunto de produtos básicos, ameaçando desencadear uma nova crise alimentar, como a registada em 2007 e 2008.

Fukushima: o inferno que não termina

Uma solução definitiva para a crise nuclear, que não se restringe apenas aos reatores da central, levará algumas décadas. A maioria de nós não estará, provavelmente, presente no dia em que isso ocorrer. 

Extrema-direita em ascensão

Partidos racistas e xenófobos crescem eleitoralmente em muitos países e já causam preocupação na Europa.

Islândia disse pela 2ª vez "não" ao pagamento da dívida da banca

As ameaças foram muitas, a chantagem foi brutal. Mas não atemorizou os islandeses, que rejeitaram mais uma vez em referendo que o Estado pagasse a dívida de cerca de quatro mil milhões de euros à Holanda e ao Reino Unido.

Morte de Bin Laden

Depois de 10 anos de buscas infrutíferas, os EUA conseguiram localizar e matar o líder da Al-Qaeda. Apesar de estar desarmado e não ter tentado resistir, Bin Laden foi morto imediatamente. Segundo Noam Chomsky, “a operação foi um assassinato planeado, violando as normas elementares do direito internacional.”

Movimento 15-M, os 'Indignados' de Espanha

Em 15 de maio, realizaram-se manifestações em 58 cidades espanholas, marcando o nascimento do 15-M. Trata-se, diz Manuel Castells, de uma nova política para sair da crise a caminho de um novo modo de vida construído coletivamente.

'News of the World' encerra devido a escândalo de escutas telefónicas

O grupo mediático de Rupert Murdoch conseguiu durante anos espiar ilegalmente a vida de muita gente em Inglaterra. E com ligações próximas ao primeiro-ministro David Cameron, que teve um dos implicados no escândalo como diretor de comunicação do governo.

O Mundo em 2011: O fim da era dos vaivéns espaciais

O Atlantis aterrou pela última vez a 21 de julho e foi para o museu. O seu substituto não voará tão cedo. Os cortes orçamentais norte-americanos e europeus mostram a decadência da antes chamada “aventura no espaço”.

Palestina desafia EUA e pede reconhecimento na ONU

"Este é o momento da verdade e o meu povo está à espera de ouvir a resposta do mundo", declarou Abbas no discurso na Assembleia Geral da ONU. EUA anunciaram veto, mas a Palestina viu aceita a sua adesão à Unesco, uma decisão considerada “verdadeiramente histórica".

Ocupa Wall Street planeia mobilizações para 2012

No dia 17 de setembro, nascia o movimento “Ocupa Wall Street”. Nasceu em Nova York e espalhou-se para centenas de cidades nos EUA e no mundo. Adotou o slogan “Somos os 99%” e recebeu apoios variados de sindicatos, intelectuais, celebridades, e ateo presidente Obama se referiu positivamente a ele. Mas depois começou a ser reprimido. Agora, faz planos para 2012. Reportagem de Carlos Alberto Jr., direto de Washington, especial para a Carta Maior.

ETA anuncia o fim da luta armada

Anúncio oficial pôs fim a 43 anos de conflito armado. Coligação da esquerda nacionalista, nas eleições de novembro, teve resultado histórico.

Líbia: intervenção da Nato quis acabar com as revoltas árabes

Bombardeamentos casaram milhares de vítimas e procuraram garantir que o regime pós-Khadafi não saía fora do controlo dos EUA.

Clima: Durban adiou o urgente

A 17.ª Conferência do Clima da ONU, que terminou a 11 de dezembro, determinou que os países continuem a dormir até 2020. Enquanto isso, aumentam as catástrofes naturais agravadas pelo aquecimento global. Quando um eventual novo acordo, ainda por definir, entrar em vigor, metade do planeta já poderá estar inabitável.

"A Europa e o euro caminham para o suicídio"

2011 foi o ano da crise do euro, que ameaça prolongar-se numa agonia em 2012. Na opinião do Prémio Nobel de Economia de 2001, Joseph Stiglitz, em entrevista ao jornal Página/12, a conceção geral da União Europeia foi errada.

China: a revolução silenciosa

Não é raro que acontecimentos importantes nas nossas vidas ocorram sob os nossos narizes e sejamos os últimos a percebê-los. Esse parece ser o caso da nova revolução chinesa. Uma revolução silenciosa, que está a ocorrer diante dos nossos olhos e ninguém parece se dar conta.