You are here

Aquecimento Global afecta produção agrícola mundial

Entre os principais factores que afectam as colheitas, verificou-se que a precipitação não teve grande influência na produção média global. No entanto os efeitos produzidos pela variação da temperatura média revelaram-se importantes para cada um dos produtos agrícolas estudados.
Observou-se nos últimos 30 anos uma redução da produção de trigo na Rússia, na Índia e em França, bem como uma diminuição da produção de milho na China e no Brasil à medida que a temperatura nestas regiões foi aumentando.

Um trabalho científico publicado na revista Science deste mês analisa a produção agrícola mundial desde 1980 em função de vários factores, entre os quais o aumento de temperatura global registado nos últimos 30 anos decorrente da actividade humana. Entre os dez anos mais quentes até hoje registados, nove ocorreram entre 2001 e 2010. Dezembro de 2010 foi o 310omês consecutivo cuja temperatura ultrapassou a média de temperaturas do século XX. A última vez que um mês apresentou uma temperatura média inferior à do século XX foi o mês de Fevereiro de 1985. Esta tendência clara de aumento da temperatura média global reflectiu-se no trabalho publicado na Science. Nas principais regiões de cultivo registaram-se durante a época de crescimento da produção agrícola as variações da temperatura média expressas no mapa abaixo apresentado. Exceptuando as regiões agrícolas dos EUA e do Canadá onde se verifica um ligeiro arrefecimento, no resto do mundo registou-se um aumento até 3°C.

Entre os principais factores (medidos e simulados por modelos) que afectam as colheitas, verificou-se que a precipitação não teve grande influência na produção média global. No entanto os efeitos produzidos pela variação da temperatura média revelaram-se importantes para cada um dos produtos agrícolas estudados, em particular nas regiões onde aumentou a temperatura (ver mapa). Observou-se nos últimos 30 anos uma redução da produção de trigo na Rússia, na Índia e em França, bem como uma diminuição da produção de milho na China e no Brasil à medida que a temperatura nestas regiões foi aumentando. Estes dados indicam que a prioridade de adaptação às alterações do clima deve estar centrada nos efeitos produzidos nas culturas pelo aumento de temperatura global.

Pesando o aumento de cerca de 20% dos custos afectados apenas ao aumento da temperatura com os benefícios para as culturas resultantes do aumento da concentração do dióxido de carbono na atmosfera causado pela actividade humana, verificou-se um aumento total do preço do trigo e do milho superior a 5%, ou seja um aumento total de despesa de 50 mil milhões de dólares (a preços constantes) em todo o mundo.

Tendo em conta que nas últimas duas décadas tem sido mais frequente ocorrerem anos em que o consumo supera a produção agrícola mundial e tendo ainda em conta o facto de a temperatura média global continuar a aumentar, e a aumentar mais rapidamente, não se prevêem melhorias para a agricultura do planeta. Se razões faltavam, eis mais um forte motivo para se combater o aquecimento global com muita urgência.

Sobre o/a autor(a)

Investigador no Departamento de Física da Universidade de Coimbra
Termos relacionados Ambiente
(...)