You are here

11 de Setembro – Viragem

13 anos depois, republicamos este artigo de Miguel Portas, publicado em setembro de 2001, e onde afirmava: Os autores [dos atentados] “são a face terrível do imenso mal-estar que invade o mundo contemporâneo. E sem se ir às causas não haverá como escapar ao ciclo da barbárie”.
11 de Setembro visto de Chelsea – Foto de amanderson2/Flickr

Este texto, que disponibilizamos aqui em pdf, foi escrito por Miguel Portas em 2001 logo após os atentados e foi incluído no seu livro “E o resto é paisagem” publicado em 2002.

Miguel Portas alertava então:

“Não sei quem deu mais este passo no caminho da barbárie. Só sei que a resposta dos EUA – as guerras das estrelas e as defesas estratosféricas – são inúteis à luz da tragédia de 11 de Setembro.”

AttachmentSize
PDF icon miguel0911201.pdf2.22 MB
(...)

Resto dossier

Dez anos do 11 de Setembro

Neste dossier sobre o décimo aniversário dos atentados do 11 de Setembro de 2011, Tariq Ali assinala que “os EUA e os seus aliados europeus estão presos num pântano” e Chomsky refere que “os Estados Unidos, primeiro sob George W. Bush e depois sob Barack Obama, correram directamente para a armadilha de Bin Laden...”

11 de Setembro – Viragem

13 anos depois, republicamos este artigo de Miguel Portas, publicado em setembro de 2001, e onde afirmava: Os autores [dos atentados] “são a face terrível do imenso mal-estar que invade o mundo contemporâneo. E sem se ir às causas não haverá como escapar ao ciclo da barbárie”.

“A Grande Estratégia” depois da Guerra Perpétua do 11 de Setembro

15 anos depois do 11 de setembro, republicamos o artigo de Tariq Ali, escrito em 2011, onde assinalava que os EUA e os seus aliados europeus estão presos num pântano e sublinhava que, tirando a retórica de Obama, pouco divide esta administração americana da sua predecessora.

Havia alternativa? Revisitando o 11 de Setembro uma década depois

A resposta ao 11 de Setembro, um ataque maciço a uma população muçulmana, conduziu os Estados Unidos à 'armadilha diabólica' estendida por Bin Laden. O resultado foi que Washington continuou a ser o único aliado indispensável de Bin Laden, mesmo após a sua morte.

Lições Dolorosas do 11 de Setembro: O Império devora-se a si próprio

É possível que muitos americanos queiram fazer uma pausa para reconhecer – ou esquecer – as reacções, nomeadamente as reacções excessivas, ao 11 de Setembro que têm prejudicado o nosso país. Como, nesta perspectiva de futuro, podemos respeitar o dia 11 de Setembro? Por Ralph Nader

Durante dez anos evitámos a única pergunta que conta

A motivação para os ataques foi escamoteada até no relatório oficial sobre o 11 de Setembro.

Os crimes de guerra que se seguiram ao 11 de Setembro

Durante as comemorações do 11 de Setembro, esta semana, é da responsabilidade de toda a gente dedicada à paz e à justiça, honrar as vítimas da "guerra de terror" dos Estados Unidos. Editorial do Socialist Worker

"EUA têm mais inimigos hoje do que tinham em 2001"

Todos os Estados caem na tentação de responder à provocação terrorista com o terrorismo de Estado. A reacção dos EUA depois dos atentados de 11 de Setembro trouxe-lhes mais inimigos do que os que tinham no dia 10 de Setembro à tarde. Entrevista a François Bernard Huyghe, professor de Ciências Políticas. Por Eduardo Febbro, correspondente da Carta Maior em Paris