You are here

Presidente Obama

A menos que ocorra alguma pouco provável surpresa de última hora, Barack Obama será eleito no próximo dia 4 de Novembro presidente dos Estados Unidos da América. Uma enorme expectativa rodeia o primeiro presidente negro da história dos EUA. Mas que mudanças se podem esperar depois do 4 de Novembro? Esse é o tema principal deste dossier.

O jornal norte-americano de esquerda Socialist Worker afirma em O que acontece depois de 4 de Novembro? que Obama na presidência vai manter-se um político cauteloso e moderado. Numa entrevista à revista alemã Der Spiegel, o linguista e intelectual Noam Chomsky lembra que "Os EUA têm essencialmente um sistema de partido único". O historiador norte-americano Howard Zinn, no artigo Obama: a diferença?, declara o seu voto no candidato democrata mas observa que "parece que Barack Obama e John McCain estão a discutir em que guerra lutar". Em  A Diplomacia das mentiras, o jornalista John Pilger afirma que a função de Obama é apresentar uma face benigna, mesmo progressista, e ao mesmo tempo assegurar-se que nada muda de substancial. Patrick Cockburn, do Counterpunch, no artigo A bravata afegã de Obama e de McCain, traça um quadro da guerra do Afeganistão e mostra que enquanto um general britânico reconhece que a guerra é impossível de vencer, Obama e McCain ainda falam em vitória, com um reforço de tropas.
Apesar de não se esperarem surpresas, o passado recente levanta ainda temores de manipulação das eleições. É esse o tema de Amy Goodman, no artigo A protecção das eleições, e do jornalista Ali Gharib, da IPS, no artigo Temor de fraude com voto electrónico.

(...)

Resto dossier

Presidente Obama

A menos que ocorra alguma pouco provável surpresa de última hora, Barack Obama será eleito no próximo dia 4 de Novembro presidente dos Estados Unidos da América. Uma enorme expectativa rodeia o primeiro presidente negro da história dos EUA. Mas que mudanças se podem esperar depois do 4 de Novembro? Esse é o tema principal deste dossier.

Chomsky: "Os EUA têm essencialmente um sistema de partido único"

O linguista e intelectual Noam Chomsky tem sido, desde há muito tempo, um crítico do consumismo e imperialismo americanos. A [revista alemã] Der Spiegel falou com ele sobre a actual crise do capitalismo, a retórica de Barack Obama e o conformismo dos intelectuais.

Temor de fraude com voto electrónico

Na medida em que se aproximam as eleições presidenciais de 4 de Novembro nos Estados Unidos, a proliferação de sistemas de voto electrónico renova os temores de que vírus, discrepâncias e inclusive fraude deliberada influam no resultado.

A protecção das eleições

O dia das eleições aproxima-se, e com ele um teste à integridade do sistema eleitoral dos Estados Unidos. Quem será autorizado a votar? Quem será impedido de o fazer? Quem inscreverá o voto num boletim de papel? Quem usará máquinas de voto electrónicas?  Estarão as assembleias de voto abertas o tempo necessário para dar resposta a uma afluência que se prevê histórica?

A bravata afegã de Obama e de McCain

As primeiras conversações sérias entre o governo afegão e os talibans começaram há dez dias em Meca, sob os auspícios do Rei Abdullah da Arábia Saudita. Um general britânico sénior, Mark Carleton-Smith, admitiu que a vitória militar absoluta no Afeganistão é impossível. Mas John McCain e Barack Obama ainda falam como se mais umas brigadas de soldados americanos pudessem mudar o resultado da guerra.

A Diplomacia das mentiras

Nenhum candidato presidencial, muito menos um democrata a nadar em dinheiro dos "banksters" [banqueiros-gangsters] americanos, como lhes chamou Franklin Roosevelt, pode ou vai desafiar um sistema militarizado que o controla e recompensa. A função de Obama é apresentar uma face benigna, mesmo progressista, que vai fazer reviver as pretensões democráticas da América, internacional e domesticamente, ao mesmo tempo que se assegura que nada muda de substancial.

O que acontece depois de 4 de Novembro?

A provável eleição de Barack Obama vai marcar o fim de um período de domínio conservador em Washington. Mas tudo o que sabemos sobre ele sugere que se irá manter um político cauteloso e moderado.

Obama: a diferença?

Parece que Barack Obama e John McCain estão a discutir em que guerra lutar. McCain diz: mantenhamos as tropas no Iraque até "ganharmos". Obama diz: retiremos algumas tropas (não todas) do Iraque e enviemo-las para combater no Afeganistão, para "ganharmos" aí.