You are here

A Diplomacia das mentiras

Nenhum candidato presidencial, muito menos um democrata a nadar em dinheiro dos "banksters" [banqueiros-gangsters] americanos, como lhes chamou Franklin Roosevelt, pode ou vai desafiar um sistema militarizado que o controla e recompensa. A função de Obama é apresentar uma face benigna, mesmo progressista, que vai fazer reviver as pretensões democráticas da América, internacional e domesticamente, ao mesmo tempo que se assegura que nada muda de substancial.

Por John Pilger, Socialist Worker

 

Em 1992, Mark Higson, o representante britânico do Ministério dos Negócios Estrangeiros oficialmente responsável pelo Iraque, compareceu perante o inquérito Scott sobre o escândalo das armas vendidas ilegalmente a Saddam Hussein. Ele descreveu uma "cultura de mentira" no seio do Ministério dos Negócios Estrangeiros. Perguntei-lhe com que frequência os ministérios, os seus membros e representantes mentiam ao Parlamento.

"É sistemático," disse ele. "Os esboços das cartas que escrevi para vários ministérios diziam que nada tinha mudado, que o embargo às vendas de armas para o Iraque continuava."

"E isso era verdade?" Perguntei.

"Não, não era verdade."

"E os seus superiores sabiam que isso não era verdade?"

"Sim."

"Então a que quantidade de verdade é que o público teve acesso?"

"O público teve o máximo de verdade possível, dado que nós dissemos mentiras extremas."

Desde o envolvimento britânico com o grupo genocida Khmer Vermelho no Cambodja, ao fornecimento de aviões de combate ao ditador indonésio Suharto, sabendo que ele estava a bombardear civis em Timor Leste, e a recusa de fornecimento de vacinas e de ajuda humanitária às crianças iraquianas, o meu conhecimento do Ministério dos Negócios Estrangeiros mostra-me que Higson tinha e continua a ter razão.

No momento em que escrevo este artigo, as pessoas expropriadas de Chagos Island, no oceano Índico, aguardam a decisão dos Senhores da Lei, esperando uma repetição dos quatro julgamentos anteriores que concluíram que a sua expulsão brutal para abrir caminho à instalação de uma base militar dos Estados Unidos da América foi "ultrajante", "ilegal" e "repugnante".

O facto de eles terem de aguentar ainda outro recurso deve-se ao Ministério do Estrangeiro - cujo conselheiro legal em 1968, um Anthony Ivall Aust (pronuncia-se "oarst" e desde então feito cavaleiro), escreveu um documento secreto com o título "Mantendo a ficção". Nele aconselhou o na altura governo trabalhista britânico a "argumentar" com a "ficção" de que os Chagossians eram apenas uma população flutuante". Hoje a ilha principal, Diego Garcia, que se encontra despovoada, e sobre a qual ondula a Union Jack, serve "a guerra contra o terror", como um centro de interrogatório e tortura norte-americano.

* * *

Quando levamos estes factos em conta, a corrida presidencial norte-americana torna-se surreal. A beatificação do presidente Barack Obama já está em curso; porque é ele que "desafia a América para se levantar [e] evocar 'os melhores anjos da nossa natureza'", diz a revista Rolling Stone, recordando os apelos semelhantes dos redactores do Guardian ao "místico" Blair.

Como sempre, é necessário o Teste de Inversão de Orwell. Obama afirma que a vasta riqueza da sua campanha vem de pequenos doadores individuais, todavia ele também recebe fundos de alguns dos mais notórios saqueadores de Wall Street. Além disso, a "pomba" e o "candidato da mudança" votou repetidamente a favor dos fundos para as guerras de rapina de George W. Bush, e agora exige mais guerra no Afeganistão, ao mesmo tempo que ameaça bombardear o Paquistão.

Desdenhando das democracias populares na América Latina como se fossem um "vácuo" a ser preenchido pelos Estados Unidos, Obama endossou o direito da Colômbia de "atacar terroristas que procuram refúgio fora das suas fronteiras". Traduzindo, isto significa o "direito" do criminoso regime que existe naquele país de invadir os vizinhos, nomeadamente a atrevida Venezuela, em nome de Washington.

O grupo britânico de direitos humanos Justiça para a Colômbia acabou de publicar um estudo sobre o apoio anglo-americano ao regime colombiano de Álvaro Uribe, que é responsável por mais de 90% de todos os casos de tortura. Os principais torturadores, as "forças de segurança", são treinados pelos norte-americanos e britânicos. O Foreign Office [Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico] responde que está a "melhorar o registo de direitos humanos dos militares e a combater o tráfico de drogas." O estudo não encontra uma migalha de evidência que sustente estas afirmações, e há oficiais colombianos com registos bárbaros, como os implicados no assassinato de um dirigente sindical, que são convidados para "seminários" britânicos.

Como em muitas partes do mundo, o papel britânico é o de subcontratador de Washington. O sangrento "Plano Colômbia" foi desenhado por Bill Clinton, o último presidente democrata e inspirador do Novo Trabalhismo de Blair e de Brown. A administração de Clinton foi pelo menos tão violenta quanto a de Bush - vejam o relatório da Unicef de que 500 mil crianças iraquianas morreram como consequência do bloqueio anglo-americano nos anos 90.

A lição disto é que nenhum candidato presidencial, muito menos um democrata a nadar em dinheiro dos "banksters" [banqueiros-gangsters] americanos, como lhes chamou Franklin Roosevelt, pode ou vai desafiar um sistema militarizado que o controla e recompensa. A função de Obama é apresentar uma face benigna, mesmo progressista, que vai fazer reviver as pretensões democráticas da América, internacional e domesticamente, ao mesmo tempo que se assegura que nada muda de substancial.

Entre os americanos comuns e desesperados por uma vida segura, a sua cor de pele pode ajudá-lo a reconquistar esta injustificada "verdade", mesmo que a cor seja semelhante à de Colin Powell, que mentiu às Nações Unidas por Bush e agora apoia Obama.

E para nós todos, não será a altura de abrir os olhos e exercer o nosso direito de que não nos mintam outra vez?

John Pilger é um famoso repórter investigativo e documentarista que já foi considerado pelo diário britânico Guardian "o mais brilhante jornalista do mundo de hoje". É também autor de numerosos livros. JohnPilger.com

Publicado originalmente no New Statesman.

Tradução de Manuel Sá e Luis Leiria

(...)

Resto dossier

Presidente Obama

A menos que ocorra alguma pouco provável surpresa de última hora, Barack Obama será eleito no próximo dia 4 de Novembro presidente dos Estados Unidos da América. Uma enorme expectativa rodeia o primeiro presidente negro da história dos EUA. Mas que mudanças se podem esperar depois do 4 de Novembro? Esse é o tema principal deste dossier.

Chomsky: "Os EUA têm essencialmente um sistema de partido único"

O linguista e intelectual Noam Chomsky tem sido, desde há muito tempo, um crítico do consumismo e imperialismo americanos. A [revista alemã] Der Spiegel falou com ele sobre a actual crise do capitalismo, a retórica de Barack Obama e o conformismo dos intelectuais.

Temor de fraude com voto electrónico

Na medida em que se aproximam as eleições presidenciais de 4 de Novembro nos Estados Unidos, a proliferação de sistemas de voto electrónico renova os temores de que vírus, discrepâncias e inclusive fraude deliberada influam no resultado.

A protecção das eleições

O dia das eleições aproxima-se, e com ele um teste à integridade do sistema eleitoral dos Estados Unidos. Quem será autorizado a votar? Quem será impedido de o fazer? Quem inscreverá o voto num boletim de papel? Quem usará máquinas de voto electrónicas?  Estarão as assembleias de voto abertas o tempo necessário para dar resposta a uma afluência que se prevê histórica?

A bravata afegã de Obama e de McCain

As primeiras conversações sérias entre o governo afegão e os talibans começaram há dez dias em Meca, sob os auspícios do Rei Abdullah da Arábia Saudita. Um general britânico sénior, Mark Carleton-Smith, admitiu que a vitória militar absoluta no Afeganistão é impossível. Mas John McCain e Barack Obama ainda falam como se mais umas brigadas de soldados americanos pudessem mudar o resultado da guerra.

A Diplomacia das mentiras

Nenhum candidato presidencial, muito menos um democrata a nadar em dinheiro dos "banksters" [banqueiros-gangsters] americanos, como lhes chamou Franklin Roosevelt, pode ou vai desafiar um sistema militarizado que o controla e recompensa. A função de Obama é apresentar uma face benigna, mesmo progressista, que vai fazer reviver as pretensões democráticas da América, internacional e domesticamente, ao mesmo tempo que se assegura que nada muda de substancial.

O que acontece depois de 4 de Novembro?

A provável eleição de Barack Obama vai marcar o fim de um período de domínio conservador em Washington. Mas tudo o que sabemos sobre ele sugere que se irá manter um político cauteloso e moderado.

Obama: a diferença?

Parece que Barack Obama e John McCain estão a discutir em que guerra lutar. McCain diz: mantenhamos as tropas no Iraque até "ganharmos". Obama diz: retiremos algumas tropas (não todas) do Iraque e enviemo-las para combater no Afeganistão, para "ganharmos" aí.