You are here

Acções perante a cimeira do G20: As pessoas em primeiro lugar

Para os próximos dias, nomeadamente entre 28 de Março e até 2 de Abril, quando tem lugar a cimeira do G20, estão convocadas dezenas de acções para exigir ao G20 mudanças sociais, económicas e ambientais.
A mais importante parece ser a Marcha pelo emprego, pela justiça e pelo clima convocada para Londres para Sábado, 28 de Março.

A 2 de Abril de 2009 realiza-se a segunda cimeira do G20, com a presença dos chefes de Estado e de governo. A primeira teve lugar em Novembro passado em Washington.

A reunião do G20 vai debater a crise global com que o mundo se confronta.

A partir do Fórum Social Mundial diversas associações lançaram um apelo internacional para a realização de acções no próximo dia 28 de Abril, por ocasião da cimeira do G20 em Londres, exigindo um novo sistema económico e social.

Segundo o site francês stop-g20.org foram convocadas dezenas de acções na Grã-Bretanha, França, Alemanha (em Berlim e Frankfurt), Espanha (nomeadamente em Barcelona e Madrid), Áustria (em Viena), Noruega (em Oslo), Canadá (em Montreal) e Japão (Tóquio).

A marcha de Londres de 28 de Março está a ser convocada por um conjunto de associações muito amplo, incluindo os sindicatos britânicos, associações ambientais e de direitos humanos. O site putpeoplefirst.org.uk está a dinamizar esta campanha e esta acção.

Também para Londres, mas para dia 1 de Abril às 12.30 horas, está convocada uma acção pela Climate camp 09 climatecamp.org.uk

(...)

Resto dossier

Cimeira do G20

No 2 de Abril de 2009 encontraram-se em Londres os chefes de Estado e do governo do G20. A cimeira debateu a crise global. No Sábado, 28 de Março,realizou-se em Londres uma grande marcha, convocada por sindicatos, ONG's e movimentos sociais, sob o lema: "Ponham as pessoas em primeiro lugar".

Acções perante a cimeira do G20: As pessoas em primeiro lugar

Para os próximos dias, nomeadamente entre 28 de Março e até 2 de Abril, quando tem lugar a cimeira do G20, estão convocadas dezenas de acções para exigir ao G20 mudanças sociais, económicas e ambientais.
A mais importante parece ser a Marcha pelo emprego, pela justiça e pelo clima convocada para Londres para Sábado, 28 de Março.

G20: O que é

O G20 é um fórum económico criado em 1999, que junta os ministros das finanças e governadores de bancos centrais de 19 países mais a União Europeia. A iniciativa da sua criação pertenceu ao G8, o grupo dos 8 países mais ricos do mundo, após as sucessivas crises financeiras dos anos 90.
Em Novembro de 2008, pela primeira vez, realizou-se em Washington uma cimeira do G20 juntando os presidentes ou primeiros-ministros do grupo. Em 2 de Abril de 2009, em Londres, realizar-se-á a segunda cimeira.

O capitalismo que pague - as pessoas em primeiro lugar

Com milhões de empregos e lares sob ameaça, e o planeta à beira de uma catástrofe ambiental, não podia ser mais clara a necessidade urgente de uma acção global sobre a economia. Mas as discussões da cimeira dos líderes do G20 em Londres não vão dar soluções.

Sindicatos ao G20: meias-medidas não resolvem a combalida economia global

Numa pressão internacional sobre os governos do G20 para tirarem a economia global da recessão e empreenderem um novo curso para a criação de empregos, a regulação financeira e a governança global, os sindicatos de todo mundo estão a apresentar um conjunto comum de reivindicações aos seus governos nacionais. O plano sindical de cinco pontos, que inclui propostas políticas detalhadas, inclui as acções necessárias para combater a crise e construir uma economia mundial mais sustentável e justa para o futuro.

Do fim dos paraísos fiscais às taxas globais (relatório de Attac de França)

Um relatório da organização Attac de França, de que apresentamos aqui um resumo, aponta duas medidas urgentes a tomar para enfrentar a crise global: a supressão dos paraísos fiscais e a criação de taxas globais.

Por trás do G20 está sempre o G8!

O G20 vai reunir a 2 de Abril em Londres para discutir o nosso futuro e o do mundo. Poderá o G20 salvar o planeta dos efeitos da crise? Isto não está verdadeiramente na sua ordem de trabalhos. Não se espera que ele se ocupe, por exemplo, com a redistribuição da riqueza, com as taxas sobre as transacções financeiras e com as ecotaxas sobre o CO2, com as normas sociais. Vai sobretudo discutir a crise financeira, um pouco da crise económica e provavelmente da crise monetária. Vai endossar as questões comerciais à OMC e as questões ambientais à reunião de Copenhaga.

Apelo internacional

A partir de debates nos seminários do Fórum Social Mundial 2009, um conjunto de associações aprovou o apelo internacional: "Por um novo sistema económico e social: Coloquemos as finanças no seu devido lugar!".
Nele as organizações apelam a associações, sindicatos e movimentos sociais para que criem uma rede cidadã a favor de um novo sistema e a multiplicar as mobilizações em todo o mundo perante o G20, a partir de 28 de Março de 2009.