You are here

Interconexão entre as crises, entrevista com Eric Toussaint

"É preciso realizar uma ruptura radical", diz Eric Toussaint, ao comentar as soluções para resolver as crises mundiais, em entrevista exclusiva à IHU On-Line , publicada a 9 de Dezembro. Para ele, "é preciso romper com o capitalismo", mas de imediato, explica, é preciso tomar uma série de medidas urgentes para enfrentar as crises financeira, económica, alimentar e climática.

IHU On-Line - Como entender que as crises financeira, alimentar e climática estejam tão interligadas, uma influenciando a outra?

Eric Toussaint - É muito claro que há uma interconexão entre as crises financeira, alimentar e climática. A interconexão está ligada ao modo de produção que domina o Planeta hoje, ou seja, ao sistema capitalista. A busca do lucro privado máximo provocou nos últimos tempos uma evolução que resultou principalmente na crise financeira e na crise alimentar. A crise climática é resultado de uma evolução mais longa do capitalismo.

A crise financeira, por sua vez, é resultado do desregulamento do sistema bancário privado nos Estados Unidos e nas outras partes do Planeta, e também do desregulamento a nível do movimento de capitais. Há 20 anos, o Fundo Monetário Internacional (FMI), o Banco Mundial (BM) e outras instituições, assim como o governo dos países mais industrializados, cresceram, pois todos os controles que existiam durante décadas sobre o movimento de capitais foram suprimidos. Para países como o Brasil e outros emergentes, são os planos justamente estruturais recomendados pelo Banco Mundial e o Fundo Monetário que resultaram no abandono dos controles sobre o movimento de capitais. Há com isso, um desregulamento financeiro generalizado, o que permitiu às instituições bancárias privadas e a outras instituições financeiras criarem novos produtos financeiros que fogem a todas as regras. E essa lista é bastante longa. Pode-se tomar, por exemplo, os credit default swap (CDS), que consistem nestes seguros contra risco de falta de pagamento da dívida. Esses créditos representam o valor que é garantido, ou seja, mais de 50 mil milhões de dólares. Trata-se de uma quantidade absolutamente enorme que é garantida por produtos financeiros que ninguém controla. E há outras criações de produtos financeiros que chamamos de CDO etc. Estou falando rapidamente sobre este assunto. E simplesmente saliento que a partir do ano passado estas montagens financeiras, complexas, não regulamentadas, entraram em crise.

Crises financeira e económica geram declínio da economia

O segundo elemento da crise é a crise económica. Não há somente uma crise financeira; há uma crise económica que começou no sector imobiliário nos Estados Unidos, onde houve uma superprodução de imóveis. Assim, há uma crise financeira, ou seja, uma crise da dívida privada, e uma crise económica que, ao se misturar à crise financeira, produz agora uma crise económica que atinge a todos os sectores. Os mais atingidos são os sectores da produção de automóveis, da metalurgia em geral, o qual reduz a procura global que produz agora o declínio económico no sector de matérias-primas. Há uma queda muito forte no preço da matéria-prima desde o mês de Setembro de 2008.

Busca a qualquer preço pelo lucro gera fome e desequilíbrio no Planeta

A crise alimentar está ligada à crise financeira. Por quê? Porque uma série de grandes investidores financeiros, como o Fundo de Pensões, o Banco de Investimentos, o Banco de Negócios, os bancos comerciais, as companhias de seguros começaram a investir capitais no mercado de produtos alimentares. Os principais mercados de produtos alimentares são os de Chicago, de Minneapolis e de Kansas City, nos Estados Unidos. Grandes sociedades financeiras especularam sobre o preço de produtos alimentares, especialmente os cereais. E isto está ligado ao desregulamento financeiro. Mas a crise alimentar foi causada por outros factores: pela crise climática e pelo aumento da produção de agrocombustível, também conhecido como biocombustível. Isto vem, sobretudo, de uma mudança importante ocorrida a partir de 2005 nos países da América do Norte e Europa Ocidental. As grandes sociedades de agronegócios que produzem biocombustíveis convenceram o governo de Washington, a comissão europeia e os governos dos países da Europa Ocidental a subvencionarem a produção de biocombustíveis. É preciso saber que, nos países do norte, os biocombustíveis não são rentáveis, salvo se há uma subvenção do Estado. E o agronegócio pediu subvenções do Estado para que uma parte da produção alimentar fosse dirigida à produção de biocombustíveis. Então, com esse desvio, provocou-se uma redução da oferta de produtos alimentares, o que gerou um aumento muito forte no preço dos alimentos.

Sob o pretexto de combater a crise climática, o agronegócio convenceu o governo do norte a subvencionar a produção de biocombustíveis, argumentando que com isso reduziria a produção de gás carbónico. Mas, analisando este pretexto e alternando as subvenções, aumentou-se o preço dos alimentos e provocou-se a crise alimentar. É preciso acrescentar que muitos cientistas consideram a produção de biocombustíveis responsável pela libertação e a produção de uma quantidade importante de gás carbónico. Então, não é uma energia tão limpa quanto se afirma. Transforma-se alimentos em combustíveis, pois tornou-se rentável desviar a produção alimentar para fazer biocombustíveis.

Como analisei recentemente no artigo "Retour sur les causes de la crise alimentaire mondiale" ("Retorno sobre as causas da crise alimentar mundial"), é preciso dizer que a produção de biocombustíveis no Brasil, feita a partir da cana-de-açúcar, não é a responsável directa pelo aumento do preço dos alimentos, uma vez que ela não é um alimento directo nem é como os cereais. Entretanto, a produção desses biocombustíveis tem um péssimo efeito sobre o meio ambiente e sobre o clima, porque gera monocultura e conduz ao desmatamento. Além do mais, a produção de biocombustíveis faz-se através da exploração da mão-de-obra. Os cortadores de cana-de-açúcar fazem parte de um sector agrícola de trabalhadores que são explorados, mal pagos, enfrentam condições de trabalho absolutamente escandalosas, detestáveis.

IHU On-Line - O que fazer para resolver essas crises? Por que o senhor afirma que a conjugação destas crises mostra aos povos a necessidade de se libertarem da sociedade capitalista e do seu modelo produtivo?

Eric Toussaint - Penso que seja preciso realizar uma ruptura radical. A partir do momento em que se constata que a crise está ligada ao sistema capitalista, é preciso romper com o capitalismo. É claro que isso implica uma mudança revolucionária, mas antes de se chegar à revolução é preciso tomar uma série de medidas imediatas. Na área de finanças, é preciso restabelecer um controle muito rígido sobre o movimento de capitais e um controle sobre as operações de trocas de moeda. É preciso tomar o controle pelo poder público do sector bancário e nacionalizar os bancos que estão à beira da falência. Quando se nacionaliza estes bancos, é preciso recuperar o custo da operação da nacionalização, descontando a soma do salvamento bancário do património dos accionistas e dos grandes administradores das sociedades financeiras. Na área alimentar, precisamos proibir a especulação no mercado de produtos alimentares, reduzir radicalmente a produção de agrocombustíveis, ou, em todo o caso, a produção feita a partir de alimentos. Pode-se imaginar uma produção de agrocombustíveis, mas no quadro da agricultura familiar, rural, orgânica, e não uma produção em grandes indústrias. É preciso retornar a uma política de soberania alimentar e, para isso, precisamos de reformas agrárias. É preciso, evidentemente reduzir - se se quer combater a crise climática - radicalmente a produção de gás carbónico. Os países do norte devem fazer um esforço mais radical, pois há uma dívida climática ou ecológica que foi acumulada por eles no curso dos dois últimos séculos, desde o princípio da Revolução Industrial.

IHU On-Line - Qual é a importância, neste momento de crise, de discutir novos modelos energéticos?

Eric Toussaint - Essa discussão é fundamental. É preciso reduzir radicalmente a produção de gás carbónico. Radicalmente quer dizer reduzir a 80%, nos países do norte e 25% nos países do sul. Então, é preciso um novo modelo energético para utilizar doravante energias renováveis que emitam o mínimo de gás carbónico.

IHU On-Line - Como os países do Terceiro Mundo, no caso da América Latina, podem evitar maiores consequências da crise financeira internacional utilizando a abundância dos seus recursos naturais e renováveis? O senhor acha que deveria haver uma mudança de estratégia por parte dos governos?

Eric Toussaint - É preciso garantir a segurança e a soberania energética utilizando ao máximo os recursos naturais e renováveis. Então, a América Latina tem uma capacidade e um potencial enormes nesse sentido. É preciso dar prioridade a isso e abandonar as centrais térmicas. Além disso, países como o Brasil e a Argentina devem abandonar o modelo de energia nuclear. A Venezuela também quer produzir energia nuclear, mas deve abandonar esta perspectiva.

Os governos da América do Sul precisam abandonar o modelo capitalista produtivista, e nas outras áreas da actividade económica reduzir ao máximo as despesas, por exemplo, de grandes infraestruturas. Sou muito crítico ao projecto Iniciativa pela Integração da Infraestrutura Regional Sul-americana (IIRSA), lançado por Fernando Henrique Cardoso, e que visa dotar a América Latina de grandes infraestruturas - destruidoras do meio-ambiente -, e de grandes consumidoras de energias e de materiais. Há muito a ser melhorado na comunicação entre os países da América Latina. Por isso, os governos deveriam investir em caminhos de ferro ao invés de estradas.

IHU On-Line - Qual a importância, neste momento, de lutar pela anulação da dívida dos países do Terceiro Mundo? As chances aumentam ou diminuem?

Eric Toussaint - Está a nascer uma nova crise da dívida, com a qual os países da América Latina estão confrontados. A crise da dívida é produzida por dois fenómenos: a baixa das receitas de exportação, devido à baixa do preço das matérias-primas que a América Latina exporta para o mercado mundial, e o aumento do custo do crédito nestes últimos meses por casa da crise bancária nos países do norte. Os banqueiros do norte não querem emprestar dinheiro aos países do sul, então eles exigem uma remuneração mais elevada. Configura-se, assim, uma nova crise da dívida. Se quisermos afrontar esta situação, é preciso multiplicar as auditorias da dívida em todos os países da América Latina, identificar as dívidas ilegítimas e suspender o pagamento delas. Hoje isso é mais necessário do que nunca.

IHU On-Line - Na nova configuração social, marcada pela revolução cultural e tecnológica (suponha um desprendimento da sociedade industrial), qual o papel dos pequenos produtores (no caso da agricultura)?

Eric Toussaint - Este papel é primordial. Ele é fundamental no novo modelo de sociedade que deve romper com o capitalismo produtivista. A agricultura familiar orgânica deve constituir a actividade principal para produzir alimentos de qualidade, garantindo a soberania alimentar dos povos. Isso é válido para todos os países. É preciso uma grande reforma agrária e um apoio dos governos aos pequenos produtores.

IHU On-Line - Com essa junção de crises, como fica a imagem do capitalismo e do neoliberalismo? O senhor vislumbra uma mudança de parâmetros nesse sentido? Estamos chegando ao fim da era neoliberal?

Eric Toussaint - Assistimos à crise do sistema capitalista. Não é simplesmente a crise da versão neoliberal do capitalismo, mas uma crise muito mais profunda. Claro que o capitalismo não irá morrer por si mesmo. Ele desaparecerá pela acção consciente dos povos. É preciso, então, uma acção decisiva e consciente da sociedade para colocar fim a este sistema e substituí-lo por um modelo socialista e democrático. Estamos no final da era neoliberal, caminhando em direcção ao socialismo do século XXI.

IHU On-Line - É possível pensar que no futuro a energia será produzida e consumida no mesmo local? Qual a viabilidade desse projecto?

Eric Toussaint - Sim. Penso que em muitos lugares do Planeta isso é perfeitamente possível. É claro que haverá sempre a necessidade de deslocar uma parte da energia. Ou seja, será preciso distribuir a energia por um sistema de distribuição eléctrica, por exemplo. Mas poderá produzir-se o máximo de energia renovável no local. E preciso substituir as grandes barragens por um sistema muito mais leve e inteligente de barragem.

Entrevista de Graziela Wolfart e Patricia Fachin, divulgada também pelo blogue Outra política

Eric Toussaint é doutor em Ciências Políticas, pela Universidade de Liége, Belgica, y pela Universidade de Paris VIII, França. É autor de A Bolsa ou a Vida (Fundação Perseu Abramo, SP, 2002).

(...)

Resto dossier

Crise Económica Mundial

Enquanto se generaliza a recessão nos Estados Unidos, na Europa e no Japão, a crise financeira assume a sua verdadeira dimensão enquanto crise económica mundial. O Esquerda.net encerrou o dossier Crise Financeira Internacional (que pode ser consultado aqui) e abre agora um novo dossier Crise Económica Mundial, com novos textos e actualização permanente. Consulte-o frequentemente.

Capitalistas Loucos

Por trás do debate sobre como refazer a política financeira norte-americana, estará o debate sobre de quem é a culpa. É crucial expor a história de forma correcta, escreve um economista Prémio Nobel, identificando cinco erros chave - sob as administrações Reagan, Clinton e Bush II - e uma desilusão nacional.

Interconexão entre as crises, entrevista com Eric Toussaint

"É preciso realizar uma ruptura radical", diz Eric Toussaint, ao comentar as soluções para resolver as crises mundiais, em entrevista exclusiva à IHU On-Line , publicada a 9 de Dezembro. Para ele, "é preciso romper com o capitalismo", mas de imediato, explica, é preciso tomar uma série de medidas urgentes para enfrentar as crises financeira, económica, alimentar e climática.

Financeiros ou simplesmente vigaristas?

Querem-nos fazer acreditar que o caso de Madoff é isolado, mas não é. A fraude deste é particular, devido à sua imensa envergadura. Mas o que acaba de se descobrir é a versão extrema da fraude financeira dos nossos dias, a vigarice palpável e elementar. E o facto de os banqueiros mais poderosos do planeta terem caído nela mostra que não se trata de um acidente, mas a consequência da generalização de uma estratégia orientada para tirar rendimento de onde quer que seja.

Corrupção: Não há expulsões do paraíso fiscal

A última tentativa internacional para combater os paraísos fiscais foi um fracasso. Cerca de 200 especialistas em finanças internacionais reuniram-se no mês passado em Monte Carlo para estudar regras mais duras contra a evasão fiscal. Esta cidade fica no principado do Mónaco, sul da França, um dos mais famosos paraísos fiscais da Europa.

Stiglitz: Preservar as instituições financeiras não é um fim em si

Muito pouco está a fazer-se para apoiar os bancos que fazem realmente o que se espera que façam - emprestar dinheiro e autorizar crédito, diz o prémio Nobel da economia Joseph Stiglitz neste artigo publicado no diário britânico Guardian. Para o economista norte-americano, os termos do plano de salvação de Bernanke-Paulson foram desvantajosos para quem paga impostos, e contudo, apesar da sua dimensão, muito pouco foi conseguido para estimular a concessão de crédito.

Os horrores da “estagdeflação”

A economia dos EUA e mundial corre o risco de uma severa "estagdeflação", uma combinação mortífera de estagnação/recessão económica e deflação. Uma recessão mundial severa resultará em pressões deflacionárias. A queda na procura resultará em inflação mais baixa, à medida que as empresas cortem preços para reduzir os seus estoques excedentes.

Fundos soberanos: quando os Estados investem na finança

Um fundo de investimento soberano para defender a indústria francesa: eis um dos projectos-base de Nicolas Sarkozy que ganha corpo com o anúncio, na quinta-feira 20 Novembro, da afectação de um "fundo de investimento nacional". É o exemplo mais recente de uma tendência mundial: cada vez mais Estados investem na finança internacional.

A ciência económica vai nua

É das escolas de economia e gestão de todo mundo, sobretudo dos Estados Unidos, que tem saído uma boa parte dos operadores dos mercados financeiros e gestores de topo que lentamente acumularam decisões insustentáveis culminando na actual crise. Esta crise é também por isso um colapso teórico, uma falência de um modo de ver.

Mãos livres

Para combater a crise, os Estados Unidos optaram pela via imperial de emitir dinheiro, o que em última instância descarregará o seu custo sobre as costas do resto do mundo. Quer dizer: os Estados Unidos voltarão a actuar, como nos anos 80, sem pensar em nada mais que no seu próprio interesse estratégico e seja qual for o custo que isso implique para os demais.

Os desacreditados

Depois da queda da Bolsa, a queda dos intelectuais: entre as vítimas colaterais do naufrágio financeiro contam-se o punhado de economistas que espalham a boa-nova na comunicação social. Liberalização, desregulamentação, privatização: o seu credo resume-se em três palavras. Quando até um relógio parado acerta na hora duas vezes ao dia, estes "especialistas" exibiram uma constância no erro. Analisar as suas propostas contribui para evitar que sejam subitamente apagadas, como aconteceu com as dos banqueiros.

Bensaid: "Passámos a fase dos slogans simpáticos dos fóruns sociais"

De passagem pelo Brasil, o filósofo e cientista político francês concedeu uma entrevista exclusiva à Carta Maior, na qual analisa a crise financeira, comenta as situações dos EUA e da Europa e aponta os desafios para a esquerda construir uma alternativa ao modelo actual.

A crise, até onde?

Os peritos estão de guarda contra a recessão mais forte desde o pós-guerra no países desenvolvidos. Falência de empresas e a degradação das economias familiares (e particularmente aqueles demasiado pobres) fragilizam as instituições financeiras.

Michel Husson: "Não acredito na derrocada do capitalismo"

Crise do capitalismo, abrandamento dos países emergentes, intensificação das divergências no seio da zona euro, novo «Bretton Woods»: Michel Husson, economista no Institut de recherches économiques et sociales, membro da Attac, analisa o grande sismo económico em curso.

Crise: Salário contra dividendos

Só há uma solução: pôr fim ao retrocesso salarial. modificar a distribuição das riquezas: menos dividendos, mais salários e investimentos sociais. A margem de manobra é considerável, já que os dividendos distribuídos pelas sociedades não-financeiras representam, hoje, 12% de sua massa salarial, contra 4%, em 1982.

Interligação das Crises, por Eric Toussaint

A explosão das crises alimentar, económica e financeira em 2007-2008 mostra o quão interligadas estão as economias do planeta. Para resolver estas crises é necessário arrancar o mal pela raiz.

No hemisfério Sul, quantas divisões?

A crise financeira que vai mobilizar mais de mil biliões de fundos públicos de um lado e de outro do Atlântico para tentar "salvar" um sistema bancário que, sem eles, corre o risco de levar consigo tudo o resto, é apenas um caso que só diz respeito a dispositivos financeiros? Não, infelizmente.

Garantimos o sistema, e quem nos garante a nós?

O mundo que conhecíamos entrou em Crise. Temos motivos para preocupação? Claro que sim, mas quais? O que é que os cidadãos comuns, que pouco percebem de Credit default Swaps ou de produtos estruturados, podem esperar desta derrocada financeira?

O horizonte a médio prazo da economia mundial

Quando vivemos uma conjuntura tão convulsiva como a actual, é quiçá mais arriscado que nunca tecer cabalas sobre a evolução a médio prazo da economia mundial. Ainda que também seja verdadeiro que nestes momentos de perturbação é seguramente quando melhor se podem adivinhar os espaços de tensão que a afectam.

“Na terra dos Ricos”…

O mundo que conhecíamos entrou em Crise. Qual a origem, afinal, da crise que ameaça levar à falência as maiores, mais ricas, e mais estáveis economias do mundo?

Observações sobre o desastre económico

Para um leitor de Karl Marx, os delineamentos e desdobramentos da actual crise bancária e financeira são como uma ilustração exemplar e quase didáctica da sua explicação do capitalismo.