You are here

Promiscuidade entre política e negócios marca governos de Jardim

A rede clientelar do PSD/Madeira estende-se pelos cargos dirigentes da administração pública, nos destinatários das adjudicações de obras ou nos subsídios entregues pelo Governo Regional. Com Jardim a comandar a política e Jaime Ramos os negócios.
Em 35 anos de poder, Alberto João Jardim alimentou carreiras e negócios a partir PSD/Madeira.

Algumas investigações publicadas na imprensa durante esta campanha eleitoral para as Regionais de 9 de Outubro permitem ter uma ideia mais clara da rede de clientelas que se move em torno do presidente do Governo Regional há mais de três décadas.

O Diário de Notícias da Madeira passou a pente fino as ligações empresariais de Jaime Ramos, o todo-poderoso secretário-geral e líder parlamentar do PSD/Madeira que aos 63 anos é dono de um autêntico império empresarial na Região. A SOMAGESCONTA SGPS é a empresa-mãe, detida a meias entre Jaime Ramos e o filho Jaime Filipe Ramos. Esta empresa tem participações em mais de vinte empresas em áreas que vão desde os media ao turismo e à construção civil, onde detém uma participação no capital da Construtora do Tâmega.

Segundo esta investigação, os negócios de Jaime Ramos na construção estendem-se a outros arquipélagos, com participação no capital de empresas de construção em Cabo Verde e e projectos imobiliários nos Açores. No Continente, detém uma empresa de aluguer de automóveis e uma sociedade gestora de participações, a Lisnetos.

Na área da comunicação, o parceiro de Jaime Ramos é Joaquim Oliveira, dono da Controlinveste. Os dois são sócios na Comunicamadeira, proprietária da Rádio Clube da Madeira, cuja sede é partilhada com a empresa que detém os alvarás de mais três emissoras.

Os nomes de Jaime Ramos e Jaime Filipe Ramos aparecem em dezenas de órgãos sociais de empresas, mas também de associações ligadas à construção e ao imobiliário. O DN da Madeira revela que em apenas um dia - 28 Fevereiro de 2007 - mudaram os órgãos sociais de 14 empresas do império de Jaime Ramos.

A juntar a tanta actividade empresarial, este deputado que se estreou na Assembleia Regional em 1980 ainda faz parte do Conselho de Administração da Fundação Social Democrata, que gere o vasto património de um partido que tem sede em todas as freguesias da Madeira. O filho segue as pisadas do pai: já é vice da bancada laranja e dirigente do PSD/Madeira e preside à Associação de Jovens Empresários Madeirenses.

As ligações do Governo Regional ao mundo do futebol também são conhecidas e passam sempre pelo Instituto do Desporto da Madeira, que já viu um presidente - Jaime Lucas - acusado pelo Ministério Público num caso que envolveu a construção de um clube de ténis. No mesmo processo estava António Candelária - autarca de Santana ligado à Fundação Social Democrata - acusado por prevaricação, abuso de poder, burla qualificada e corrupção. Candelária encontra-se actualmente no Brasil. Os presidentes dos dois maiores clubes - Marítimo e Nacional - são também empresários ligados à construção e imobiliário que fazem negócios com o Governo Regional.

O exercício de ligar os nomes que preenchem os lugares-chave da administração pública da Região aos cargos de nomeação política e ao aparelho do PSD/Madeira permite verificar a teia de relações familiares onde cabem os filhos dos políticos mais importantes, a começar por Alberto João Jardim: a filha mais nova do líder do PSD/Madeira é assessora do vice-presidente do governo, cuja esposa é assessora do Secretário Regional do Plano e das Finanças. Uma investigação publicada no Diário de Notícias do Continente esta terça-feira faz parte destas ligações num artigo apropriadamente intitulado de "As sete famílias e os 'boys' que mandam no Governo de Jardim".

Termos relacionados Política
Comentários (2)