You are here

Os Murdoch têm que parar de manipular e demitirem-se na sequência do escândalo das escutas ilegais

A máquina de relações públicas da NewsCorp colocou a sobrevivência do grupo empresarial acima da verdade, mas está na hora dos Murdoch pararem de sacudir as responsabilidades. Por Robert Greenwald, o autor do documentário Outfoxed - Rupert Murdoch's War on Journalism.
Robert Greenwald diz que "o público merece que os Murdoch sejam responsabilizados pela sua gestão deficiente e corrupta".

“Outfoxed” foi realizado, em 2004, com o objectivo de denunciar a guerra que Rupert Murdoch declarou ao jornalismo. Procurámos esclarecer neste documentário, a partir de uma análise da Fox News, o modo como a NewsCorp apagou, há muito, a linha que separa os interesses empresariais da ética jornalística. “Outfoxed” oferece uma profunda reflexão sobre os perigos que representam os grupos económicos cada vez mais concentrados, nomeadamente o risco de os mesmos se apropriarem do direito de informar o público. Podemos incluir entre estes perigos o jornalismo sem escrúpulos e o papel que os gabinetes de relações públicas têm no falseamento da apresentação honesta dos factos.

Este tema repetiu-se ontem quando Rupert e James Murdoch foram ouvidos no parlamento: o seu testemunho assemelhou-se mais a um guião preparado por uma empresa de relações públicas do que a reacção honesta e íntegra a um inquérito – para além de ter constituído uma tentativa de distorcer o debate público acerca da perda de reputação por parte de algumas empresas.

Se os seus testemunhos forneceram de facto alguma informação, tal informação só poderá indicar quão interessados os Murdoch estão em promover uma espiral de ignorância obstinada. As suas declarações levar-nos-iam a pensar que estes dois homens de negócios incrivelmente empenhados não tinham, de há muito, qualquer conhecimento sobre o que estava a acontecer na sua empresa.

James Murdoch declarou-se “chocado e surpreendido”ao tomar conhecimento do pagamento das custas legais do processo movido a Glenn Mulcaire, o detective privado contratado para efectuar as escutas ilegais e preso [desde 2006]. Rupert Murdoch alegou desconhecer quaisquer acordos estabelecidos com vítimas de escutas ilegais à margem dos tribunais.

Este retrato de ignorância em relação aos factos permitiu aos Murdoch atribuírem culpas a todos excepto a si próprios. A resposta de Rupert Murdoch a uma pergunta sobre a possibilidade da sua própria demissão foi a seguinte: “Não, porque eu sinto que pessoas em quem eu confiava me decepcionaram, só não sei até que ponto, acho que estas pessoas se comportaram vergonhosamente, traíram-me a mim e à empresa, cabe-lhes a eles pagarem por isso.”

Aparentemente, na sua própria lógica, Murdoch não era totalmente responsável pela empresa que se comportou vergonhosamente e que, em boa verdade, traiu e decepcionou o público.

Conforme foi noticiado recentemente, os Murdoch contrataram os serviços da empresa Edelman Public Relations com o objectivo de esta os ajudar a dissipar as nuvens mais negras e desviar os ventos mais fortes desta crise. E é esta mesma empresa a que defendeu anteriormente a Walmart – em parte financiando um blogue pró-Walmart, intitulado Walmarting Across America, supostamente dirigido por dois indivíduos que vieram a revelar-se, mais tarde, espiões industriais a soldo na área das relações públicas, os quais “pescavam” a coberto de objectivos profissionais.

Os Murdoch já se desculparam de diversas formas desde que a Edelman entrou neste processo, tendo até introduzido o termo «humilde» no seu vocabulário. Por outro lado, tornaram-se igualmente inexpugnáveis na sua confissão de inocência e de ignorância: não fizeram nada de errado, não tomaram conhecimento de coisa alguma e definitivamente não poderão assumir qualquer responsabilidade.

Se este escândalo concorre para aclarar o quer que seja, será a importância de se prestar um serviço de informação honesto e norteado pela verdade – uma tendência muito rara neste enredo de corrupção. Não são necessários mais espectáculos de relações públicas, os quais não têm outro objectivo senão distrair o público dos factos e da verdade. O que urge neste momento é uma investigação legal exaustiva, justa e robusta às acções ilícitas de todos os envolvidos. O género de informação honesta que a NewsCorp se mostrou incapaz de prestar. Outfoxed foi, há alguns anos atrás, o canário da mina. O escândalo recente tem soado como uma sirene neste caso inegável de corrupção.

É tempo de sabermos a verdade. E vai sendo tempo de os Murdoch e a NewsCorp acabarem com as suas mentiras e urdiduras. Os Murdoch são responsáveis pelos actos praticados na sua empresa e o público merece que sejam responsabilizados pela sua gestão deficiente e corrupta. O único modo de preservar a integridade da justiça e do jornalismo, e à medida que não cessam de vir a público novos testemunhos sobre os actos de corrupção por parte dos envolvidos neste escândalo, é a demissão de ambos os Murdoch. Nessa altura, a empresa de relações públicas que estes contrataram poderá propalar o que quiser, no entanto, já não prejudicará mais o interesse público.


Publicado no jornal Guardian.

Tradução de Pedro Sena para o esquerda.net.

(...)

Resto dossier

Escutas do império Murdoch

Um grupo mediático controla e amedronta o poder político. Durante anos, conseguiu espiar ilegalmente a vida de muita gente em Inglaterra. Manteve ligações próximas ao primeiro-ministro David Cameron, que contratou um dos implicados no escândalo para o governo e negociava a entrega da maior rede de pay-TV do país a Rupert Murdoch | Dossier organizado por Luís Branco.

O homem do lixo

A queda de Murdoch é uma boa notícia para a liberdade de imprensa e para a democracia, independentemente do terramoto político que venha ainda a provocar. Por Luís Branco

"O grupo Murdoch negoceia poder"

Nick Davies é o jornalista do Guardian que investigou nos últimos três anos as escutas ilegais no News of the World. Aqui está o resumo da entrevista que deu a Amy Goodman e Juan Gonzalez, do Democracy Now.

Tudo o que é sólido se dissolve no ar

A comunicação social é um negócio e nela os jornalistas têm cada vez menos força. Não são artesãos livres, mas empregados que têm de criar produtos e notícias que vendam. Por Nuno Ramos de Almeida.

Quem é quem no escândalo das escutas ilegais?

Aqui está o perfil resumido dos protagonistas do escândalo das escutas ilegais do lado do News of the World e as suas ligações à política e à polícia do Reino Unido. Quem são James Murdoch, Rebekah Brooks, Andy Coulson, Paul Stephenson, Andy Hayman e Sean Hoare?

Os Murdoch têm que parar de manipular e demitirem-se na sequência do escândalo das escutas ilegais

A máquina de relações públicas da NewsCorp colocou a sobrevivência do grupo empresarial acima da verdade, mas está na hora dos Murdoch pararem de sacudir as responsabilidades. Por Robert Greenwald, o autor do documentário Outfoxed - Rupert Murdoch's War on Journalism.

Os oportunos críticos de Murdoch

Desfrutar do escândalo colossal que está a atingir o império mediático de Rupert Murdoch é quase um dever cívico, mas alguns que sabiam mais estão a fingir o choque e a indignação. Por Mark Steel.

“Murdoch modela a política inglesa há 40 anos”

Murdoch usou o jornalismo de escândalos sexuais para atacar a ala esquerda do Partido Trabalhista e em seguida ajudou a criar Tony Blair. Entrevista com Leo Panitch, professor de Ciências Políticas da Univ. Nova Iorque.

Como a imprensa Murdoch defende o segredo sujo da Austrália

Diz-se que a escuta ilegal de gente famosa feita pelo News of the World é o Watergate de Rupert Murdoch. Mas será mesmo este o crime por que Murdoch devia ser conhecido? Na sua terra natal, a Austrália, Murdoch controla 70 por cento da imprensa da capital. A Austrália é a primeira murdochracia do mundo, em que o poder é a difamação pelos media. Por John Pilger.

Porque atirei uma tarte à cara do Rupert Murdoch

Alguns podem pensar que a minha acção jogou a favor de Murdoch, mas eu fi-la por todas as pessoas que não puderam. Por Jonnie Marbles, o comediante activista que atirou uma tarde de espuma a Rupert Murdoch no final da audição parlamentar.

News of the World, o poder do medo

Os conglomerados mediáticos sentem-se em condições de fazer o que quiserem. Eles tornam-se tão poderosos que se desobrigam de cumprir as normas legais e éticas que anunciam defender. É, portanto, indispensável que se controle a propriedade cruzada e as condições de criação das redes de radiodifusão. Por Venício Lima.

Condenação de Tommy Sheridan pode ser anulada

As revelações sobre as ilegalidades cometidas pela News International deram nova esperança aos apoiantes do ex-líder do Partido Socialista Escocês, actualmente na prisão. Por James Doleman.