You are here

Porque atirei uma tarte à cara do Rupert Murdoch

Alguns podem pensar que a minha acção jogou a favor de Murdoch, mas eu fi-la por todas as pessoas que não puderam. Por Jonnie Marbles, o comediante activista que atirou uma tarde de espuma a Rupert Murdoch no final da audição parlamentar.
Imagem de Jonnie Marbles no momento em que recolhe o prato já sem espuma.

Primeiro ponto: eu não odeio octogenários. Não tenho uma vendetta contra os maiores de 80 que gostam de depor relutantemente em comissões parlamentares. Nem tenho o hábito de atacar magnatas dos media nas televisões internacionais. Ontem foi, espero eu, uma vez sem exemplo.

Se você tem uma mente sã, poderá sensatamente perguntar o que foi que me possuiu para entrar clandestinamente com uma tarte de espuma de barbear em Portcullis House e atirá-la à (embora, infelizmente, não para dentro da) cara  de um dos homens mais ricos e poderosos do mundo. Não o fiz para ter mais seguidores no Twitter. Simplesmente fi-lo por todos os que não puderam.

Não é difícil encontrar razões para não gostar de Rupert Murdoch. O seu poder é uma das forças mais insidiosas e tóxicas na política global hoje em dia. O escândalo das escutas, por mais vil que seja, mal arranha a superfície dos estragos feitos pela News International. É um império mediático assente na fraude e na cólera, que trafica acrimónia como sendo debate e não tem problemas em lubrificar as rodas do poder até que virem a seu favor. Para mais, independentemente dos ressentimentos que ele semeia naqueles que nunca conheceu, o seu poder e dinheiro mantêm-no para sempre em segurança e fora do seu alcance.

Sim, é verdade que o poder de Murdoch está a minguar. Mas é igualmente verdade que ele nunca enfrentará a verdadeira justiça. A comissão parlamentar de ontem já era uma farsa antes da espuma ter deixado os meus dedos: um painel de desdentados a confrontar homens demasiado escorregadios para serem apanhados entre as suas gengivas.

Eu estava cheio de esperança enquanto Tom Watson interrogava Murdoch Sr. implacavelmente, com a paixão e o vigor que podíamos achar ser a norma quando os nossos representantes eleitos enfrentar os autores dum novo Watergate. Por alguns momentos resplandecentes ainda pensei que veria a justiça a ser feita, guardava a tarte no bolso e poupava-me a uma noite na cadeia. Mas foram momentos curtos: enquanto membro da comissão após membro da comissão iam debilmente espicaçando à volta do assunto e Murdoch Jr. começou a mandar, eu soube que ia ter mesmo de fazer figura de urso.

Para ser franco, não pensava chegar tão longe, mas a segurança parlamentar, com os seus polícias empunhando metralhadoras e as suas máquinas de Raio X espalhadas, aparentemente não dão luta a um homem com pratos cobertos de espuma no seu saco. Então, assim chegado à sala da comissão, fui sendo ajudado por alguma sorte não desejada. A minha ideia foi sempre esperar pelo fim da audição antes de lançar a minha cruzada circense e quando o penúltimo orador acabou muitas pessoas saíram, deixando-me caminho aberto para Murdoch. Foi um sentimento horrível: tinha o plano, a tarte e já não sobravam desculpas.

Quis libertar uma onda de polémica quando avancei para isto. Como se viu, tudo aquilo foi demasiado esquisito para conseguir juntar dois pensamentos, em especial quando a esposa de Murdoch se levantou para prevenir e vingar a humilhação do marido. Mesmo assim, estou contente por ao menos ter conseguido fazer passar o eufemismo certeiro de que ele é um "bilionário maroto".  
 
Enquanto definhei como era esperado nessa noite numa cela de prisão, reflecti sobre se as pessoas iriam compreender porque fiz aquilo. Sabia que era pedir muito: uma acção surreal para expor um processo surreal nunca seria pêra doce. Preocupava-me também que a minha palhaçada fosse diminuir o escândalo, ou trazer comiseração por Murdoch.

Acreditem ou não, eu até estava preocupado com os sentimentos de Murdoch. Vejam bem, eu realmente não odeio octogenários e afinal de contas Rupert Murdoch é só um homem velho. Talvez tenha tentado lembrar toda a gente disso – que ele não é todo-poderoso, não é Sauron nem Belzebu, é apenas um ser humano como todos nós, mas alguém que se dá a si próprio demasiada importância.
 


Artigo publicado originalmente no Guardian

(...)

Resto dossier

Escutas do império Murdoch

Um grupo mediático controla e amedronta o poder político. Durante anos, conseguiu espiar ilegalmente a vida de muita gente em Inglaterra. Manteve ligações próximas ao primeiro-ministro David Cameron, que contratou um dos implicados no escândalo para o governo e negociava a entrega da maior rede de pay-TV do país a Rupert Murdoch | Dossier organizado por Luís Branco.

O homem do lixo

A queda de Murdoch é uma boa notícia para a liberdade de imprensa e para a democracia, independentemente do terramoto político que venha ainda a provocar. Por Luís Branco

"O grupo Murdoch negoceia poder"

Nick Davies é o jornalista do Guardian que investigou nos últimos três anos as escutas ilegais no News of the World. Aqui está o resumo da entrevista que deu a Amy Goodman e Juan Gonzalez, do Democracy Now.

Tudo o que é sólido se dissolve no ar

A comunicação social é um negócio e nela os jornalistas têm cada vez menos força. Não são artesãos livres, mas empregados que têm de criar produtos e notícias que vendam. Por Nuno Ramos de Almeida.

Quem é quem no escândalo das escutas ilegais?

Aqui está o perfil resumido dos protagonistas do escândalo das escutas ilegais do lado do News of the World e as suas ligações à política e à polícia do Reino Unido. Quem são James Murdoch, Rebekah Brooks, Andy Coulson, Paul Stephenson, Andy Hayman e Sean Hoare?

Os Murdoch têm que parar de manipular e demitirem-se na sequência do escândalo das escutas ilegais

A máquina de relações públicas da NewsCorp colocou a sobrevivência do grupo empresarial acima da verdade, mas está na hora dos Murdoch pararem de sacudir as responsabilidades. Por Robert Greenwald, o autor do documentário Outfoxed - Rupert Murdoch's War on Journalism.

Os oportunos críticos de Murdoch

Desfrutar do escândalo colossal que está a atingir o império mediático de Rupert Murdoch é quase um dever cívico, mas alguns que sabiam mais estão a fingir o choque e a indignação. Por Mark Steel.

“Murdoch modela a política inglesa há 40 anos”

Murdoch usou o jornalismo de escândalos sexuais para atacar a ala esquerda do Partido Trabalhista e em seguida ajudou a criar Tony Blair. Entrevista com Leo Panitch, professor de Ciências Políticas da Univ. Nova Iorque.

Como a imprensa Murdoch defende o segredo sujo da Austrália

Diz-se que a escuta ilegal de gente famosa feita pelo News of the World é o Watergate de Rupert Murdoch. Mas será mesmo este o crime por que Murdoch devia ser conhecido? Na sua terra natal, a Austrália, Murdoch controla 70 por cento da imprensa da capital. A Austrália é a primeira murdochracia do mundo, em que o poder é a difamação pelos media. Por John Pilger.

Porque atirei uma tarte à cara do Rupert Murdoch

Alguns podem pensar que a minha acção jogou a favor de Murdoch, mas eu fi-la por todas as pessoas que não puderam. Por Jonnie Marbles, o comediante activista que atirou uma tarde de espuma a Rupert Murdoch no final da audição parlamentar.

News of the World, o poder do medo

Os conglomerados mediáticos sentem-se em condições de fazer o que quiserem. Eles tornam-se tão poderosos que se desobrigam de cumprir as normas legais e éticas que anunciam defender. É, portanto, indispensável que se controle a propriedade cruzada e as condições de criação das redes de radiodifusão. Por Venício Lima.

Condenação de Tommy Sheridan pode ser anulada

As revelações sobre as ilegalidades cometidas pela News International deram nova esperança aos apoiantes do ex-líder do Partido Socialista Escocês, actualmente na prisão. Por James Doleman.