You are here

Interligação das Crises, por Eric Toussaint

A explosão das crises alimentar, económica e financeira em 2007-2008 mostra o quão interligadas estão as economias do planeta. Para resolver estas crises é necessário arrancar o mal pela raiz.

Por Éric Toussaint, Alternatives International

A Crise Alimentar

Em 2007-2008, mais de metade da população viu as suas condições de vida degradarem-se gravemente, pois foi confrontada pelo forte aumento do preço dos alimentos. Esta situação originou protestos massivos em pelo menos quinze países na primeira metade de 2008. O número de pessoas afectadas pele fome agravou-se em várias dezenas de milhões, e centenas de milhões viram o acesso aos alimentos restringir-se (e, consequentemente, a outros bens e serviços vitais). Tudo isto seguido das decisões tomadas por um punhado de empresas de sector "agrobusiness" (produtores de agro-combustíveis) e do sector financeiro (investidores institucionais que contribuem para a manipulação do processo de produção agrícola), que beneficiaram do apoio de Washigton e da Comissão Europeia. No entanto, a parte das exportações na produção mundial de alimentos continua débil. Apenas uma pequena parte do arroz, do trigo ou do milho produzida mundialmente é exportada, a esmagadora maioria da produção é consumida internamente. Mas são os preços dos mercados de exportação que determinam os preços nos mercados locais. Ora, os preços de exportação são fixados nos EUA, designadamente, em três bolsas (Chicago, Minneapolis, Kansas City). Consequentemente, o preço do arroz, do trigo e do milho em Timbuctu, no México, em Nairobi, em Islamabad é directamente influenciado pela evolução do curso desses grãos nos mercados bolsistas americanos.

Em 2008, perante a urgência, e sob pena de serem derrubadas pelos motins nos quatro cantos do planeta, as autoridades dos países em desenvolvimento tomaram medidas para garantir o acesso da população aos elementos básicos.

Se chegámos a esta situação, foi porque durante várias décadas, os governos renunciaram progressivamente ao apoio dos pequenos locais - que são maioritariamente os pequenos produtores - com grãos, e adoptaram as receitas neoliberais ditadas por instituições como o Banco Mundial, o Fundo Monetário Internacional, no âmbito dos programas de ajustamento estrutural e de redução da pobreza. Em nome da luta contra a pobreza, estas instituições convenceram os governos a executar políticas que reproduzem, reforçam a pobreza. Mais, durante os últimos anos, numerosos governos assinaram acordos bilaterais (especialmente, acordos de comércio livre) que agravaram ainda mais a situação. As negociações da Rodada de Doha na Organização Mundial do Comércio trouxeram igualmente consequências nefastas.

Que aconteceu?

1º Acto - Os países em desenvolvimento renunciaram à protecção aduaneira que lhes permitia colocar os camponeses locais ao abrigo da concorrência dos produtores externos, principalmente das grandes firmas de agro-exportação norte-americanas e europeias. Estas invadiram os mercados locais com produtos agrícolas vendidos abaixo do custo de produção dos agricultores e criadores locais, o que os conduz à falência (muitos destes acabam por emigrar para as grandes cidades dos seus países ou dos países industrializados). Seguindo a OMC, os subsídios concedidos pelos países do Norte às grandes empresas agrícolas do mercado interno não constituem uma violação das regras anti-dumping. Como escreveu Jacque Berthelot: "para o homem comum, existe dumping se exportar a preços inferiores ao custo médio de produção do país exportador; mas já não existe dumping se se exportar ao preço interno, mesmo que este seja inferior ao custo médio de produção". Em suma, os países da União Europeia, dos EUA ou de outros países exportadores podem invadir os mercados dos outros com produtos agrícolas que beneficiam de importantes subsídio internos.

O milho exportado para o México pelo EUA é um caso emblemático. Por causa do tratado de comércio livre entre os EUA, o Canadá e o México, este abandonou a sua protecção aduaneira face aos vizinhos do Norte, As exportações americanas de milho para o México cresceram nove vezes entre 1993 (último ano antes da celebração do tratado) e 2006. Centenas de milhar de famílias mexicanas tiveram de renunciar à produção de milho, pois este custará mais do que aquele importado dos EUA (produzido com tecnologia industrial subsidiada). Isto constitui não apenas um drama económico, mas também uma perda de identidade, pois o milho é símbolo de vida na cultura mexicana, principalmente, entre povos de origem maia. Uma grande parte dos cultivadores do milho abandonou os campos e partiu para as grandes cidades industriais mexicanas ou norte-americanas à procura de trabalho.

2º Acto - O México, que doravante depende dos EUA para nutrir a sua população, confronta-se com uma aumento brutal dos preços, provocado, por um lado, pela especulação nas bolsas de Chicago, Minneapolis e Kansas City e, por outro, pela produção de etanol no vizinho do Norte.

Os produtores de milho mexicano já não conseguem satisfazer a procura interna, e os consumidores são confrontados com uma explosão de preços do seu alimento base, a tortilla, este crepe de milho que substituí o pão ou a taça de arroz consumidas noutras latitudes. Em 2007, enormes protestos populares sacudiram o México.

Em condições específicas, as mesmas causas produzirão, grosso modo, os mesmos efeitos. A interligação dos mercados alimentares à escala mundial chegou a um nível jamais conhecido anteriormente.

A crise alimentar mundial coloca a nu o principal motor da sociedade capitalista: a procura do lucro privado máximo a curto prazo. Para os capitalistas, os alimentos não são mais que uma mercadoria que vendem ao maior lucro possível. O alimento, condição essencial para manter vivos os seres humanos, é transformado num puro instrumento de lucro. Deve pôr-se fim a esta lógica mortífera. Deve abolir-se o controlo sobre os grandes meios de produção e de comercialização e dar prioridade a uma política de soberania alimentar.

A Crise Económica e Financeira

Em 2007-2008 estalou igualmente a principal crise económica e financeira internacional desde 1929. Se não fosse a intervenção massiva e concertada dos poderes públicos, que se tornaram o seguro dos bancos ladrões, a actual crise teria já proporções muito mais amplas. Também aqui, a interligação é impressionante. Entre 31 de Dezembro de 2007 e fins de Setembro de 2008, todas as bolsas do mundo sofreram uma baixa muito significativa, entre 25 a 35% - por vezes mais - para as bolsas dos países mais industrializados, até 60% para a China, passando por 50% para a Rússia e a Turquia. A montagem colossal de dívidas privadas, criação pura de capital fictício, acabou por explodir de país em país industrializado, começando pelos EUA, a economia mais endividada do mundo. Com efeito, a soma das suas dívidas pública e privada elevou-se, em 2008, a 50 biliões substitua as grandes cidades industriais mexicanas ou nor (milhões de milhões) de dólares, ou seja, 350% do PIB. Esta crise económica e financeira que já afectou todo o planeta, afectará ainda mais os países em desenvolvimento que se crêem ainda protegidos. A mundialização capitalista não soltou ou não desligou as economias. Pelo contrário, países como China, Brasil, Índia ou Rússia não estão ao abrigo da crise e isto é só o início.

A Crise Climática

Os efeitos das alterações climáticas desapareceram da actualidade, suplantadas pela crise financeira. Contudo, o processo está em curso à escala mundial, e também aqui a interligação é evidente. Determinadas populações de países "pobres" serão mais fortemente afectadas do que as dos países "ricos" mas ninguém sairá incólume.

A conjugação destas três crises mostra aos povos a necessidade de se libertarem da sociedade capitalista e do seu modelo produtivo.

A ligação entre as crises capitalistas põe em evidência a necessidade de um programa anticapitalista e revolucionário à escala planetária. As soluções para que elas sejam favoráveis aos povos e à Natureza serão internacionais e sistémicas. A humanidade não poderá contentar-se com meias medidas.

Sexta, 7 de Novembro de 2008

Éric Toussaint é presidente do Comité belga para a Anulação da Dívida do Terceiro Mundo.

Tradução de Sofia Gomes

(...)

Resto dossier

Crise Económica Mundial

Enquanto se generaliza a recessão nos Estados Unidos, na Europa e no Japão, a crise financeira assume a sua verdadeira dimensão enquanto crise económica mundial. O Esquerda.net encerrou o dossier Crise Financeira Internacional (que pode ser consultado aqui) e abre agora um novo dossier Crise Económica Mundial, com novos textos e actualização permanente. Consulte-o frequentemente.

Capitalistas Loucos

Por trás do debate sobre como refazer a política financeira norte-americana, estará o debate sobre de quem é a culpa. É crucial expor a história de forma correcta, escreve um economista Prémio Nobel, identificando cinco erros chave - sob as administrações Reagan, Clinton e Bush II - e uma desilusão nacional.

Interconexão entre as crises, entrevista com Eric Toussaint

"É preciso realizar uma ruptura radical", diz Eric Toussaint, ao comentar as soluções para resolver as crises mundiais, em entrevista exclusiva à IHU On-Line , publicada a 9 de Dezembro. Para ele, "é preciso romper com o capitalismo", mas de imediato, explica, é preciso tomar uma série de medidas urgentes para enfrentar as crises financeira, económica, alimentar e climática.

Financeiros ou simplesmente vigaristas?

Querem-nos fazer acreditar que o caso de Madoff é isolado, mas não é. A fraude deste é particular, devido à sua imensa envergadura. Mas o que acaba de se descobrir é a versão extrema da fraude financeira dos nossos dias, a vigarice palpável e elementar. E o facto de os banqueiros mais poderosos do planeta terem caído nela mostra que não se trata de um acidente, mas a consequência da generalização de uma estratégia orientada para tirar rendimento de onde quer que seja.

Corrupção: Não há expulsões do paraíso fiscal

A última tentativa internacional para combater os paraísos fiscais foi um fracasso. Cerca de 200 especialistas em finanças internacionais reuniram-se no mês passado em Monte Carlo para estudar regras mais duras contra a evasão fiscal. Esta cidade fica no principado do Mónaco, sul da França, um dos mais famosos paraísos fiscais da Europa.

Stiglitz: Preservar as instituições financeiras não é um fim em si

Muito pouco está a fazer-se para apoiar os bancos que fazem realmente o que se espera que façam - emprestar dinheiro e autorizar crédito, diz o prémio Nobel da economia Joseph Stiglitz neste artigo publicado no diário britânico Guardian. Para o economista norte-americano, os termos do plano de salvação de Bernanke-Paulson foram desvantajosos para quem paga impostos, e contudo, apesar da sua dimensão, muito pouco foi conseguido para estimular a concessão de crédito.

Os horrores da “estagdeflação”

A economia dos EUA e mundial corre o risco de uma severa "estagdeflação", uma combinação mortífera de estagnação/recessão económica e deflação. Uma recessão mundial severa resultará em pressões deflacionárias. A queda na procura resultará em inflação mais baixa, à medida que as empresas cortem preços para reduzir os seus estoques excedentes.

Fundos soberanos: quando os Estados investem na finança

Um fundo de investimento soberano para defender a indústria francesa: eis um dos projectos-base de Nicolas Sarkozy que ganha corpo com o anúncio, na quinta-feira 20 Novembro, da afectação de um "fundo de investimento nacional". É o exemplo mais recente de uma tendência mundial: cada vez mais Estados investem na finança internacional.

A ciência económica vai nua

É das escolas de economia e gestão de todo mundo, sobretudo dos Estados Unidos, que tem saído uma boa parte dos operadores dos mercados financeiros e gestores de topo que lentamente acumularam decisões insustentáveis culminando na actual crise. Esta crise é também por isso um colapso teórico, uma falência de um modo de ver.

Mãos livres

Para combater a crise, os Estados Unidos optaram pela via imperial de emitir dinheiro, o que em última instância descarregará o seu custo sobre as costas do resto do mundo. Quer dizer: os Estados Unidos voltarão a actuar, como nos anos 80, sem pensar em nada mais que no seu próprio interesse estratégico e seja qual for o custo que isso implique para os demais.

Os desacreditados

Depois da queda da Bolsa, a queda dos intelectuais: entre as vítimas colaterais do naufrágio financeiro contam-se o punhado de economistas que espalham a boa-nova na comunicação social. Liberalização, desregulamentação, privatização: o seu credo resume-se em três palavras. Quando até um relógio parado acerta na hora duas vezes ao dia, estes "especialistas" exibiram uma constância no erro. Analisar as suas propostas contribui para evitar que sejam subitamente apagadas, como aconteceu com as dos banqueiros.

Bensaid: "Passámos a fase dos slogans simpáticos dos fóruns sociais"

De passagem pelo Brasil, o filósofo e cientista político francês concedeu uma entrevista exclusiva à Carta Maior, na qual analisa a crise financeira, comenta as situações dos EUA e da Europa e aponta os desafios para a esquerda construir uma alternativa ao modelo actual.

A crise, até onde?

Os peritos estão de guarda contra a recessão mais forte desde o pós-guerra no países desenvolvidos. Falência de empresas e a degradação das economias familiares (e particularmente aqueles demasiado pobres) fragilizam as instituições financeiras.

Michel Husson: "Não acredito na derrocada do capitalismo"

Crise do capitalismo, abrandamento dos países emergentes, intensificação das divergências no seio da zona euro, novo «Bretton Woods»: Michel Husson, economista no Institut de recherches économiques et sociales, membro da Attac, analisa o grande sismo económico em curso.

Crise: Salário contra dividendos

Só há uma solução: pôr fim ao retrocesso salarial. modificar a distribuição das riquezas: menos dividendos, mais salários e investimentos sociais. A margem de manobra é considerável, já que os dividendos distribuídos pelas sociedades não-financeiras representam, hoje, 12% de sua massa salarial, contra 4%, em 1982.

Interligação das Crises, por Eric Toussaint

A explosão das crises alimentar, económica e financeira em 2007-2008 mostra o quão interligadas estão as economias do planeta. Para resolver estas crises é necessário arrancar o mal pela raiz.

No hemisfério Sul, quantas divisões?

A crise financeira que vai mobilizar mais de mil biliões de fundos públicos de um lado e de outro do Atlântico para tentar "salvar" um sistema bancário que, sem eles, corre o risco de levar consigo tudo o resto, é apenas um caso que só diz respeito a dispositivos financeiros? Não, infelizmente.

Garantimos o sistema, e quem nos garante a nós?

O mundo que conhecíamos entrou em Crise. Temos motivos para preocupação? Claro que sim, mas quais? O que é que os cidadãos comuns, que pouco percebem de Credit default Swaps ou de produtos estruturados, podem esperar desta derrocada financeira?

O horizonte a médio prazo da economia mundial

Quando vivemos uma conjuntura tão convulsiva como a actual, é quiçá mais arriscado que nunca tecer cabalas sobre a evolução a médio prazo da economia mundial. Ainda que também seja verdadeiro que nestes momentos de perturbação é seguramente quando melhor se podem adivinhar os espaços de tensão que a afectam.

“Na terra dos Ricos”…

O mundo que conhecíamos entrou em Crise. Qual a origem, afinal, da crise que ameaça levar à falência as maiores, mais ricas, e mais estáveis economias do mundo?

Observações sobre o desastre económico

Para um leitor de Karl Marx, os delineamentos e desdobramentos da actual crise bancária e financeira são como uma ilustração exemplar e quase didáctica da sua explicação do capitalismo.