You are here

Ópera de Verdi torna-se uma manifestação contra o governo

Num concerto em que estava presente Berlusconi, o maestro Riccardo Muti pede que todos cantem a ária “Va Pensiero” da ópera “Nabucco” e diz: “ tenho vergonha do que ocorre no meu país”.
Cantora do coro emocionada, no final da ária.

No dia 12 de Março deste ano, a ópera de Roma foi palco de um acontecimento que marca bem a crise a que chegou a credibilidade e o apoio do primeiro-ministro Silvio Berlusconi que, aliás, estava presente.

No cartaz estava a ópera Nabucco, de Giuseppe Verdi, dirigida pelo maestro Riccardo Muti, um dos mais famosos e internacionais maestros italianos. Festejava-se o 150º aniversário da fundação da República italiana com a obra de Verdi que é considerada o símbolo na unificação italiana – e particularmente uma ária, a “Va Pensiero”, o canto dos escravos oprimidos, que fala da “minha pátria tão bela e perdida”.

Antes de o concerto começar, já tinha ocorrido algo inédito: Gianni Alemanno, presidente da câmara de Roma e do mesmo partido do poder, subiu ao palco para denunciar os cortes no orçamento da cultura feitos pelo governo Berlusconi.

O maestro Ricardo Muti fez ao Times o relato do que se passou em seguida:

“Logo no início, houve uma grande ovação no público. Depois, começámos a ópera. Correu muito bem, mas quando chegámos à famosa ária 'Va Pensiero', senti imediatamente que a atmosfera se tornava muito tensa no público. Há coisas que não se consegue descrever, mas que se sentem. Antes, reinava o silêncio do público. Mas no momento em que as pessoas viram que a 'Va Pensiero' ia começar, o silêncio se transformou num verdadeiro fervor. Podia sentir-se a reacção visceral do público à lamentação dos escravos que cantam: 'Oh minha pátria, tão bela e perdida'.”

Quando o coro estava a chegar ao fim, já se ouviam pedidos de “bis”. O público começou a gritar “Viva Verdi!” e “Viva a Itália!”.

Muti virou-se então para o público (e para Berlusconi) e disse:

“Sim, estou de acordo com isso, 'Viva a Itália'”. E prosseguiu, depois dos aplausos: “Já não tenho 30 anos e já vivi a minha vida, mas, enquanto italiano que muito percorreu o mundo, eu tenho vergonha do que ocorre no meu país. Por isso acolho o vosso pedido de 'bis' para o 'Va Pensiero'. Não é só pela alegria patriótica que sinto, mas porque esta noite, enquanto dirigia o coro que cantava 'Oh minha pátria, tão bela e perdida', pensei que se continuarmos assim, vamos matar a cultura na qual foi construída a história da Itália. E, se isso acontecesse, a nossa pátria estaria verdadeiramente 'bela e perdida'”.

Depois de novos aplausos, prosseguiu:

“Desde que reina por aqui um 'clima italiano', eu, Muti, calei-me por demasiados e longos anos. Queria agora... devíamos dar sentido a este canto; como estamos na nossa Casa, o teatro da capital, e com um Coro que cantou magnificamente, se estiverem de acordo, proponho-vos que se juntem a nós e cantemos todos em conjunto.”

O público levantou-se e todos cantaram. “Foi um momento mágico”, disse o maestro depois. “Não foi só uma representação do Nabucco, mas igualmente uma declaração do teatro da capital à atenção dos políticos”.

Muti fa cantare "Va pensiero" dal Nabucco di Verdi a Roma.mpg

Comentários (1)

Resto dossier

Referendos em Itália

A 12 e 13 de Junho, a Itália votou em 4 referendos, com uma participação superior a 57%. Nos 4 referendos o sim venceu, contra leis do governo e com percentagens de cerca de 95%. Os italianos votaram a favor da água pública, contra a energia nuclear e contra a lei que protegia Berlusconi de prestar contas à justiça.

A caminho de uma renovação democrática em Itália?

Escrito antes dos referendos, este artigo de Christophe Ventura analisa a derrota de Silvio Berlusconi, nas eleições municipais de 30 de Maio de 2011, e aponta que a democracia talvez esteja “a caminho da revitalização em Itália”.

Itália: um triunfo da democracia real

Triunfámos. Quórum superado, maioria esmagadora de sins. Os objectivos procurados conseguiram-se nos quatro referendos. É um feito excepcional, com muitos significados. Assinalemos alguns, em nossa opinião os mais importantes. Cada qual pode determinar, com toda a liberdade, a sua própria ordem de importância. Artigo de Pierluigi Sullo

Itália : um voto constituinte

Votou-se! Parece incrível, mas conseguimos fazer com que o povo soberano se pronunciasse sobre questões críticas para o nosso futuro, sem a mediação de partidos políticos ou burocracias. Artigo de Ugo Mattei, publicado no jornal italiano “Il Manifesto”.

Escrevemos uma bela página da história

A festa começou bem antes da contagem porque não tínhamos qualquer dúvida sobre o resultado final. Às 15h finalmente soubemos que 57% dos italianos tinham votado! Isto não sucedera num referendo desde 1995. por Raphaël Pepe, Attac Itália

Rumo a um manifesto pelos bens comuns

Nasceu um novo laboratório político e alcançou-se uma vitória que muito deve ao fórum dos movimentos pela água e a uma cidadania activa que progressivamente compreendeu a necessidade de se reconquistar e de ver afirmados os seus direitos. Por Alberto Lucarelli

Democracia participativa contra a ditadura do mercado

No 12 e 13 de Junho, os cidadãos recuperaram o direito soberano e constitucional de decidir sobre as suas vidas, e fizeram-no de forma inquestionável, desautorizando as instituições da chamada democracia representativa. Por Severo Lutrario, Attac Itália

Vídeos satíricos

A derrota de Berlusconi nos referendos deu origem a muitos vídeos satíricos no Youtube. Veja alguns.

Ópera de Verdi torna-se uma manifestação contra o governo

Num concerto em que estava presente Berlusconi, o maestro Riccardo Muti pede que todos cantem a ária “Va Pensiero” da ópera “Nabucco” e diz: “ tenho vergonha do que ocorre no meu país”.