You are here

Parlamento Europeu nem votou proposta de cortes de despesas dos eurodeputados

Miguel Portas diz que decisão é lamentável e denuncia cumplicidade do deputado José Manuel Fernandes, do PSD, “um partido que recentemente eliminou os subsídios de natal e de férias".
Miguel Portas propunha redução das despesas de escritório dos eurodeputados.

Uma decisão administrativa do presidente do Parlamento Europeu impediu esta quarta-feira o voto de uma proposta para reduzir as despesas de escritório dos eurodeputados. Essa decisão foi contestada por Miguel Portas, que a classificou como "lamentável".

O eurodeputado do Bloco de Esquerda usou o mesmo adjectivo quando, à saída do plenário, comentou a ajuda que o deputado José Manuel Fernandes (PSD) deu à presidência da sessão, defendendo o método que eliminava, sem voto, a proposta apresentada por 41 deputados de vários grupos parlamentares. "Foi um golpe de secretaria. Ainda por cima praticado com a cumplicidade de um eleito por um partido que recentemente eliminou os subsídios de natal e de férias", rematou o deputado do Bloco de Esquerda.

178 deputados pela redução das despesas dos eurodeputados

Apesar de afastada administrativamente, a proposta de redução das despesas de escritório dos eurodeputados – actualmente de 4296 euros mensais – acabou por ser votada indirectamente alguns minutos mais tarde. Com efeito, 178 deputados pronunciaram-se a favor de uma emenda apresentada por Miguel Portas em nome da Esquerda Unitária Europeia (GUE/NGL), onde se lamentava que a contenção orçamental revelada em várias rubricas "não tenha sido alargada às diversas categorias de despesa destinadas a financiar as actividades dos deputados, nomeadamente o seu subsídio de despesas gerais num montante de 51 588 EUR por ano, que escapa a toda e qualquer incidência fiscal".

Miguel Portas - Dinheiro dos deputados: a consciência e a carteira - 2011/10/26

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Política
Comentários (3)