You are here

Stiglitz: Preservar as instituições financeiras não é um fim em si

Muito pouco está a fazer-se para apoiar os bancos que fazem realmente o que se espera que façam - emprestar dinheiro e autorizar crédito, diz o prémio Nobel da economia Joseph Stiglitz neste artigo publicado no diário britânico Guardian. Para o economista norte-americano, os termos do plano de salvação de Bernanke-Paulson foram desvantajosos para quem paga impostos, e contudo, apesar da sua dimensão, muito pouco foi conseguido para estimular a concessão de crédito.

Preservar as instituições financeiras não é um fim em si, mas um meio para atingir um fim. É o fluxo do crédito que é importante

Por Joseph Stiglitz, publicado originalmente no Guardian.

Agora somos todos keynesianos. Até a direita dos EUA se juntou ao campo keynesiano com desenfreado entusiasmo e a uma escala que ainda há algum tempo seria verdadeiramente inimaginável.

Para aqueles de nós que sempre afirmaram alguma ligação à tradição keynesiana, é um momento de triunfo, depois de termos sido abandonados, quase proscritos, por mais de três décadas. A um determinado nível, o que hoje acontece é um triunfo da razão e da evidência sobre a ideologia e o interesse.

A teoria económica há muito que explicou porque os mercados sem restrições não se auto-corrigem, porque é necessária regulação, porque é que os governos têm um importante papel a desempenhar na economia. Mas muitos houve, em especial dentre os que trabalhavam nos mercados financeiros, que impuseram um certo tipo de "fundamentalismo de mercado". As políticas erróneas que daí advieram - impostas, entre outros, por alguns dos membros da equipe económica do presidente eleito Barack Obama - tinham resultado no passado em enormes custos para os países em desenvolvimento. O momento de iluminação chegou apenas quando essas políticas tiveram agora por resultado custos para os EUA e outros países industriais avançados.

Keynes não só defendeu que os mercados não se auto-corrigem, mas também que em circunstâncias francamente adversas a política monetária seria provavelmente ineficaz. Torna-se necessária uma política fiscal. Mas nem todas as políticas fiscais se equivalem. Na América de hoje, com o acumular das dívidas das famílias e uma elevada incerteza, as reduções fiscais serão provavelmente ineficazes (como o foram no Japão nos anos 90). Muita, senão a maior parte, da descida de impostos de Fevereiro passado nos EUA converteu-se em poupanças.

Com a gigantesca dívida deixada pela administração Bush, os EUA deverão estar especialmente interessados em conseguir o maior estímulo possível de cada dólar investido. O legado de baixo investimento em tecnologia e infra-estruturas, especialmente as verdes, e o crescente fosso entre ricos e pobres, requer congruência entre despesas no imediato e uma visão de longo alcance.

Isso impõe que se reestruturem tanto os impostos como a despesa pública. Baixar os impostos dos pobres e aumentar os subsídios de desemprego, enquanto se aumentam simultaneamente os impostos dos ricos, pode estimular a economia, reduzir o défice e reduzir as desigualdades. Cortar nas despesas com a guerra do Iraque e aumentar as despesas com a educação pode dar dividendos simultaneamente no curto e longo prazo, e reduzir o défice.

Keynes preocupou-se com a armadilha da liquidez - a incapacidade das autoridades em provocar um aumento da oferta de crédito visando incrementar o nível da actividade económica. Ben Bernanke. o presidente da Reserva Federal dos EUA, tentou energicamente evitar que esta fosse apontada como culpada pelo aprofundar da crise, da forma em que o foi em relação à Grande Depressão, que está associada a uma contracção no fornecimento de liquidez e ao colapso da banca.

No entanto, a história e a teoria devem invocar-se com cuidado: preservar as instituições financeiras não é um fim em si, mas um meio para atingir um fim. É o fluxo do crédito que é importante, e a razão porque o colapso da banca durante a Grande Depressão é significativa é porque ela era quem determinava as condições de fiabilidade do crédito, estava nela o repositório da informação necessária para a manutenção do fluxo do crédito.

Mas o sistema financeiro americano mudou de forma dramática desde os anos 30. Muitos dos grandes bancos da América deslocaram-se do negócio de "emprestar" para o "movimento dos negócios". Concentraram-se em comprar títulos, reformatá-los e tornar a vendê-los, enquanto estabeleciam um recorde de incompetência para avaliar riscos e autorizar créditos. Centenas de milhar de milhões foram gastos a preservar estas instituições disfuncionais. Nada foi feito sequer para reformular as suas perversas estruturas de incentivos, que encorajam comportamentos de vistas curtas e o assumir de excessivos riscos. Com recompensas privadas tão marcadamente distintas dos resultados sociais, não é de surpreender que a busca do interesse próprio (ganância) tivesse levado a tais consequências socialmente destrutivas. Nem sequer os interesses dos próprios accionistas foram bem servidos.

No entretanto, muito pouco está a fazer-se para apoiar os bancos que fazem realmente o que se espera que façam - emprestar dinheiro e autorizar crédito.

O governo federal assumiu biliões de dólares de problemas e riscos. Para salvar o sistema financeiro, tal como na política fiscal, temos de preocupar-nos com "tirar bom proveito do nosso dinheiro". De outra forma, o défice - que duplicou em oito anos - vai crescer ainda mais.

Em Setembro, falou-se que o governo iria reaver o seu dinheiro com juros. Quando o plano de salvação foi lançado, tornou-se cada vez mais claro que era meramente outro exemplo de má avaliação de risco dos mercados financeiros - justamente como tinha vindo a fazer-se consistentemente nos anos recentes. Os termos do plano de salvação de Bernanke-Paulson foram desvantajosos para quem paga impostos, e contudo, note-se, apesar da sua dimensão, muito pouco foi conseguido quanto a estimular a concessão de crédito.

A imposição neoliberal da desregulação serviu bem alguns interesses. Os mercados financeiros tiveram sucesso com a liberalização do mercado de capitais. Permitir à América vender os seus produtos financeiros de risco e especular no mundo inteiro serviu bem as suas firmas, mesmo que a um custo muito elevado imposto a outros.

Hoje, existe o risco de que se possa usar e abusar das novas doutrinas keynesianas para servir alguns dos mesmos interesses. Terão os que há 10 anos impuseram a desregulamentação aprendido a sua lição? Ou irão simplesmente apoiar reformas cosméticas - o mínimo que for necessário para justificar o megaplano de salvação de biliões de dólares? Houve uma mudança de intenções, ou só uma mudança na estratégia? No fim de contas, no contexto actual, a defesa de políticas keynesianas parece ser ainda mais lucrativa que a defesa do fundamentalismo de mercado!

Há uma década, no tempo da crise financeira asiática, muito foi discutido quanto à necessidade de reformar a arquitectura financeira global. Pouco foi feito. É imperioso que não só saibamos responder de forma adequada à actual crise, mas também que levemos a cabo reformas de longo prazo, que serão necessárias se quisermos criar uma economia global mais estável, mais próspera e mais equitativa.

5 de Dezembro de 2008

Tradução de José Pedro Fernandes

(...)

Resto dossier

Crise Económica Mundial

Enquanto se generaliza a recessão nos Estados Unidos, na Europa e no Japão, a crise financeira assume a sua verdadeira dimensão enquanto crise económica mundial. O Esquerda.net encerrou o dossier Crise Financeira Internacional (que pode ser consultado aqui) e abre agora um novo dossier Crise Económica Mundial, com novos textos e actualização permanente. Consulte-o frequentemente.

Capitalistas Loucos

Por trás do debate sobre como refazer a política financeira norte-americana, estará o debate sobre de quem é a culpa. É crucial expor a história de forma correcta, escreve um economista Prémio Nobel, identificando cinco erros chave - sob as administrações Reagan, Clinton e Bush II - e uma desilusão nacional.

Interconexão entre as crises, entrevista com Eric Toussaint

"É preciso realizar uma ruptura radical", diz Eric Toussaint, ao comentar as soluções para resolver as crises mundiais, em entrevista exclusiva à IHU On-Line , publicada a 9 de Dezembro. Para ele, "é preciso romper com o capitalismo", mas de imediato, explica, é preciso tomar uma série de medidas urgentes para enfrentar as crises financeira, económica, alimentar e climática.

Financeiros ou simplesmente vigaristas?

Querem-nos fazer acreditar que o caso de Madoff é isolado, mas não é. A fraude deste é particular, devido à sua imensa envergadura. Mas o que acaba de se descobrir é a versão extrema da fraude financeira dos nossos dias, a vigarice palpável e elementar. E o facto de os banqueiros mais poderosos do planeta terem caído nela mostra que não se trata de um acidente, mas a consequência da generalização de uma estratégia orientada para tirar rendimento de onde quer que seja.

Corrupção: Não há expulsões do paraíso fiscal

A última tentativa internacional para combater os paraísos fiscais foi um fracasso. Cerca de 200 especialistas em finanças internacionais reuniram-se no mês passado em Monte Carlo para estudar regras mais duras contra a evasão fiscal. Esta cidade fica no principado do Mónaco, sul da França, um dos mais famosos paraísos fiscais da Europa.

Stiglitz: Preservar as instituições financeiras não é um fim em si

Muito pouco está a fazer-se para apoiar os bancos que fazem realmente o que se espera que façam - emprestar dinheiro e autorizar crédito, diz o prémio Nobel da economia Joseph Stiglitz neste artigo publicado no diário britânico Guardian. Para o economista norte-americano, os termos do plano de salvação de Bernanke-Paulson foram desvantajosos para quem paga impostos, e contudo, apesar da sua dimensão, muito pouco foi conseguido para estimular a concessão de crédito.

Os horrores da “estagdeflação”

A economia dos EUA e mundial corre o risco de uma severa "estagdeflação", uma combinação mortífera de estagnação/recessão económica e deflação. Uma recessão mundial severa resultará em pressões deflacionárias. A queda na procura resultará em inflação mais baixa, à medida que as empresas cortem preços para reduzir os seus estoques excedentes.

Fundos soberanos: quando os Estados investem na finança

Um fundo de investimento soberano para defender a indústria francesa: eis um dos projectos-base de Nicolas Sarkozy que ganha corpo com o anúncio, na quinta-feira 20 Novembro, da afectação de um "fundo de investimento nacional". É o exemplo mais recente de uma tendência mundial: cada vez mais Estados investem na finança internacional.

A ciência económica vai nua

É das escolas de economia e gestão de todo mundo, sobretudo dos Estados Unidos, que tem saído uma boa parte dos operadores dos mercados financeiros e gestores de topo que lentamente acumularam decisões insustentáveis culminando na actual crise. Esta crise é também por isso um colapso teórico, uma falência de um modo de ver.

Mãos livres

Para combater a crise, os Estados Unidos optaram pela via imperial de emitir dinheiro, o que em última instância descarregará o seu custo sobre as costas do resto do mundo. Quer dizer: os Estados Unidos voltarão a actuar, como nos anos 80, sem pensar em nada mais que no seu próprio interesse estratégico e seja qual for o custo que isso implique para os demais.

Os desacreditados

Depois da queda da Bolsa, a queda dos intelectuais: entre as vítimas colaterais do naufrágio financeiro contam-se o punhado de economistas que espalham a boa-nova na comunicação social. Liberalização, desregulamentação, privatização: o seu credo resume-se em três palavras. Quando até um relógio parado acerta na hora duas vezes ao dia, estes "especialistas" exibiram uma constância no erro. Analisar as suas propostas contribui para evitar que sejam subitamente apagadas, como aconteceu com as dos banqueiros.

Bensaid: "Passámos a fase dos slogans simpáticos dos fóruns sociais"

De passagem pelo Brasil, o filósofo e cientista político francês concedeu uma entrevista exclusiva à Carta Maior, na qual analisa a crise financeira, comenta as situações dos EUA e da Europa e aponta os desafios para a esquerda construir uma alternativa ao modelo actual.

A crise, até onde?

Os peritos estão de guarda contra a recessão mais forte desde o pós-guerra no países desenvolvidos. Falência de empresas e a degradação das economias familiares (e particularmente aqueles demasiado pobres) fragilizam as instituições financeiras.

Michel Husson: "Não acredito na derrocada do capitalismo"

Crise do capitalismo, abrandamento dos países emergentes, intensificação das divergências no seio da zona euro, novo «Bretton Woods»: Michel Husson, economista no Institut de recherches économiques et sociales, membro da Attac, analisa o grande sismo económico em curso.

Crise: Salário contra dividendos

Só há uma solução: pôr fim ao retrocesso salarial. modificar a distribuição das riquezas: menos dividendos, mais salários e investimentos sociais. A margem de manobra é considerável, já que os dividendos distribuídos pelas sociedades não-financeiras representam, hoje, 12% de sua massa salarial, contra 4%, em 1982.

Interligação das Crises, por Eric Toussaint

A explosão das crises alimentar, económica e financeira em 2007-2008 mostra o quão interligadas estão as economias do planeta. Para resolver estas crises é necessário arrancar o mal pela raiz.

No hemisfério Sul, quantas divisões?

A crise financeira que vai mobilizar mais de mil biliões de fundos públicos de um lado e de outro do Atlântico para tentar "salvar" um sistema bancário que, sem eles, corre o risco de levar consigo tudo o resto, é apenas um caso que só diz respeito a dispositivos financeiros? Não, infelizmente.

Garantimos o sistema, e quem nos garante a nós?

O mundo que conhecíamos entrou em Crise. Temos motivos para preocupação? Claro que sim, mas quais? O que é que os cidadãos comuns, que pouco percebem de Credit default Swaps ou de produtos estruturados, podem esperar desta derrocada financeira?

O horizonte a médio prazo da economia mundial

Quando vivemos uma conjuntura tão convulsiva como a actual, é quiçá mais arriscado que nunca tecer cabalas sobre a evolução a médio prazo da economia mundial. Ainda que também seja verdadeiro que nestes momentos de perturbação é seguramente quando melhor se podem adivinhar os espaços de tensão que a afectam.

“Na terra dos Ricos”…

O mundo que conhecíamos entrou em Crise. Qual a origem, afinal, da crise que ameaça levar à falência as maiores, mais ricas, e mais estáveis economias do mundo?

Observações sobre o desastre económico

Para um leitor de Karl Marx, os delineamentos e desdobramentos da actual crise bancária e financeira são como uma ilustração exemplar e quase didáctica da sua explicação do capitalismo.