You are here

Os desafios do vencedor

Especialistas consultados pelo Página/12 assinalam que o presidente eleito Humala terá como principal desafio esquivar-se da pressão da direita económica a partir da sua estrutura partidária. Aconselham que não ceda “às chantagens” do mercado. Por Carlos Noriega.
Há uma enorme expectativa popular com a vitória de Humala. Foto de helixblue

Entre as associações empresariais, investidores e a direita, já se pode ouvir vozes exigindo que o presidente eleito Ollanta Humala não abandone o modelo económico neoliberal e nomeie o mais rápido possível para a presidência do gabinete e do Ministério da Economia pessoas que “tranquilizem os investidores, os mercados”. Na segunda-feira, a Bolsa de Valores caiu 11 pontos e isso redobrou as pressões dos agentes económicos sobre o próximo presidente.

“Diante das pressões muito fortes da direita económica, Humala precisa de uma grande habilidade política para não ceder nas suas propostas programáticas. Seria muito delicado se Humala formasse um gabinete ministerial fruto de concessões e não de negociações. E a negociação deve partir da premissa de que o vencedor é Humala”, assinalou Eduardo Toche, historiador e pesquisador principal do Centro de Estudos para o Desenvolvimento-Desco.

“Espero que Humala não ceda às pressões da direita económica. A correlação de forças não dá para que o faça. Caso ceda à chantagem e nomeie ministros pensando em contentar os mercados, então vai fragilizar-se. Que eles processem o seu susto, que a Bolsa baixe até que se tranquilizem”, disse a este jornal Nelson Manrique, analista político e professor da Universidade Católica. Manrique esclarece que no Peru “a alternativa não é capitalismo versus socialismo”, e que as propostas económicas de Humala passam por temas como uma reforma tributária para que as grandes empresas paguem mais impostos, aumentar o salário mínimo ou defender os direitos laborais, e que nisso não pode ceder. Acredita que a Humala terá mais facilidades para se entender com o capital transnacional do que com o capital nacional “porque as transnacionais são mais flexíveis para tratar com os governos e adequar-se a uma realidade que muda”.

Toche estima que o maior risco do presidente eleito diante das pressões da direita económica é a fragilidade da estrutura partidária que o apoia. “O grande problema de Humala é que não tem um partido político organizado por trás dele. Há uma enorme expectativa popular com a vitória de Humala, mas isso não se expressou num movimento social articulado. Acredito que tem poucas fichas para enfrentar as pressões da direita económica. Um primeiro grande movimento que deve fazer é demonstrar firmemente que o vencedor é ele. Até agora não o fez”.

“Está bem – acrescenta Toche – sair com um discurso de concertação, como fez na noite da vitória, mas devia ter posto mais ênfase em que o vencedor é ele e, portanto, é ele quem vai propor o programa e as regras de jogo nas negociações. A concertação deve dar-se sob a premissa de que o vencedor é Humala”.

“Humala – opina Manrique – move-se numa borda muito estreita, não pode deixar que os derrotados lhe imponham o programa, mas também não pode dizer ‘vencemos e fazemos o que queremos’. Tem de se colocar num ponto intermediário entre ambas as opções”. O analista político da Universidade Católica assinala que depois desta eleição “o Peru está dividido em dois” e o presidente eleito deve “tranquilizar aqueles que estão preocupados”. “Isso – afirma Manrique – implica uma aproximação com os sectores que estiveram confrontados com ele. Restam dois meses até que Humala tome posse e neste tempo deve criar uma ampla frente de concertação para garantir a governabilidade”. Esclarece que essa aproximação não deve incluir o fujimorismo. “É fundamental isolar os sectores mais cavernários, mais recalcitrantes. Concretamente, o fujimorismo”, disse.

Manrique assinala que o primeiro-ministro de Humala deve ser um independente. “Nestas eleições – precisa –, a fronteira se estabeleceu entre o fujimorismo, por um lado, e, por outro, aqueles que reclamavam memória, decência e dignidade. Um primeiro ministro independente que se adeqúe a estas três demandas seria o ideal”.

“Penso que o governo de Humala será de centro-esquerda”, afirma Nelson Manrique. Eduardo Toche, por sua vez, é da opinião de que “a vitória de Humala é um primeiro grande passo para começar a provocar mudanças necessárias, como combater a pobreza e a desigualdade. O sector social que votou em Humala deve organizar-se e construir uma alternativa”.

07-06-2011

Tradução do Cepat

Publicado no site do Instituto Humanitas Unisinos

(...)

Resto dossier

Viragem política no Peru

Ollanta Humala, do Partido Nacionalista Peruano e apoiado por vários partidos de esquerda, venceu as eleições no Peru, derrotando na 2ª volta Keiko Fujimori. A derrota significa uma mudança política em relação aos anteriores presidentes, todos neoliberais, e uma mudança geopolítica significativa. Neste dossier, o Esquerda.net procura analisar a importância e os limites desta mudança.

Humala na corda bamba

É muito provável que os indígenas e os pobres que votaram massivamente em Humala lhe exijam soluções para as suas reivindicações económicas, sociais, ambientais e democráticas, e entrem em conflito com um governo que nem quer nem pode enfrentar a direita. Por Guillermo Almeyra, La Jornada

A vitória de Ollanta

Resultado das eleições presidenciais fecha um longo ciclo de governos neoliberais e abre novas perspectivas para o país, ao mesmo tempo que fortalece o campo dos processos de integração regional. Por Emir Sader.

E agora, o que irá reservar o futuro para o Peru de Humala?

Humala herda um país extremamente dividido em termos socioeconómicos, em que a maior parte da população luta única e exclusivamente pela sobrevivência – por vezes literalmente. Por Sarah Wolf, Socialist Worker

Mudança de Jogo

Aqueles partidos políticos e governos que querem ter a certeza de que são eleitos, têm de prometer e concretizar mudanças económicas e sociais reais. Por Mark Weisbrot

Os desafios do vencedor

Especialistas consultados pelo Página/12 assinalam que o presidente eleito Humala terá como principal desafio esquivar-se da pressão da direita económica a partir da sua estrutura partidária. Aconselham que não ceda “às chantagens” do mercado. Por Carlos Noriega.

‘Vamos corrigir a política económica’, afirma Ollanta Humala

Em entrevista ao diário argentino Página/12, o presidente eleito diz que a pobreza no Peru deve-se a uma má distribuição da riqueza, afirma que vai cobrar o novo imposto sobre os lucros minerais, e promete creches gratuitas para crianças menores de 3 anos e uma pensão para os maiores de 65 anos que não têm esse tipo de ajuda. Entrevista de Carlos Noriega.

Presidente eleito defende maior presença estatal na economia

O imposto sobre os grandes lucros mineiros é umas das principais medidas do programa de Humala, junto com o pagamento de uma reforma a idosos excluídos, melhorias salariais, creches infantis e diminuição do preço do gás. Pela Prensa Latina.

Os dilemas de Ollanta

O triunfo de Ollanta Humala modifica sensivelmente o tabuleiro geopolítico regional num sentido contrário aos interesses imperiais. Por Atilio Boron